Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Responsabilidade solidária por dívida de seguradora do mesmo grupo econômico



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Decisão em incidente de uniformização de jurisprudência, tomada pelas Turmas Recursais Cíveis Reunidas do TJRS, estabeleceu que “o GBOEX – Grêmio Beneficente dos Oficiais do Exército responde solidariamente pelo pagamento de indenização securitária, em que, antes, a seguradora Confiança Cia. de Seguros foi condenada, porquanto integrantes do mesmo grupo econômico”.

A solução da controvérsia foi sumulada, com o teor acima e que já aparece destacado na imagem que ilustra esta notícia do Espaço Vital.

O julgado – que negou provimento a um recurso do GBOEx - concluiu haver “possibilidade de redirecionamento do cumprimento de sentença à entidade ora postulante”. A decisão beneficia a consumidora Analigia Félix Chaves que venceu demanda contra a Confiança Seguros – e também cria um precedente apreciável, com aplicação em todas as ações semelhantes ainda não decididas que estejam tramitando nos JECs.

Por estar a seguradora em liquidação extrajudicial e por não terem sido encontrados ativos ou bens disponíveis para a penhora, a fase de cumprimento de sentença (R$ 27.153) não vinha tendo êxito.

Na comarca de Cachoeira do Sul, o Juizado Especial Cível dali havia deferido o pedido da credora para direcionar a execução contra o GBOEx. Houve recurso, mas a 2ª Turma Recursal Cível, manteve a decisão.

O GBOEx pediu, então, a uniformização de jurisprudência, ante a existência de julgados em sentido inverso, a seu favor, na 3ª Turma Recursal Cível, além da 5ª, 6ª e 12ª Câmaras Cíveis do TJRS.

Estes quatro órgãos fracionários têm concluído que “em que pese participar do mesmo grupo econômico em que se insere a Seguradora Confiança, o GBOEx não segurou o risco e, portanto, não pode ser condenado ao pagamento da indenização securitária”.

Para as Turmas Recursais Cíveis Reunidas do TJRS, todavia, “a existência de posicionamento divergente, no âmbito de câmaras cíveis do TJRS não é requisito para o processamento do incidente”.

No acórdão que fulminou as pretensões do GBOEx, a juíza relatora Elaine Maria Canto da Fonseca afirma não desconhecer que “o recorrente é entidade de previdência complementar e a Confiança Companhia de Seguros se encontra em liquidação extrajudicial – mas tais circunstâncias não são capazes de afastar a responsabilidade solidária, até porque o reconhecimento da função social que o GBOEx exerce, não dispensa que, durante o exercício das suas atividades, e especialmente na perfectibilização das relações contratuais, atue com lisura e boa-fé”.

Em nome da segurada consumidora atua o advogado Diego Félix Chaves. (Proc. nº 71006925796).

Leia a íntegra do acórdão de uniformização da jurisprudência

Recurso do GBOEx

A assessora de marketing e comunicação do GBOex Ana Maria Pinto enviou ao Espaço Vital, em 19 de setembro de 2017, a seguinte nota:

“O GBOEX esclarece que uma ação ajuizada na Justiça Especial Cível (JEC) de Cachoeira do Sul (RS), em face da Confiança Companhia de Seguros relativa à cobertura de seguro auto, foi direcionada ao GBOEX. Tal direcionamento ocorreu em razão de a Confiança não ter iniciado o pagamento dos seus credores, em vista do andamento da liquidação extrajudicial, havendo trâmites legais a serem seguidos. 

Por essa razão, o GBOEX recorreu, embargando essa decisão, garantindo em juízo. Tais embargos originaram o incidente de uniformização da jurisprudência, que foi julgado desfavorável ao GBOEX, em 22.08.17, pelas Turmas Recursais do RS.

Dessa decisão ainda cabe recurso, já manejado pelo GBOEX, pendente de decisão”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sobrevida gaúcha até os 94 de idade

Decisão do TJRS em caso de idoso (85 anos) - que morreu vítima de atropelamento – condenou a seguradora a pagar à viúva (idade atual: 90) o pensionamento até a data em que o falecido esposo completaria 94 de idade. A média de vida mais alta no Brasil, atualmente, é em Santa Catarina.

Arte de Camila Adamoli

A suprema tartaruga e as amigas da Corte

 

A suprema tartaruga e as amigas da Corte

Oriundo do TJRS, chegou ao STF em outubro de 2010 um recurso extraordinário que se transformou em paradigma para milhares de processos sobrestados, país afora: o aumento abusivo das mensalidades dos planos de saúde dos idosos. Veja o que aconteceu em sete anos.