Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_12.jpg

Mulher que mata marido não perde direito à comunhão de bens



 Tragédia familiar

A mulher que mata o marido não pode ser excluída da partilha dos bens de família, se os dois eram casados em regime de comunhão universal de bens. A decisão é da 8ª Câmara Cível do TJRS, ao negar a apelação interposta pelo filho do casal. A tragédia envolveu um casal de agricultores, no município de Santo Ângelo (RS). O homem foi morto a machadadas enquanto dormia.

O filho ajuizou ação de declaração de indignidade contra a mãe, porque, mesmo sendo meeira, ela deveria ser punida pelo ato atentatório contra a vida, perdendo assim o seu direito à sua parte dos bens. Sustentou também que a atitude dela merece repúdio e sanções cíveis possíveis.

A sentença de improcedência, proferida pelo juiz José Francisco Dias da Costa Lyra, foi confirmada (3x0), a partir de voto do relator do recurso, desembargador Ricardo Moreira Lins Pastl.

Ele fundamentou que como a assassina e a vítima “casaram sob o regime da comunhão universal de bens, considerando que a meação não decorre de direito sucessório, mas de direito próprio, a viúva não ostenta a condição de herdeira nem de legatária, mas possui direito à sua meação, o qual não é atingido pela prática de ato de indignidade”.

Dois detalhes, na conjunção, chamam a atenção.

Primeiro: no júri popular, a viúva assassina foi condenada à prisão, com trânsito em julgado e está cumprindo a pena.

Segundo: o julgamento cível no TJRS - que está com segredo de justiça - também é definitivo, por inexistência de recursos aos tribunais superiores.

 Frases irreprimíveis

“O ministro Gilmar Mendes exerce atividade de político e usa sua magistratura contra a Magistratura”.

Pior do que um ministro-magistrado sem limites, é não se encontrar entre os seus pares quem busque impor-lhe os limites éticos e funcionais a que, como princípios, está submetido”. (Ambas do jornalista Janio de Freitas, na Folha de S. Paulo).

“Precisamos de mais Moros e Bretas e menos Toffolis e Gilmars” (sic).(Faixas levadas pelo movimento ´Vem pras Ruas´, no Rio).

  “Vindo de onde veio, Lula não tinha o direito de nos decepcionar tanto”. (Cineasta Cacá Diegues, anteontem, no jornal O Globo.

 Lá vão eles...

Seguem lépidos - em matéria de gastos públicos - os ex-presidentes Sarney, Collor, FHC, Lula e Dilma Rousseff. Com viagens, veículos e equipes pagas pelo contribuinte, o quinteto custou ao País R$ 2,31 milhões no primeiro semestre deste ano.

Dilma liderou a conta, com R$ 924 mil. A quantia é mais do que o dobro da gasta por Collor (que tem 84 assessores em seu gabinete no Senado), com R$ 400 mil.

 Acreditem, se puderem...

Nunca mais farei marketing político”.

A frase é de Duda Mendonça, anunciando que mudará de profissão. Doravante, ele será escritor.

O novo projeto de Duda já prevê, brevemente, um primeiro livro sobre casos e causos das campanhas de que participou. Uma das histórias reunirá Lula, Zezé di Camargo e o marqueteiro, que remonta à véspera do comício final do segundo turno, na Bahia, na eleição de 2002.

Lula e Zezé (que recebeu R$ 75 mil, ´cash´, para cantar no showmício) foram ao apartamento de Duda, e lá tomaram um porre de “51”.

O jornalista Lauro Jardim já antecipou como foi o final daquele encontro: “a manguaça era tanta que o trio se jogou na piscina de roupa e tudo”.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Assédio moral de jogadores do Inter contra historiadora do clube

Ela trabalhava no museu colorado e cansou de ser chamada de “gostosa”, “cheirosa” e “linda”.

Chumbo grosso contra Lula e Aécio na delação da OAS.

•  Filme sobre Roberto Carlos: o rei na vida real.

Brasil ocupa duas entre dez posições dos maiores assaltos do mundo.

A insólita reação durante cruzeiro marítimo

• Homem joga ao mar a mala e os pertences da moça que ele conhecera durante viagem de navio pelo litoral brasileiro.

• Dinheiro encontrado na “caverna baiana de Ali Baba”, renderia R$ 480 mil mensais se tivesse sido depositado na poupança.

• Lula, Dilma e o PT receberam R$ 300 milhões da Odebrecht. E Geddel ganhou R$ 51 milhões de alguém. Um trabalhador brasileiro honesto (salário de R$ 4 mil mensais) levaria 8.775 anos para a proeza de – sem gastar nada – juntar esse dinheiro.

Preparem-se! O Brasil poderá ter até 103 partidos políticos

  Entre outros, vêm aí Partido da Raiz, Partido Militar Brasileiro, Partido das Favelas, Partido do Esporte, Partido Indígena e o pitoresco Partido Nacional Corinthiano.

• Escapamos de ter Eduardo Cunha como o próximo Presidente da República.

• Perda de objeto na suspeição de Rodrigo Janot.

As mulheres já são maioria nos cursos de Direito.

Exame invasivo proibido

• Exame de “Papanicolau” proibido para candidatas aprovadas em concursos

 TRF-3 confirma sentença de procedência de ação civil movida contra o INSS: “violação do princípio da isonomia, da razoabilidade e da dignidade da mulher”.

• Crise no STF? Gilmar Mendes está a 10.022 km de distância de Brasília.

 Funcionalismo estadual do RS recebeu, por conta dos salários de agosto, menos de 8% do que – a título de “auxílio-moradia” – é entregue (R$ 4.377) a juízes, promotores e conselheiros do Tribunal de Contas.

Benefício a advogados da União: R$ 283 milhões só em 2017

Antes, a verba advocatícia sucumbencial ficava nos cofres públicos. O benefício foi concedido a 12,5 mil servidores ativos e inativos por duas leis.

A caixa preta do Judiciário brasileiro: quase 90% das despesas são com pessoal. A cifra, aí, chega a R$ 70 bilhões anuais.

O próximo horário político “gratuito” vai custar R$ 1 bi.

A nova dupla que mira 2018: Lula e Renan Calheiros.