Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 22 setembro de 2017

Os simpáticos? Não!



Alexandre de Oliveira – www.humorpolitico.com.br

Imagem da Matéria

O Instituto Paraná Pesquisas ouviu 2.640 brasileiros entre os dias 21 e 24 deste mês, para saber “com qual ministro do STF você mais simpatiza”. A maioria 1.372 (52%) cravou na resposta “com ninguém”.

A presidente Cármen Lúcia foi quem saiu menos mal: 528 (20%) a consideram simpática. O segundo é Edson Fachin, apontado por 153 (5,8%).

O ´soltador´ Gilmar Mendes teve 42 votos (1,6%). E ainda assim ficou à frente de Marco Aurélio (1,3%), Alexandre de Moraes (1,2%) e Dias Toffoli (0,3%).

Não foram lembrados Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Rosa Weber, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux. É a voz do povo...

Onda de rejeição

A onda de rejeição a políticos e autoridades não se limita ao governo e ao Congresso; chegou com força ao Poder Judiciário e ao Ministério Público. No STF, Gilmar Mendes teve a pior avaliação, de acordo com o Ipsos Brasil Pesquisas de Mercados.

Até o juiz Sérgio Moro enfrenta desgaste: mesmo seu desempenho sendo ainda majoritariamente aprovado pela população, sua taxa de rejeição está no nível mais alto em dois anos.

A pesquisa avaliou a opinião dos brasileiros sobre 26 autoridades de distintas esferas de poder, além de uma celebridade televisiva. Da relação, 23 são mais desaprovados do que aprovados. As exceções são o apresentador de tevê Luciano Huck, Sérgio Moro e Joaquim Barbosa, ex-presidente do STF.

Na lista de avaliados pelo Ipsos estão três dos 11 atuais integrantes do Supremo: Cármen Lúcia, Edson Fachin e Gilmar Mendes. Os três enfrentam deterioração da imagem – mas Gilmar foi o que mais despencou: sua taxa de desaprovação é de 67%.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto Up Imagens

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

 

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

Conselheiro do CNJ Henrique Ávila diz que “tribunais são ilhas de poder”. Propõe que a OAB seja chamada “para levar a visão do jurisdicionado e da sociedade como um todo”. Sustenta que “a Loman precisa ser revista com brevidade”. E conclama “a redistribuição de servidores da segunda instância e as respectivas dotações orçamentárias para priorizar a força de trabalho da primeira instância”.

“O machismo mata”!

A afirmação é de duas associações de magistrados, em nota sobre o assassinato de uma juíza, a tiros, pelo marido – delegado de polícia em SP. Ele se suicidou em seguida.