Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Insalubridade e periculosidade não acumuláveis



Onze meses depois do julgamento ocorrido em 13 de outubro do ano passado, o TST afinal publicou o acórdão com o novo entendimento de que "não é possível acumular os adicionais de insalubridade e periculosidade dentro da mesma função e jornada de trabalho, conforme o artigo 193, parágrafo 2º da Consolidação das Leis do Trabalho".

O caso concreto envolve um trabalhador que manipulava tintas.

Na ação, ele alegou que o fator insalubre era o material corrosivo e que a periculosidade estava associada ao barulho excessivo no ambiente de trabalho.

A Subseção I Especializada em Dissídios Individuais entendeu que, independente dos fatos geradores serem diferentes, não é possível acumular os dois.

Com a decisão, o empregado poderá optar pelo adicional de periculosidade (que é de 30% sobre o salário base) ou o de insalubridade (que varia de 10% a 40% sobre o salário mínimo regional. (Proc. nº 1072-72.2011.5.02.0384).

Leia a íntegra do acórdão


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Bruno Galvão

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

 

A violação do acesso à Justiça, com a subvaloração da lesão do direito

Caso envolve a relação empregatícia de 20 anos de um trabalhador com a Unimed Federação das Cooperativas. O acórdão do TRT-4 (RS) cassa a exigência de valores líquidos dos pedidos. Julgador lamenta as “últimas várias condenações milionárias de trabalhadores em honorários advocatícios, que são um claro recado para que as pessoas pensem duas vezes antes de entrar com ação na Justiça do Trabalho”.