Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 19 de junho de 2018.

Um fim às dificuldades causadas pelo BB na liberação de valores



Itapiranga (SC), 14 de setembro de 2017.

Ao
Espaço Vital 

Ref.: Dificuldades opostas pelo Banco do Brasil à advocacia.

Inicialmente, meus parabéns pelo saite independente, que tantos serviços presta à advocacia e demais operadores jurídicos.

Gostaria de sugerir a publicação de uma decisão proferida, pela Justiça Federal, nos autos nº 5003339-69.2016.4.04.7210/SC.

A celeuma é referente aos saques de precatórios e RPVs; o Banco do Brasil está exigindo sejam integralmente depositados em contas (corrente ou poupança) dos beneficiários, não permitindo o levantamento em moeda corrente.

Na decisão, o juiz mandou oficiar à agência de Itapiranga (SC) que negara o saque oriundo do processo acima mencionado. Detalhe: o magistrado estendeu a decisão a todos os procedimentos futuros e inclusive mandou oficiar à agência de Porto Alegre onde os RPVs e precatórios são depositados pelo TRF-4, para ciência e tomada de providências administrativas cabíveis no tocante à prática acima descrita.

Fundamenta o magistrado Marcio Jonas Engelmann:

“Sendo o banco agente responsável pela guarda e liberação dos valores devidos ao autor - e, portanto, participante, ainda que indireto, do processo -, seria perfeitamente cabível a punição da conduta deste por ato atentatório à dignidade da justiça por criar embaraços à efetivação do provimento jurisdicional, a qual relevo, por ora, para advertir a instituição de que a reiteração da prática, neste ou em outro processo, será causa da aplicação de multa de 20% do valor indevidamente retido”.

Nós, advogados, sabemos que todos os que necessitam fazer saques de RPVs e precatórios são diariamente prejudicados pela conduta – agora brecada - do Banco do Brasil.

Penso que será de grande interesse a publicação desta informação no Espaço Vital.

Atenciosamente,

Airton Sehn, advogado (OAB-SC nº 19.236 e OAB-RS nº 72.383-A).

airtonsehn@gmail.com

Leia a íntegra da decisão judicial


Comentários

José Nicolao - Advogado 15.09.17 | 14:55:21

Parabenizo o juiz Dr.Marcio Jonas Engelmann pela decisão.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

   Para quem gosta de tartarugas

 

Para quem gosta de tartarugas

“Pelo menos um mês para juntar uma simples petição - e depois, só Deus sabe quanto tempo, para publicar o despacho”. E o desabafo de um advogado porto-alegrense: “o que será de nós, que dependemos destes criatórios de tartarugas para ganhar o pão de cada dia?”.

Juíza gaúcha nega a aplicação de lei que isenta custas em execução de honorários

Magistrada invoca precedentes antigos de 2011 e 2015. Um deles sustenta que “a natureza alimentar dos honorários não vai ao ponto de que se lhes possa estender os privilégios atribuídos ao crédito alimentar decorrente do vínculo familiar. A ser assim, em breve estaríamos autorizando a prisão de quem não pague honorários advocatícios”.