Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Mulher pagará indenização à amante do seu pai e à filha dela



“Doloroso!” – resumiu a ministra Nancy Andrighi, ao votar pelo provimento de um recurso especial, oriundo de São Paulo, julgado na sessão, da última quarta-feira (23) da 3ª Turma do STJ.

O acórdão ainda não foi publicado, mas é possível sintetizar algumas facetas do caso, a partir de informações obtidas de pessoas que assistiram o julgamento e que foram publicadas pelo saite Migalhas:

1. No dia de seu aniversário, recebimento de uma caixa bonita, como presente. No entanto, na abertura, dar de cara com o coração de um boi, cheio de sangue e pregos. (Foi o que aconteceu com uma secretária, que recebeu o indesejado presente da filha de seu amante).
2. Pior ainda: a filha (à época adolescente) da secretária também recebeu um embrulho no próprio aniversário; dentro, uma boneca de pano, com a boca cravejada de alfinetes.

Ante estes fatos, a 3ª Turma majorou a indenização que a filha de um professor pagará por perseguir a amante do pai (que era secretária no estabelecimento de ensino) e a filha desta.

Em sua defesa, a recorrida alegou que o relacionamento amoroso entre o pai e a secretária causou o fim do casamento com sua mãe, que já durava mais de 40 anos.

Segundo observação da relatora, “não obstante a recorrente tenha dissolvido o casamento, ninguém tem o direito de fazer esse tipo de coisa. Os fatos são mais pesados do que esses que acabo de relatar.”

A recorrente receberá reparação de R$ 10 mil de dano moral; sua filha terá reparação de R$ 20 mil. O recurso tramita sem segredo de justiça.


Comentários

Selmar Fiuza Fagundes - Advogado/rs 25.08.17 | 14:19:00

É importante esta condenação, se todos forem ter atitudes macabras, o que vai ser da família neste país que sofre com tanta injustiça...Está certa a ministra em sua decisão...Parabéns!!!

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Improcedência de ação de jornalista gaúcho contra o roqueiro Lobão

Farpas em rede social tiveram expressões como “Lobão virou Lobinho”, “ZeroHora virou Zerohorinha”, “punheteiro de pau mole”, etc. A 9ª Câmara Cível do TJRS decidiu que ”quem, com uma postagem ofensiva, dá causa a uma discussão polêmica não pode reclamar de uma reação mais ofensiva ainda”.