Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Potins desta terça-feira



•  Lula perde um de seus advogados

O advogado José Roberto Batochio, que advogava para Lula e para Antonio Palocci, abandonou a defesa do ex-presidente. Quando Palocci resolveu fazer acordo com a Lava Jato, Batochio abandonou a defesa.

Ele disse para a Folha de S. Paulo: “Não posso, por razões éticas, estar em casos em que ambos sejam acionados e se encontrem em posições antagônicas. Fui defensor do Palocci por uma década. Nessa condição, recebi dele confidências personalíssimas. Não posso atacar alguém que já foi meu cliente.”

Segundo a rádio-corredor da OAB-SP, “Batochio sabe que, nesse caso, Antonio Palocci não mente”.

• Concurso vai adiante

O 2º Grupo Cível do TJRS negou na sexta-feira (8), por maioria, o mandado de segurança impetrado por candidatos do concurso público para juiz de direito. O colegiado entendeu não existir direito líquido e certo dos impetrantes – e assim confirmou a legalidade do certame e dos critérios de correção da prova de sentença.

Participaram do julgamento os desembargadores Alexandre Mussoi Moreira, relator (que presidiu o julgamento e proferiu o voto vencido), Eduardo Delgado, Leonel Pires Ohlweiler, Eduardo Uhlein (vencido em parte), Antonio Vinicius Amaro da Silveira e o juiz-convocado Ricardo Bernd. (Proc. nº 70074696808).

• Juízes nas comarcas, de segunda a sexta

As frases a seguir são do ministro João Otávio de Noronha, corregedor nacional do CNJ, em entrevista à imprensa do centro do país: “Estou numa briga enorme com os corregedores para verificar a presença de juiz na comarca. Muitos estão querendo morar perto de aeroporto, têm faltado às sextas-feiras. A ordem é: juiz na comarca de segunda a sexta. A nossa preocupação é que o profissional da magistratura seja vocacionado”.

Brasil afora, os advogados podem – com as frases acima – sentirem-se estimulados a fiscalizar. E informar o CNJ também.

• Mero filiado...

A descoberta da dinheirama em Salvador (BA) está sendo tratada pelo PMDB como um problema pessoal de Geddel.

O notório presidente do partido, Romero Jucá (RR), teve uma tirada típica de seu jeito debochado: “Geddel é um mero filiado ao partido”.

• Das redes sociais

• “Depois do apartamento do Geddel, entendi porque Lula queria um tríplex”.

• “O patrimônio de Geddel cresceu, alcançou a maioridade e foi morar sozinho”.

• “O risco que corre o brasileiro é desacreditar de suas esperanças e cair nos braços de outro aventureiro ou psicopata”.

• “Ainda não sabemos o número de vítimas do furacão Janot”.

• “O excesso de peso sempre foi um problema na vida de Geddel Vieira. Como se não lhe bastasse a barriga!”

• Quanto tem?

No dia da apreensão da dinheirama no apontado “bunker” de Geddel, uma brincadeirinha ocupou as conversas no Congresso. Antes da contagem das cédulas, que durou 10 horas, deputados e senadores apostaram informalmente para ver quem acertava o montante.

Ninguém acertou. Quem ficou mais próximo, cravou distantes R$ 10 milhões.

• A propósito

Dinheiro grosso não é problema para deputados. O cientista político Jairo Nicolau analisou os gastos de campanha de quase 5 mil candidatos a deputado federal em 2014.

A conclusão é inquietante: cada um dos eleitos gastou, em média, R$ 1,7 milhão. O valor é 15 vezes superior ao que gastou cada um dos que não se elegeu: R$ 116 mil.

Os mais gastadores foram Arlindo Chinaglia (PT-SP) com R$ 10,2 milhões; e Marco Antonio Cabral (PMDB-RJ) – filho do ex-governador Sérgio Cabral - com R$ 8,2 milhões.

Tem mais. Na média da coluna “deputados por partido”, PT, PMDB e PSDB gastaram R$ 650 mil. O PSOL, R$ 12 mil.

• Frase irreprimível

“O que mais choca é como a dupla do barulho, Geddel e Cunha – mesmo produzindo escândalos em série – foi tratada nas últimas décadas: como se respeitáveis fossem, em muitos salões da República”. (Do jornalista Ancelmo Gois, em O Globo).

•  Denúncia rejeitada

O STJ rejeitou denúncia do MPF contra desembargador do TRT da 13ª Região (PB) por constrangimento ilegal com emprego de arma contra sua ex-esposa, no contexto de violência doméstica-familiar.

A Corte Especial acolheu o voto da ministra Nancy Andrighi, relatora: “A narrativa da denúncia é deficiente e genérica, considerando-a, assim, inepta”. (APn nº 848)


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Potins desta sexta-feira

 Negado vínculo de emprego entre carregador de tacos de golfe e o Country Clube de Porto Alegre.

 Um homem e sua união estável com duas mulheres

TRF-4 mantém liminar que impede governo do RS de arquivar a extinção da Fundação Piratini.

 CF da OAB diz que o modelo da Agência Nacional de Saúde e outras reguladoras está falido.

 Auxílio-acidente depois do auxílio-doença.

 MPF vai pedir, em agosto que Adriana Ancelmo volte para a prisão.

Potins desta sexta-feira

•  Cartazete em escritório de advocacia gaúcho explica a cobrança de R$ 150 por consulta: “É da mesma forma como acontece quando o(a) distinto(a) cidadão(ã) vai a um médico particular”.

• Pensões distintas para filhos do mesmo pai. O STJ flexibiliza o princípio da igualdade absoluta de direitos.

•  Um precedente do TST que vai mexer no adicional noturno.

•  Restrições ao prazo em dobro quando houver litisconsórcio de réus.

•  Os apertos de julho... E o que nos espera em agosto?

Potins desta terça-feira

 O futuro presidente Toffoli já começa a pensar no aumento para o Judiciário.

• Rodrigo Janot vem ao RS para falar sobre eleições e corrupção.

 Foi em Santiago (RS), a audiência criminal em que o réu não aceitava uma mulher juíza!

 O ano de 2014 que ainda não acabou em Porto Alegre.

 Desaprovação ao governo brasileiro só não é pior do que a de Bósnia-Herzegovina.

 O jeitinho para evitar o avanço no combate da corrupção no Brasil.

• Discriminação nos EUA contra mulheres grávidas empregadas.

 Colega de Rosa Weber no STF avalia que ela é a “ministra pêndulo”.

• Os 60 dias pedidos pela PGR que vão ajudar Michel Temer.

Potins desta terça-feira

 Gleisi Hoffmann quer que o Judiciário se sensibilize com o caos social e libere Lula.

• Na política brasileira, outubro chegou em junho.

 STJ decide se cidadã pode deixar de se chamar Tatiana, para ser Tatiane.

 Ainda sem título definitivo, vem aí as “memórias do cárcere de Lula”.

• As buscas no apartamento de Augusto Nardes: nada ostensivo...

 Brasileiros acreditam pouco na seriedade das eleições.

•  Benesses para os planos de saúde: 107% de aumento em sete anos.

Potins desta terça-feira

 Maior jornal da Inglaterra diz que “Sérgio Moro é “o homem que encerrou cinco séculos de impunidade no Brasil”.

 Governo acaba de criar mais um elefante branco: o SUSP, irmão do SUS.

•  STF vota na quinta-feira (24) proposta de nova súmula vinculante.

 Quando a “utilidade política” prevalece sobre a utilidade pública...

 Embaixadas para Temer, Moreira e Padilha – se Alkmin for Presidente da República. Mas ele nega.

• População com 60 de idade, ou mais, estará superando os moços de 16 a 24 anos, nas eleições de outubro.

 Impasse no TST para tentar orientar decisões uniformes em ações trabalhistas.

 Prorrogação do benefício de salário-maternidade, em decorrência de parto prematuro.

Novo slogan de Temer vira piada nas redes sociais

• A importância da vírgula: o presidente diz que “o Brasil voltou, 20 anos em dois”.

• Mas há quem ironize: “o Brasil voltou 20 anos em dois”.

 Uma busca e apreensão – por engano – na casa do secretário adjunto do CF-OAB.

 A prescrição que agrada banqueiros.

 Gilmar Mendes prevê uma avalanche processual nos foros e tribunais, Brasil afora.

 Quanto é dois mais dois?

• Uma análise de Joaquim Barbosa sobre o sistema político brasileiro.