Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Padronização dos atestados médicos em Porto Alegre



Decisão proferida na 6ª Vara Federal de Porto Alegre determinou a padronização dos atestados médicos emitidos durante atendimento prestado pelo Sistema Único de Saúde e que prescrevem medicamentos ou insumos não constantes nas listas de fármacos fornecidos pelos entes públicos. A sentença, publicada no dia 22, é da juíza Daniela Cristina de Oliveira Pertile.

A Defensoria Pública da União ingressou com ação contra o Município de Porto Alegre, alegando que enfrenta problemas para obter medicamentos na rede pública para seus assistidos, principalmente pela via judicial, com os atestados médicos emitidos pelos profissionais do SUS.

Narrou que, geralmente, no curso dos processos, o juízo solicita novo documento e que o paciente possui dificuldades para agendar nova consulta para obter receita com informações mais detalhadas.

Em sua defesa, o Município de Porto Alegre sustentou que a competência para a questão era do Conselho Federal de Medicina, já que “o atestado é parte integrante do ato médico”.

A magistrada pontuou que o direito à saúde “é inerente ao direito à vida, razão pela qual o Poder Público, em qualquer de suas esferas, deve desenvolver políticas públicas eficazes de redução do risco das doenças e seus agravos”.

A conclusão foi de que “a pretensão da Defensoria não fere a atribuição fiscalizatória e reguladora do Conselho Federal de Medicina quanto ao ponto”. O julgado referiu que “a busca da efetivação de um direito social fundamental, público e subjetivo do cidadão, não pode encontrar óbice em tal particularidade, em especial daqueles que necessitam de atendimento médico efetivo e célere”.

A procedência da ação determinou ao Município a padronização do atestado médico fornecido por profissionais do SUS que prescreverem medicamento ou insumos não constantes na lista de fármacos fornecidos pela rede pública ou em desconformidade com os protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas do Ministério da Saúde.

Veja os itens que devem estar presentes nos atestados

1. Nome do paciente;

2. * Diagnóstico codificado da(s) patoIogia(s) do paciente (CID);

3. * Nome(s) do medicamento(s) ou insumo(s) de acordo com a denominação Comum Brasileira (DCB) ou, na falta dessa, a Denominação Comum Internacional (DCl);

4. Dose por unidade posológica (concentração) da medicação ou insumo;

5. Apresentação da medicação ou insumo (comprimido, cápsula, drágea, xarope, spray, etc.);

6. Posologia;

7. Duração do tratamento;

8. Informações sobre a urgência de início do tratamento;

9. As consequências em caso de não aderir ao tratamento recomendado;

10. Informações sobre o uso de outras medicações, que devem ser especificadas, e se surtiram ou não o efeito desejado;

11. A justificativa de prescrição de medicamento(s) ou insumo(s) não constante(s) nas listas de fármacos fornecidos pelos entes públicos ou em desconformidade com os Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas do Ministério da Saúde, especificando se é mais eficaz e produz benefícios à saúde do paciente em relação ao fármaco disponível, se for o caso, na rede pública. (Ação civil pública nº 5017802-55.2016.4.04.7100 – com informações da JFRS).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Confirmada a falência da Magazine Incorporações S.A.

Decisão da 6ª Câmara Cível do TJRS mantém sentença de quebra da empresa que atuava com o nome fantasia de M. Grupo. Este surgiu em 2008, com um anunciado investimento de R$ 1 bilhão em negócios, incluindo a construção do prometido “prédio mais alto do Rio Grande do Sul”.