Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Mantida gratuidade da segunda passagem nos ônibus de Porto Alegre



Segue valendo a gratuidade da segunda passagem nos ônibus de Porto Alegre. Em decisão assinada ontem (11), o desembargador Sergio Luiz Grassi Beck, da 1ª Câmara Cível do TJRS, negou pedido do Município e da EPTC para revogar a liminar que suspendeu, em 31 de agosto, a vigência, aplicação e executoriedade do Decreto Municipal nº 19.803/17. Este estipulou o fim da gratuidade e a cobrança da segunda passagem nos ônibus do transporte público de Porto Alegre.

No recurso agravo de instrumento, os entes públicos alegaram que o ato suspensivo carece de parcimônia e cautela, pois não demonstrou qualquer irregularidade cometida pela administração, causando dano irreparável ou de difícil reparação à população usuária do transporte público.

Para o desembargador Grassi Beck, no entanto, a redução das isenções na segunda viagem realizada com integração tarifária, de 100% para 50%, sem contrapartida na redução na tarifa, "implica não só em alteração da relação econômico-financeira estabelecida na ocasião da licitação dos serviços, beneficiando claramente as empresas, como também em imediato prejuízo aos usuários do transporte público".

O julgador observou também que o anexo VI do edital estabeleceu, no item 2.5.6, que a manutenção da integração tarifária estabelecida no Decreto Municipal nº 17.122/11, na qual o usuário do cartão bilhetagem tem 30 minutos, após o final do tempo de viagem programado do primeiro embarque, para realizar a segunda viagem.

Portanto, "o cálculo realizado para chegar ao valor da tarifa, que o cidadão iria pagar, sempre levou em conta esta isenção", argumentou o julgador. " O mérito do recurso ainda será apreciado pelo Colegiado.(Proc. nº 70075107573 – com informações do TJRS).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lula não tem direito a dar entrevistas

Juíza que tem jurisdição sobre a execução da pena imposta ao ex-presidente nega pedido da Folha de São Paulo, SBT e Portal Uol.

Foi-se a Copa?

Versos de Carlos Drummond de Andrade, logo depois da Copa do Mundo de 1978 (Argentina campeã), vaticinaram que os brasileiros (derrotados) podem cuidar de outros problemas. O que acontecerá se Tóffoli assumir a presidência do STF em agosto de 2018?

Assédio em transporte escolar

TJRS confirma, em reexame necessário, sentença cível que determinou afastamento do condutor de veículo oficial que conduzia estudantes. Mas no juízo criminal houve a ocorrência da prescrição punitiva.