Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Áreas de fatiamento do Zaffari interditadas em Porto Alegre



A existência de uma bactéria que causa danos à saúde levou à interdição de áreas onde são manipulados frios (queijos, presuntos, etc.) em duas unidades da rede Zaffari em Porto Alegre. A medida atingiu na quinta-feira (31) a unidade de fatiamento da central da rede localizada no Bourbon da Assis Brasil e que atende diversas lojas da rede, e a fiambreria do Bourbon Ipiranga, zona leste.

O grupo Zaffari divulgou nota no fim da noite confirmando as medidas. A informação sobre a detecção da bactéria “Listeria monocytogenes” foi feita em nota conjunta pelas secretarias da Saúde de Porto Alegre e do Estado, apontando riscos "à saúde individual e coletiva".

A vigilância alertou ainda "toda a população, em especial gestantes e imunodeprimidos, para não consumir produtos fatiados já comprados de fiambreria da marca Zaffari".

O secretário da Saúde de Porto Alegre, Erno Harzheim esclareceu “não estar dizendo para não comprar produtos do Zaffari, mas para não consumir o que já foi adquirido, até porque a rede disse, na nota oficial, que só vai vender, a partir desta sexta-feira, produtos fornecidos diretamente pelas indústrias”.

São aguardadas orientações sobre como descartar produtos comprados até esta quinta, por exemplo. O secretário disse que a presença da bactéria foi confirmada nesta quinta (31) e rapidamente comunicada à rede. O serviço detectou o problema em coletas de amostras de rotina, explicou Harzheim. “A bactéria pode ter surgido em derivados lácteos e até mesmo ter sido transportada no fluxo das pessoas”.

O secretário explicou que o alerta especial a gestantes é por que a bactéria pode causar abortamento e infecções. A rede é uma das mais tradicionais e populares no Rio Grande do Sul e também tem lojas em São Paulo.

Na sua nota, o Zaffari diz que o Serviço de Inspeção Municipal, "por motivo de cautela", determinou a descontinuidade da produção da unidade de fatiamento do Bourbon Assis Brasil. "A empresa retirou os produtos que estavam disponíveis nas lojas abastecidas por ela (hipermercado Bourbon Assis Brasil e as lojas de pequeno porte de Porto Alegre)".

Notas divulgadas

“A Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre e a Secretaria Estadual de Saúde do RS alertam toda a população, em especial gestantes e imunodeprimidos, para não consumir produtos já adquiridos de fiambreria fatiados da marca Zaffari. Foi encontrada bactéria ´Listeria monocytogenes´que pode causar danos à saúde individual e coletiva.

Os produtos já foram retirados de comercialização e os Centros de Fatiamento e Distribuição da Marca envolvidos foram interditados pela própria empresa até que se resolva a situação.

Nossas equipes de Vigilância em Saúde seguem alertas acompanhando o caso e adotando as medidas necessárias”.

O Grupo Zaffari disse que, “no dia 17 de agosto, foram feitas coletas de amostras de produtos na unidade de fatiamento localizada no hipermercado Bourbon Assis Brasil, e no hipermercado Bourbon Ipiranga, cujos resultados de análise ainda não foram comunicados à empresa. Desde então, preventivamente, foram intensificados os processos de higienização das áreas de produção daquelas unidades, mediante indícios de provável presença de bactéria.

Na quinta-feira (31), o Serviço de Inspeção Municipal, por motivo de cautela, determinou a descontinuidade da produção da unidade de fatiamento do central de recepção e recepção - que fica na Assis Brasil. A empresa retirou os produtos que estavam disponíveis nas lojas abastecidas por ela (hipermercado Bourbon Assis Brasil e as lojas de pequeno porte de Porto Alegre), que a partir desta sexta (1º) passarão a atender os clientes com produtos fornecidos diretamente das indústrias.

Por iniciativa da empresa, a área de produção de fatiados do hipermercado Bourbon Ipiranga teve sua produção descontinuada como medida preventiva, enquanto aguarda o laudo oficial dos produtos coletados pela Vigilância Sanitária".


Comentários

Sérgio Araújo - Aposentado 01.09.17 | 16:45:29
Até tu Zaffari?
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Demora inconcebível no Hospital Moinhos de Vento

Sete horas de espera por um atendimento emergencial. Indolência até a efetiva execução dos serviços pagos como particular. O TJRS condena a instituição a indenizar pelo sofrimento imposto a paciente acometido de gastroenterite.