Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

Vereador tem perna quebrada durante briga em sessão da Câmara Municipal



O vereador Joaquim Marcos Filgueira dos Santos (SDD), de São Carlos do Ivaí, no noroeste do Paraná teve uma das pernas quebradas durante uma briga na sessão de segunda-feira (4) à noite. Imagens da própria Câmara Municipal – divulgadas anteontem (6) mostram o momento em que o vereador Antônio Marcos Garcia (PSD) joga o microfone em direção a Santos e tenta agredi-lo, dando início ao empurra-empurra. No vídeo é possível ver que Santos cai durante a briga.

Na ordem do dia, os vereadores tratavam da reforma do hospital municipal local. De repente o assunto passou para a dívida que um teria com o outro.

Terceiros tentaram apartar, mas a intervenção deles demorou a separar os brigões.

Segundo o presidente da Câmara, Marcos Rodrigues (DEM), neste momento Joaquim tem a perna direita quebrada. Veja as imagens da briga entre vereadores durante a sessão.

Rodrigues explicou também que a briga foi motivada por “questões pessoais entre os opositores” (um seria credor do outro) e que “os dois têm desentendimentos antigos e já haviam sido alertados sobre as inconveniências”.

O presidente disse que já pediu orientação ao departamento jurídico da Casa, de como deve proceder em relação aos dois vereadores – e que vai assim proceder na segunda-feira.

Em conversa com emissoras do Paraná, o vereador Garcia admitiu que perdeu a cabeça e que está arrependido de ter agredido o colega. “É coisa política, discussão e depois partiu para coisa particular. A gente é ser humano como qualquer um e acabei errando”, comentou.

A esposa do vereador Joaquim Filgueira Santos disse que ele quebrou a tíbia e o joelho e que precisou passar por uma cirurgia. Por enquanto eles preferem não comentar o assunto e se aconselharão com um advogado de confiança na próxima semana.

Veja as imagens da briga.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

As novas formas de censura à imprensa

O jeito que a Igreja Universal para tentar condenar jornalistas que escreveram sobre o patrimônio da congregação religiosa. A advogada Taís Gasparian posicionou-se contra o chamado ‘direito ao esquecimento’, justificativa para que se retirem da internet notícias já publicadas. “É importante para a história e para o futuro que se preservem até os erros”.