Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 19 setembro de 2017

O Ministério Público não tem autorização para violar prerrogativas advocatícias



Por João Vicente Araújo, presidente da Agetra.
diretoria@agetra.adv.br

Causa espanto a fala do presidente da Associação do Ministério Público do RS, Sérgio Harris, publicada no Espaço Vital (05.9.2017), quando sustenta o “erro histórico” da OAB na defesa institucional da advocacia, notadamente em busca do respeito às prerrogativas profissionais.

A fala do promotor evidencia, em verdade, a necessidade – cada vez maior – de controle externo das atividades do MP para, justamente, corrigir os rumos e excessos na atuação profissional dos seus integrantes.

O combate à corrupção jamais pode tornar qualquer processo inquisitorial ou arbitrário, nem autoriza o MP a violar prerrogativas.

O trabalho de advogados merece respeito, práxis ignorada por alguns poucos membros do MP e que, por isso, motivou estabelecer limites mais claros para combater a miopia legal e intelectual baseada na atuação midiática de alguns poucos procuradores.

Certamente, o tempo dispensado pelo promotor Harris em atacar a advocacia denota que ele deve ter presente os inúmeros processos em custódia no MP, bem como estar atento para as questões sociais graves que permeiam a política do Estado Gaúcho, ou ainda o caso da envolvendo a boate Kiss.

Discutir as prerrogativas da advocacia é, ´data venia´, tema que foge da competência do MP e, por isso, justifica a necessidade de controle externo amplo e efetivo.

Certamente, a infeliz posição do presidente da AMP-RS não denota a visão majoritária do Ministério Público, sempre atento aos anseios sociais e de respeito e cordialidade com a advocacia.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Suprema Corte Britânica julga ilegais normas semelhantes às da reforma trabalhista brasileira

O tribunal do Reino Unido considerou que “a imposição de taxas para o ajuizamento de demandas levou a uma dramática queda no número de ações e que muitos trabalhadores deixaram de buscar seus direitos com receio de perder e ainda serem obrigados a arcar com as custas processuais”. Artigo de Pedro Henrique Koeche Cunha, advogado (OAB-RS nº 104.102).

O emblemático caso do primata que se fotografou

Uma ação judicial que terminou em acordo. “O caso levanta questões inovadoras sobre a expansão dos direitos legais para os animais”.

Artigo de Felipe Pierozan, especialista em Direito da Propriedade Intelectual, sócio do Pierozan Advocacia & Consultoria

Nada ecológico: o TJRS insiste no uso do papel...

Formulário de devolução de autos. “Soa como uma brincadeira de gosto duvidoso mormente quando lemos as metas do Programa de Logística Sustentável do tribunal que lista a necessidade de redução do consumo justamente de papel”. Artigo do advogado José Serpa Júnior.

Nós não vai ser preso”...

... Mas foram! Propinas para mais de 1.800 políticos. “Nas cleptocracias parasitárias, as elites dirigentes que governam a nação praticam o abominável capitalismo bandido. Neste tipo, o deplorável poder do dinheiro (frequentemente) corrompe o humano”. Artigo do jurista Luiz Flávio Gomes.

República de regalias

“A emenda à Constituição que acaba com o foro privilegiado é uma demanda urgente e necessária. Afinal, já se passaram 127 anos da Proclamação da República e 32 anos do fim da ditadura militar. Não faz mais sentido mantermos no arcabouço legal alguns privilégios típicos de impérios e ditaduras”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.

Chargista Nani – www.NaniHumor.com

Subproduto perverso da faxina ética

 

Subproduto perverso da faxina ética

Reação ao artigo do presidente da Associação do Ministério Público do RS. “Alguns atores estão com seus egos superdimensionados e consideram-se divindades, com direito a tudo, mesmo em detrimento às regras legais”.Artigo de Carlos Thomaz Ávila Albornoz, advogado (nº 6.425) e conselheiro seccional da OAB-RS.