Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Associação de Advogados Trabalhistas também desagrava a OAB



Nota veiculada ontem (5) à noite pela SATERGS – Associação dos Advogados Trabalhistas de Empresas no RS – também expressou “nota pública de desagravo” à OAB, em função dos ataques proferidos pelo presidente da Associação do Ministério Público do RS.

Leia a nota

A SATERGS – Associação dos Advogados Trabalhistas de Empresas no RS repudia com veemência a posição da Associação do Ministério Público do RS, manifestada por seu presidente, Sérgio Hiane Harris, no artigo intitulado ´Erro histórico da Ordem dos Advogados´, publicado nesta quinta-feira (05/09) no sítio eletrônico Espaço Vital.

O intransigente combate à corrupção, amplamente defendido pela OAB, não pode servir de argumento a justificar a violação das prerrogativas dos advogados.

Os ataques ao direito de defesa e à livre atuação dos advogados jamais podem ser tolerados, sob pena de instauração de um Estado ditatorial.

Ao revés do que pretende fazer o indigitado artigo, a Ordem dos Advogados do Brasil não se pauta por interesses meramente corporativos, mas pela defesa da Constituição Federal e do Estado Democrático de Direito.

(ass.) Eduardo Caringi Raupp, presidente da SATERGS”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gilmar Mendes agora em rota de choque contra a OAB

O ministro criticou a postura da Ordem como autora de uma ação que trata de calote oficial no Estado de Rondônia. O presidente Claudio Lamachia respondeu: “Já passou o tempo em que um cargo conferia a seu ocupante o poder de impor sua vontade aos demais cidadãos”.

Advogado deve pagar por serviços de “agenciador de clientes”

O TJRS condenou o notório Mauricio Dal Agnol ao pagamento de R$ 10 mil a um colaborador que conseguiu sete causas. Acórdão registra que “vedar o direito do autor à percepção dos valores devidos em virtude de serviços prestados é beneficiar o réu por sua própria torpeza”.

R$ 1,2 bilhão de honorários advocatícios

No acordo para indenizar cidadãos prejudicados pelas manipulações financeiras dos planos econômicos, bancos e poupadores concordaram com a cifra, para concluir a transação.