Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 21 de Novembro de 2017

O Ministério Público não tem autorização para violar prerrogativas advocatícias



Por João Vicente Araújo, presidente da Agetra.
diretoria@agetra.adv.br

Causa espanto a fala do presidente da Associação do Ministério Público do RS, Sérgio Harris, publicada no Espaço Vital (05.9.2017), quando sustenta o “erro histórico” da OAB na defesa institucional da advocacia, notadamente em busca do respeito às prerrogativas profissionais.

A fala do promotor evidencia, em verdade, a necessidade – cada vez maior – de controle externo das atividades do MP para, justamente, corrigir os rumos e excessos na atuação profissional dos seus integrantes.

O combate à corrupção jamais pode tornar qualquer processo inquisitorial ou arbitrário, nem autoriza o MP a violar prerrogativas.

O trabalho de advogados merece respeito, práxis ignorada por alguns poucos membros do MP e que, por isso, motivou estabelecer limites mais claros para combater a miopia legal e intelectual baseada na atuação midiática de alguns poucos procuradores.

Certamente, o tempo dispensado pelo promotor Harris em atacar a advocacia denota que ele deve ter presente os inúmeros processos em custódia no MP, bem como estar atento para as questões sociais graves que permeiam a política do Estado Gaúcho, ou ainda o caso da envolvendo a boate Kiss.

Discutir as prerrogativas da advocacia é, ´data venia´, tema que foge da competência do MP e, por isso, justifica a necessidade de controle externo amplo e efetivo.

Certamente, a infeliz posição do presidente da AMP-RS não denota a visão majoritária do Ministério Público, sempre atento aos anseios sociais e de respeito e cordialidade com a advocacia.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

OAB/RS, e-Proc e uma nova era digital

“11 de abril deste ano, data do 85º aniversário da Ordem gaúcha. Em audiência pública, o estopim que relatou dificuldades com o processo eletrônico do TJRS: perdas de prazos, longas horas de sistema travado, documentos não anexados, uma lista de entraves”. Artigo de Ricardo Breier, presidente da OAB-RS.

Uma estranha parceria entre a ANAC, empresas de aviação e os abusos no setor aéreo

Um subterfúgio para aumentar o lucro das companhias em detrimento dos direitos dos consumidores. As agências reguladoras utilizadas como moeda de troca, o que ocasiona o desvio da função para as quais foram criadas, além de aumentar o custo de uma máquina pública já inchada”. Artigo de Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB.

A alteração no regime de férias da CLT

A doutrina indica as seguintes finalidades para o repouso anual remunerado: a) fisiológica; b) econômica; c) psicológica; d) cultural; e) social”. Artigo de Joalvo Magalhães, juiz do Trabalho do TRT da 5ª Região (BA)