Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Os simpáticos? Não!



Alexandre de Oliveira – www.humorpolitico.com.br

Imagem da Matéria

O Instituto Paraná Pesquisas ouviu 2.640 brasileiros entre os dias 21 e 24 deste mês, para saber “com qual ministro do STF você mais simpatiza”. A maioria 1.372 (52%) cravou na resposta “com ninguém”.

A presidente Cármen Lúcia foi quem saiu menos mal: 528 (20%) a consideram simpática. O segundo é Edson Fachin, apontado por 153 (5,8%).

O ´soltador´ Gilmar Mendes teve 42 votos (1,6%). E ainda assim ficou à frente de Marco Aurélio (1,3%), Alexandre de Moraes (1,2%) e Dias Toffoli (0,3%).

Não foram lembrados Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Rosa Weber, Luís Roberto Barroso e Luiz Fux. É a voz do povo...

Onda de rejeição

A onda de rejeição a políticos e autoridades não se limita ao governo e ao Congresso; chegou com força ao Poder Judiciário e ao Ministério Público. No STF, Gilmar Mendes teve a pior avaliação, de acordo com o Ipsos Brasil Pesquisas de Mercados.

Até o juiz Sérgio Moro enfrenta desgaste: mesmo seu desempenho sendo ainda majoritariamente aprovado pela população, sua taxa de rejeição está no nível mais alto em dois anos.

A pesquisa avaliou a opinião dos brasileiros sobre 26 autoridades de distintas esferas de poder, além de uma celebridade televisiva. Da relação, 23 são mais desaprovados do que aprovados. As exceções são o apresentador de tevê Luciano Huck, Sérgio Moro e Joaquim Barbosa, ex-presidente do STF.

Na lista de avaliados pelo Ipsos estão três dos 11 atuais integrantes do Supremo: Cármen Lúcia, Edson Fachin e Gilmar Mendes. Os três enfrentam deterioração da imagem – mas Gilmar foi o que mais despencou: sua taxa de desaprovação é de 67%.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli, sobre foto de Danilo Verpa (Folha de S. Paulo / Google Imagens).

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

 

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

Cármen Lúcia reconhece que o povo brasileiro está cansado. Por que? Eis algumas das razões: integrantes do Poder se consideram imunes à lei; magistrados corruptos são premiados por aposentadorias generosas; juízes e desembargadores têm férias de 60 dias, além do descanso extra no recesso; a prestação jurisdicional é lenta e favorece a prescrição; seu pessoal corporativo é campeão de penduricalhos; demasiado trânsito de estagiários e assessores dando sentenças. E por aí...

Auxílio-moradia no Judiciário custa R$ 75,9 milhões mensais

A cronologia e alguns números do absurdo. São 17.351 juízes, desembargadores e ministros, todos da ativa, que têm suas contas engordadas periodicamente, sem impostos: R$ 4.377 mensais; R$ 52.532 anuais. Um aporte que, três anos e quatro meses depois da liminar, já chega a mais de R$ 170 mil individualmente.