Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Morre em Porto Alegre o mágico que dizia ter sido vítima de... “uma mágica jurídica”



Foto Jornal do Comércio – Porto Alegre

Imagem da Matéria

Tio Tony, nome artístico de Paulo Roberto Martins, o mágico mais conhecido do RS, morreu ontem (18), à tarde, aos 81 de idade. Ele estava internado no Hospital Independência, em Porto Alegre, onde dera entrada no final de semana.

Ele começou a sentir dores no peito na sexta-feira (15), sendo levado para o hospital. No sábado, teve uma parada cardíaca, foi reanimado e recuperou-se. Nesta segunda-feira voltou a sentir-se mal e chegou ao óbito.

Nascido em Rio Grande, filho de um comerciante, Tony aprendeu a fazer mágicas ainda na infância. Mudou-se para a capital nos anos 60. Nessa época, já havia adotado o nome artístico que o tornou famoso: era uma homenagem ao ator Tony Curtis, que interpretou o mágico Houdini em um filme (“Houdini, o Homem Miraculoso”), de 1953.

Nos anos 80, tornou-se apresentador de programas para as crianças, o que ampliou sua fama pelo Estado. Comandou as atrações Carrossel Bandeirantes, na Tv Bandeirantes; Tio Tony, na Tv Guaíba; e Mundo Mágico do Tio Tony, na Tv Urbana.

Em 1999, Tony foi o mágico líder no enfrentamento de Mister M, personagem criado pelo norte-americano Leonard Valentino Montano, que mantinha um quadro dominical no Fantástico, onde revelava os segredos do ilusionismo. Tony fundou, então, a Associação Gaúcha dos Mágicos Vítimas do Programa Fantástico.

Esta, em março daquele ano, obteve uma decisão da Justiça gaúcha, com efeitos nacionais, proibindo a Rede Globo de seguir exibindo o quadro produzido em Los Angeles.

A antecipação de tutela para a associação foi concedida pela juíza Gisele Anne Vieira Picos, que estabeleceu punição financeira (R$ 1 milhão) para o caso de desobediência. A Globo ingressou com imediato agravo de instrumento no TJRS, pedindo a suspensão da liminar, o que foi negado pela desembargadora Rejane Maria Dias de Castro Bins.

O pedido de Tony e duas dezenas de colegas contra Mister M e a Globo foi baseado em dois argumentos: abuso de direito e concorrência desleal. “Na revelação dos segredos das mágicas, a essência da profissão é destruída” – argumentou a petição inicial.

A peça jurídica também sustentou que “os mágicos são, de acordo com a lei, artistas profissionais que atuam no campo de diversão pública e como a Rede Globo atua no mesmo mercado, configura-se a concorrência desleal da grande cadeia de emissoras para com os mágicos que são pequenos artesãos”.

"A Lei Anti-Truste proíbe a atuação no mercado de forma a impedir ou eliminar a concorrência. E é isso o que a Globo está fazendo, ao revelar os segredos da profissão. Isso caracteriza concorrência desleal" - afirmou, à época, Márcio Puggina (agora já falecido), um dos advogados da associação.

A suspensão da exibição de Mister M vigorou por 15 dias. Num sábado à tarde, junto ao plantão do STJ – então afeito do presidente da Corte – a Globo conseguiu ver cassada a liminar da Justiça gaúcha. E Mister M voltou ao ar com ampla campanha de chamadas e comerciais, enquanto a profissão dos mágicos minguava.

No final de 2001, num jantar de confraternização realizado em Porto Alegre em que estavam presentes dezenas de advogados e magistrados – e em que houve a apresentação de artistas locais - Tony pediu licença para fazer um elogio e um desabafo:

Louvo a Justiça gaúcha, corajosa e independente. Mas afirmo o meu desencanto com Brasília. Não com a Brasília dos políticos – pois isso seria motivo para uma sátira em outro momento - mas com a Brasília dos tribunais. Foi num deles, de força superior, que uma mágica jurídica fez com que Mister M voltasse ao ar. Meus colegas mágicos gaúchos e eu somos, todos, vítimas dessa mágica jurídica”.

Tony foi aplaudido e chegou, em seguida, a “tirar um pombo” da pequena bolsa de uma psicóloga presente.

- É um pombo honesto! – arrematou Tony.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lula não tem direito a dar entrevistas

Juíza que tem jurisdição sobre a execução da pena imposta ao ex-presidente nega pedido da Folha de São Paulo, SBT e Portal Uol.

Foi-se a Copa?

Versos de Carlos Drummond de Andrade, logo depois da Copa do Mundo de 1978 (Argentina campeã), vaticinaram que os brasileiros (derrotados) podem cuidar de outros problemas. O que acontecerá se Tóffoli assumir a presidência do STF em agosto de 2018?

Assédio em transporte escolar

TJRS confirma, em reexame necessário, sentença cível que determinou afastamento do condutor de veículo oficial que conduzia estudantes. Mas no juízo criminal houve a ocorrência da prescrição punitiva.