Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

O Ministério Público não tem autorização para violar prerrogativas advocatícias



Por João Vicente Araújo, presidente da Agetra.
diretoria@agetra.adv.br

Causa espanto a fala do presidente da Associação do Ministério Público do RS, Sérgio Harris, publicada no Espaço Vital (05.9.2017), quando sustenta o “erro histórico” da OAB na defesa institucional da advocacia, notadamente em busca do respeito às prerrogativas profissionais.

A fala do promotor evidencia, em verdade, a necessidade – cada vez maior – de controle externo das atividades do MP para, justamente, corrigir os rumos e excessos na atuação profissional dos seus integrantes.

O combate à corrupção jamais pode tornar qualquer processo inquisitorial ou arbitrário, nem autoriza o MP a violar prerrogativas.

O trabalho de advogados merece respeito, práxis ignorada por alguns poucos membros do MP e que, por isso, motivou estabelecer limites mais claros para combater a miopia legal e intelectual baseada na atuação midiática de alguns poucos procuradores.

Certamente, o tempo dispensado pelo promotor Harris em atacar a advocacia denota que ele deve ter presente os inúmeros processos em custódia no MP, bem como estar atento para as questões sociais graves que permeiam a política do Estado Gaúcho, ou ainda o caso da envolvendo a boate Kiss.

Discutir as prerrogativas da advocacia é, ´data venia´, tema que foge da competência do MP e, por isso, justifica a necessidade de controle externo amplo e efetivo.

Certamente, a infeliz posição do presidente da AMP-RS não denota a visão majoritária do Ministério Público, sempre atento aos anseios sociais e de respeito e cordialidade com a advocacia.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Renato Peters

Teto desaba na vontade política

 

Teto desaba na vontade política

“O teto constitucional, limitado ao subsídio de ministro do STF, constitui uma norma esvaziada. Os próprios ministros da Suprema Corte são os primeiros a fazê-lo. Quando um deles acumula funções no TSE, passa a perceber verba que excede o teto”. Artigo do advogado Fábio Bittencourt da Rosa.

Cármen Lúcia fechou a roleta do STF

Jornalista Elio Gaspari revela, em artigo, as tentativas feitas por advogados – ao distribuírem ações e petições no Supremo. Os repetidos ajuizamentos, na esperança de que o caso caia nas mãos de um voto amigo. Ciência à OAB do “abuso do direito e defesa”. 

Um voto contra a corrupção

“Quando entra na conta a corrupção da elite político-empresarial, a percepção é muito maior. Pesquisa do Fórum Econômico Mundial colocou o Brasil como o 4º mais corrupto entre 141 países. No ranking de honestidade da Transparência Internacional, que avaliou 180 nações, o Brasil figurou na tímida 96ª posição”. Artigo de Deltan Dallagnol, mestre pela Harvard Law School e procurador da República (coordenador na Lava-Jato).