Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

Áreas de fatiamento do Zaffari interditadas em Porto Alegre



A existência de uma bactéria que causa danos à saúde levou à interdição de áreas onde são manipulados frios (queijos, presuntos, etc.) em duas unidades da rede Zaffari em Porto Alegre. A medida atingiu na quinta-feira (31) a unidade de fatiamento da central da rede localizada no Bourbon da Assis Brasil e que atende diversas lojas da rede, e a fiambreria do Bourbon Ipiranga, zona leste.

O grupo Zaffari divulgou nota no fim da noite confirmando as medidas. A informação sobre a detecção da bactéria “Listeria monocytogenes” foi feita em nota conjunta pelas secretarias da Saúde de Porto Alegre e do Estado, apontando riscos "à saúde individual e coletiva".

A vigilância alertou ainda "toda a população, em especial gestantes e imunodeprimidos, para não consumir produtos fatiados já comprados de fiambreria da marca Zaffari".

O secretário da Saúde de Porto Alegre, Erno Harzheim esclareceu “não estar dizendo para não comprar produtos do Zaffari, mas para não consumir o que já foi adquirido, até porque a rede disse, na nota oficial, que só vai vender, a partir desta sexta-feira, produtos fornecidos diretamente pelas indústrias”.

São aguardadas orientações sobre como descartar produtos comprados até esta quinta, por exemplo. O secretário disse que a presença da bactéria foi confirmada nesta quinta (31) e rapidamente comunicada à rede. O serviço detectou o problema em coletas de amostras de rotina, explicou Harzheim. “A bactéria pode ter surgido em derivados lácteos e até mesmo ter sido transportada no fluxo das pessoas”.

O secretário explicou que o alerta especial a gestantes é por que a bactéria pode causar abortamento e infecções. A rede é uma das mais tradicionais e populares no Rio Grande do Sul e também tem lojas em São Paulo.

Na sua nota, o Zaffari diz que o Serviço de Inspeção Municipal, "por motivo de cautela", determinou a descontinuidade da produção da unidade de fatiamento do Bourbon Assis Brasil. "A empresa retirou os produtos que estavam disponíveis nas lojas abastecidas por ela (hipermercado Bourbon Assis Brasil e as lojas de pequeno porte de Porto Alegre)".

Notas divulgadas

“A Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre e a Secretaria Estadual de Saúde do RS alertam toda a população, em especial gestantes e imunodeprimidos, para não consumir produtos já adquiridos de fiambreria fatiados da marca Zaffari. Foi encontrada bactéria ´Listeria monocytogenes´que pode causar danos à saúde individual e coletiva.

Os produtos já foram retirados de comercialização e os Centros de Fatiamento e Distribuição da Marca envolvidos foram interditados pela própria empresa até que se resolva a situação.

Nossas equipes de Vigilância em Saúde seguem alertas acompanhando o caso e adotando as medidas necessárias”.

O Grupo Zaffari disse que, “no dia 17 de agosto, foram feitas coletas de amostras de produtos na unidade de fatiamento localizada no hipermercado Bourbon Assis Brasil, e no hipermercado Bourbon Ipiranga, cujos resultados de análise ainda não foram comunicados à empresa. Desde então, preventivamente, foram intensificados os processos de higienização das áreas de produção daquelas unidades, mediante indícios de provável presença de bactéria.

Na quinta-feira (31), o Serviço de Inspeção Municipal, por motivo de cautela, determinou a descontinuidade da produção da unidade de fatiamento do central de recepção e recepção - que fica na Assis Brasil. A empresa retirou os produtos que estavam disponíveis nas lojas abastecidas por ela (hipermercado Bourbon Assis Brasil e as lojas de pequeno porte de Porto Alegre), que a partir desta sexta (1º) passarão a atender os clientes com produtos fornecidos diretamente das indústrias.

Por iniciativa da empresa, a área de produção de fatiados do hipermercado Bourbon Ipiranga teve sua produção descontinuada como medida preventiva, enquanto aguarda o laudo oficial dos produtos coletados pela Vigilância Sanitária".


Comentários

Sérgio Araújo - Aposentado 01.09.17 | 16:45:29
Até tu Zaffari?
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Validade da cláusula que admite atraso em entrega de imóvel comprado na planta

STJ rechaça tese sustentada por casal de compradores de que a incorporadora e a construtora - ao estipularem o prazo de entrega – devem considerar a possibilidade de atraso. Riscos, doravante, de que o consumidor seja seduzido com a informação enganosa de que o imóvel será entregue em data certa.

Hyundai responderá por fraude na venda de automóvel

Empresário comprou automóvel no interior de revenda autorizada, mas jamais recebeu o veículo. Aplicação pelo STJ da teoria da aparência. “Quando qualquer entidade se apresente como fornecedora de determinado bem ou serviço, ou mesmo que ela, por sua ação ou omissão, causar danos ao consumidor, será por eles responsável” – conclui o julgado.

O enfraquecimento da condição de consumidor

Julgado do STJ estabelece que “apesar da proteção contratual do consumidor estabelecida pelo CDC, o benefício do foro privilegiado estampado no art. 101, I, do CPC não resulta, ´per se, em nulidade absoluta das cláusulas de eleição de foro estabelecidas contratualmente´”.

Abusividade da Sadia ao incentivar consumo de produtos calóricos

STJ confirma multa de R$ 428 mil, valor retroativo a 2007. Campanha publicitária direcionada ao público infantil, incentivava os pequenos consumidores a trocarem os selos impressos nas embalagens por mascotes dos Jogos Olímpicos, mediante o pagamento adicional de R$ 3,00.