Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_12.jpg

Me Engana Que Eu Gosto!



Chargista Nani

Imagem da Matéria

 Exemplo” que vem da Líbia

Caso o Congresso aprove a criação do Fundo Especial de Financiamento da Democracia, o Brasil passará a integrar um pequeno grupo de países que bancam as suas campanhas eleitorais com recursos públicos. Entre 180 nações listadas pelo International Institute For Democracy (Idea), pouco mais de um terço (34%) usa financiamento público eleitoral para campanhas.  É o caso, radicalmente, do Irã, da Líbia e do Afeganistão, por (mau) exemplo.

Como ´efeito orloff´ da conjunção que é um simulacro de reforma política em gestação na Câmara, o PMDB prepara a sua propaganda enganosa.  A pretexto de “reprogramar o presente”, voltará a chamar-se MDB – Movimento Democrático Brasileiro.

Só que aquele MDB, que teve importante participação na redemocratização do país, tinha em suas lideranças Ulysses Guimarães, Tancredo Neves, Franco Montoro e Itamar Franco.

E a cúpula do PMDB de hoje tem... Michel Temer, Renan Calheiros, Romero Jucá, Eliseu Padilha. Mais os eteceteras...

A propósito, nos anos 80, criada pelos compositores Marquinho Satã, Nivaldo Duarte e Serginho do Cavaco, surgiu uma musiquinha intitulada “Me Engana que Eu Gosto”, que fez médio sucesso. Era assim:

Me engana, me engana, me engana / Que eu gosto, eu gosto / Quem é brasileiro está satisfeito / Pois esse é o jeito.../

Pra que reclamar? / Se é bom o governo, é bom o prefeito / Cidade tranquila como esta não há / O meu capital está sempre sobrando / Não sei até quando ele vai ser assim...

Por mais que eu gaste, está sempre aumentando / Por mais que eu gaste, nunca chega ao fim / Eu gosto, eu gosto / Me engana, me engana, me engana / Que eu gosto, que eu gosto.

Para recordar, veja as imagens e escute o áudio.

 Minha casa, meus problemas

Vitrine dos governos Lula e Dilma, construções do programa ´Minha Casa, Minha Vida´ apresentam defeitos como rachaduras e infiltrações.

O relatório da Controladoria Geral da União é impressionante e desolador: 56,4% das unidades, Brasil afora, tem problemas.

Fiscalização prévia, antes de a CEF liberar as verbas para as empreiteiras? Nem pensar!...

 Soltem eles!

O presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, queixou-se esta semana, numa palestra na Associação Comercial de São Paulo, de que “após a operação Lava-Jato não sobraram empreiteiras para tocar as grandes obras de infraestrutura no país”.

O palestrante deixou preceitos assustadores: “É preciso ensinar Economia aos procuradores. Eles têm que saber que da caneta deles saem o desemprego e o fechamento de empresas. O empresário que está preso, ao invés de voltar à sua empresa, deveria ter permissão para trabalhar e voltar às obras e pagar as multas do acordo de leniência”.

Maria da Penha invertida

Alegando que estava sendo perseguido e ameaçado pela ex-mulher, um homem tentou proteção na Justiça, com base na Lei Maria da Penha. O juiz da 2ª Vara Criminal de São Paulo (SP), porém, negou o pedido, “porque essa legislação visa garantir proteção a mulheres e não pode ser estendida aos maridos”.

Conforme a petição inicial, o homem sente-se cada vez mais ameaçado, “pois a ex-mulher o persegue e ameaça e ele teme por sua integridade física e até mesmo pela própria vida”.

O arremate do autor: “por ter sido casado com ela, ele sabe do que ela é capaz”. 


Comentários

Beatriz Moreira Siqueira - Aposentada E Advogada 20.08.17 | 19:01:12
Como complemento do dia, adoro ler esta coluna, pois me traz lembranças boas, embora estejamos neste tempo turbulento. Meus bisnetos, talvez, tenham a sorte de não terem que ler os absurdos cometidos por nossos "pretensos donos do poder". Inclusive,envergonho-me, por ser ADVOGADA E EDUCADORA, de saber que atingiu, não a maioria, graças a Deus, mas alguns "juízes" que se julgam acima da sociedade. Para estes "magistrados", tudo; para a sociedade sofrida, nada. Parabéns, Marco Antonio Birnfeld, pelo acerto dos teus textos.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Assédio moral de jogadores do Inter contra historiadora do clube

Ela trabalhava no museu colorado e cansou de ser chamada de “gostosa”, “cheirosa” e “linda”.

Chumbo grosso contra Lula e Aécio na delação da OAS.

•  Filme sobre Roberto Carlos: o rei na vida real.

Brasil ocupa duas entre dez posições dos maiores assaltos do mundo.

A insólita reação durante cruzeiro marítimo

• Homem joga ao mar a mala e os pertences da moça que ele conhecera durante viagem de navio pelo litoral brasileiro.

• Dinheiro encontrado na “caverna baiana de Ali Baba”, renderia R$ 480 mil mensais se tivesse sido depositado na poupança.

• Lula, Dilma e o PT receberam R$ 300 milhões da Odebrecht. E Geddel ganhou R$ 51 milhões de alguém. Um trabalhador brasileiro honesto (salário de R$ 4 mil mensais) levaria 8.775 anos para a proeza de – sem gastar nada – juntar esse dinheiro.

Preparem-se! O Brasil poderá ter até 103 partidos políticos

  Entre outros, vêm aí Partido da Raiz, Partido Militar Brasileiro, Partido das Favelas, Partido do Esporte, Partido Indígena e o pitoresco Partido Nacional Corinthiano.

• Escapamos de ter Eduardo Cunha como o próximo Presidente da República.

• Perda de objeto na suspeição de Rodrigo Janot.

As mulheres já são maioria nos cursos de Direito.

Exame invasivo proibido

• Exame de “Papanicolau” proibido para candidatas aprovadas em concursos

 TRF-3 confirma sentença de procedência de ação civil movida contra o INSS: “violação do princípio da isonomia, da razoabilidade e da dignidade da mulher”.

• Crise no STF? Gilmar Mendes está a 10.022 km de distância de Brasília.

 Funcionalismo estadual do RS recebeu, por conta dos salários de agosto, menos de 8% do que – a título de “auxílio-moradia” – é entregue (R$ 4.377) a juízes, promotores e conselheiros do Tribunal de Contas.

Mulher que mata marido não perde direito à comunhão de bens

• Desdobramento, no Direito de Sucessões, de homicídio ocorrido no interior do RS, onde o cônjuge homem foi morto a machadadas enquanto dormia.

• Voz das ruas: “Precisamos de mais Moros e Bretas e menos Toffolis e Gilmars” (sic).

• Sarney, Collor, FHC, Lula e Dilma custaram R$ 2,3 milhões ao País, no 1º semestre de 2017.

 Quando os notórios se lançam de roupa na piscina para comemorar a vitória que se aproxima...