Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

O seguro de sorte



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O jogador de futebol, de média expressão regional, cobrava parcelas rescisórias. A contestação trouxe recibos, cópia de uma apólice de seguro, etc. Com base nos documentos, o clube sustentou nada dever.

Na réplica, em longa petição, o advogado do atleta verberou que “o clube deixou, todavia, de cumprir a obrigação de contratar o seguro de sorte”. E sustentou que “tal descumprimento seja resolvido em perdas e danos”.

Na audiência, o advogado da agremiação esportiva, bramindo com os autos em mãos, leu a cláusula oitava do contrato: “Quanto à cobertura securitária prevista na legislação, o clube contratará o pertinente seguro, de sorte que a entrega da futura apólice comprovará o cumprimento da obrigação”.

E arrazoou:

- A Lei Pelé prevê que os clubes de futebol devem contratar seguro de vida e de acidentes pessoais, vinculado à atividade desportiva, tanto para atletas sob regime de contrato de formação desportiva, quanto para atletas profissionais. Fizemos isso!

Feições de impaciência, o juiz destilou:

- Senhores, conforme o Dicionário Prático de Expressões Correntes, a expressão ´de sorte´  significa ´de maneira que´. Ademais, consultei compêndios de seguro e não encontrei uma só referência à existência, no país, desse seguro reclamado pelo autor. O tal seguro de sorte não existe!

Sorrisos irônicos e constrangimentos cruzaram-se na sala. O magistrado inflou-se, então, com ares de professor do idioma pátrio:

- A vírgula pode ser uma pausa, ou não. Vou dar um exemplo. Se eu escrever ´Vamos perder, nada foi resolvido´, o conteúdo da frase será antagonicamente diferente de ´Vamos perder nada, foi resolvido´.

Sorriso amarelo, o advogado do autor se conformou e desistiu da ação. E o juiz foi comedido na conclusão da singela sentença: “De sorte que, sem o seguro de ventura, que na realidade não existe, - e em necessário bom português e atento às vírgulas, homologo a desistência”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

A fortuna do “Padre Eros”

 

A fortuna do “Padre Eros”

Na cidade de 150 mil habitantes, o padre -  filho único - herdara todo o patrimônio deixado por seus pais. Era um homem rico - todos sabiam. Liberal, o religioso não obedecia ao celibato.  Metade dos paroquianos sabia que ele mantinha uma união “semi-estável” com uma mulher de meia idade, com quem tinha encontros matinais.

Charge de Gerson Kauer

O juiz papador

 

O juiz papador

Era uma ação trabalhista em que o porteiro de um motel reclamava horas extras. A petição inicial juntou fotos com as placas de automóveis que eram ´habituês´ nas incursões românticas.  E requereu que o Detran informasse os nomes dos proprietários dos clientes assíduos...

Gerson Kauer

Iniciativa sexual feminina proibida

 

Iniciativa sexual feminina proibida

Foi um divórcio complicado do casal de japoneses. No depoimento, a esposa contou seu desconforto “porque o cônjuge não permitia que ela tomasse a iniciativa das relações sexuais”. Mas a câmara julgadora preferiu reconhecer o “choque de culturas”.

Charge de Gerson Kauer

Prato do dia: pizza judicial

 

Prato do dia: pizza judicial

No formal ambiente forense, chamou a atenção o mal trajar da consumidora. Ela era ré de um termo circunstanciado por ofensas ao dono de uma pizzaria. Os personagens da cena forense se olharam e admitiram, depois, terem lembrado do caso do juiz do Trabalho que mandara para casa o reclamante que comparecera calçando chinelos.

Gerson Kauer

Chiclete cor de rosa

 

Chiclete cor de rosa

A sala está lotada de advogados, que esperam o início da sessão de julgamentos e os respectivos pregões de seus interesses. Na primeira fila, um profissional da advocacia aguarda a sua vez. No canto da boca, masca uma goma de mascar, que expele bolhas...

Gerson Kauer

É dando que se recebe...

 

É dando que se recebe...

O advogado papão, com muito jeito e cautela, tenta se aproximar da juíza linda – ambos solteiros. Na segunda-feira, numa audiência, há troca de olhares. Na quinta, ele é atendido para “conversar sobre um processo”. Atos finais: um tapa na cara e voz de prisão...