Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

A democracia não tem preço, mas a fatura está alta demais



NaniHumor.com

Imagem da Matéria

Por Claudio Lamachia, presidente nacional da OAB

Enquanto o governo bateu cabeça para definir a mudança da meta fiscal, o Legislativo esbanjou. As metas fiscais que previam déficit de R$ 139 bilhões neste ano e R$ 129 bilhões em 2018 agora apontam rombo de R$ 159 bilhões nos dois anos.

Nada que iniba nossos congressistas. Os mesmos deputados agraciados com bilhões de reais em emendas sob o compromisso de livrar o presidente da República de uma denúncia de corrupção decidiram criar um fundo para custeio de suas próprias campanhas eleitorais com aporte inicial de R$ 3,6 bilhões.

O descompasso entre os anseios e necessidades da sociedade e as ações de alguns dos nossos congressistas acentua-se cada vez mais.

Cortes profundos vêm sendo feitos em áreas cruciais, como saúde, educação e segurança. Universidades federais sofrem e as demissões são uma realidade nos ´campi´,  Brasil afora. Nesse sentido, cabe lembrar a aprovação da proposta de emenda à Constituição que limitou os gastos do governo pelos próximos 20 anos, comprometendo investimentos em saúde e educação.

Estados pedem ajuda desesperada à União. Nem salários conseguem pagar. As Forças Armadas viram sumir algo em torno de R$ 7,8 bilhões de seu orçamento nos últimos anos. Nesse cenário de escassez, os partidos são os únicos a receber um dispendioso presente numa aventura legislativa indecente.

Não se trata aqui de demonizar partidos. Eles são essenciais à democracia, mas o custo que pretendem impor à sociedade é absurdo e incompatível com realidade econômica que enfrentamos.

As campanhas deveriam se modernizar, sendo mais objetivas e não produções recheadas de apelativos truques e emoções baratas.

Temos 35 partidos em atuação no Brasil e outros 63 com pedidos de abertura junto ao Tribunal Superior Eleitoral. Havendo o acolhimento dos pedidos, para quanto será ampliado o fundo?

Sob o ponto de vista do eleitor — que pouco tem sido ouvido pelos seus eleitos — o investimento nos partidos tem resultado absolutamente duvidoso. Trata-se de um gasto sem qualquer garantia.

A democracia não tem preço, mas a fatura está alta demais.


Comentários

Paulo Roberto Gomes Leitão - Advogado 08.09.17 | 17:18:18

Estou inteiramente de acordo com o presidente Lamachia. Na mesma linha, ter um Congresso com mais de 22 mil funcionários, com média salarial superior a R$ 15 mil mensais, é um absurdo a ser devidamente combatido por quem paga impostos.

Antonio Ernando Correa Novais - Advogado E Professor De Direito Civil 08.09.17 | 15:29:33

Senhor Presidente. Infelizmente nossa política está atingindo as raias da imoralidade. E o pior é que o povo brasileiro continua acovardado. Não apresenta um mínimo sentimento de pudor. E o engraçado nisso tudo, é que as Forças Armadas que representavam a reserva moral do nosso país continuam em seus quartéis, observando o país cada dia se desmoralizar mais perante a comunidade internacional. Não que eu seja favorável à tomada de poder pelos militares, mas é que sinto sua omissão.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Renato Peters

Teto desaba na vontade política

 

Teto desaba na vontade política

“O teto constitucional, limitado ao subsídio de ministro do STF, constitui uma norma esvaziada. Os próprios ministros da Suprema Corte são os primeiros a fazê-lo. Quando um deles acumula funções no TSE, passa a perceber verba que excede o teto”. Artigo do advogado Fábio Bittencourt da Rosa.

Um voto contra a corrupção

“Quando entra na conta a corrupção da elite político-empresarial, a percepção é muito maior. Pesquisa do Fórum Econômico Mundial colocou o Brasil como o 4º mais corrupto entre 141 países. No ranking de honestidade da Transparência Internacional, que avaliou 180 nações, o Brasil figurou na tímida 96ª posição”. Artigo de Deltan Dallagnol, mestre pela Harvard Law School e procurador da República (coordenador na Lava-Jato).

Cármen Lúcia fechou a roleta do STF

Jornalista Elio Gaspari revela, em artigo, as tentativas feitas por advogados – ao distribuírem ações e petições no Supremo. Os repetidos ajuizamentos, na esperança de que o caso caia nas mãos de um voto amigo. Ciência à OAB do “abuso do direito e defesa”.