Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 25 de maio de 2018.

Pais responderão por ilícitos praticados pelos filhos



A 2ª Câmara Cível do TJ de Santa Catarina condenou os pais de dois adolescentes que cometeram ato infracional análogo a estupro de vulnerável ao pagamento solidário de R$ 1 milhão em favor da vítima – que contava apenas 13 anos à época dos fatos, ocorridos em 14 de maio de 2010, em Florianópolis (SC).

Na época o fato teve rumorosa repercussão na comunidade catarinense e especialmente nos meios de comunicação.

Na ação que tramitou na Vara da Infância e Juventude ficaram comprovadas a autoria e a materialidade do ato, também depois confessado pelos dois ofensores. Naquela esfera, a decisão final concedeu remissão cumulada com medida socioeducativa de liberdade assistida pelo prazo de seis meses, assim como prestação de serviços à comunidade por igual período, com jornada semanal de oito horas.

O ato infracional ocorreu no apartamento da mãe de um dos jovens, após consumo de bebida alcoólica.

O julgado foi unânime em considerar a responsabilidade dos pais pelo ato ilícito praticado pelos filhos e o abalo moral sofrido pela jovem.

“O quadro de estresse pós-traumático, combinado com a intensa depressão e profunda tristeza, revela a dor sofrida pela vítima, que passa a ter uma existência menos feliz, o que faz surgir o dano moral típico”, analisou o desembargador João Batista Góes Ulysses, relator das apelações dos pais.

Houve dissenção, contudo, em relação ao quantum indenizatório. Prevaleceu, por maioria de votos, a fixação do valor em R$ 1 milhão. O processo tramita em segredo de justiça. Não há trânsito em julgado.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os riscos do excesso de exposição à radiação

Condenação da União, para reparar danos morais sofridos por técnica em radiologia, no Hospital Militar de Porto Alegre.O tempo máximo para operar uma máquina de raio-x, permitido por lei, é de 24 horas semanais.

Charge de Gerson Kauer

Zaffari é condenado por racismo, danos morais e má-fé processual

 

Zaffari é condenado por racismo, danos morais e má-fé processual

Sentença analisa a repressão abusiva de cinco seguranças, contra três adolescentes, na loja supermercadista da Rua Otto Niemeyer, em Porto Alegre: “Exatamente assim, como meros 'neguinhos', pessoas sem importância, adolescentes sem defesa, não humanos, seres invisíveis e sem valor, quando expostos a uma revista desmotivada, humilhante e truculenta".

Improcedência de ação de jornalista gaúcho contra o roqueiro Lobão

Farpas em rede social tiveram expressões como “Lobão virou Lobinho”, “ZeroHora virou Zerohorinha”, “punheteiro de pau mole”, etc. A 9ª Câmara Cível do TJRS decidiu que ”quem, com uma postagem ofensiva, dá causa a uma discussão polêmica não pode reclamar de uma reação mais ofensiva ainda”.