Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

Nova súmula do TRT-RS estabelece indenização para trabalhador obrigado a cumprir aviso-prévio proporcional



O Pleno do TRT da 4ª Região (RS) aprovou, na segunda-feira (18), a Súmula nº 120. Conforme o texto, é nula a exigência de trabalho, pelo empregador, no aviso-prévio proporcional.

Assim, o empregado despedido sem justa causa e obrigado pelo empregador a cumprir o aviso-prévio proporcional deverá receber indenização referente aos dias desse período. Para os desembargadores integrantes do colegiado, “o aviso-prévio proporcional é um direito do empregado, e não do empregador”.

O aviso-prévio de 30 dias é garantido ao trabalhador com até um ano de serviço. A partir daí, passa-se a contar o aviso-prévio proporcional, que consiste no acréscimo de três dias a cada ano trabalhado na mesma empresa, até o limite de 60 dias.

Assim, conforme a nova súmula, caso um empregado com dez anos de empresa seja obrigado pelo empregador a trabalhar os 57 dias de aviso-prévio (30 + 27 proporcionais), ele deverá receber, além da remuneração de todo o período, uma indenização relativa aos 27 dias de aviso-prévio proporcional.

Leia o teor da nova súmula:
(Pendente de publicação):

AVISO-PRÉVIO PROPORCIONAL TRABALHADO.
“A exigência de trabalho durante a proporcionalidade do aviso prévio é nula, sendo devida a indenização do período de que trata a Lei nº 12.506/2011”.

Cancelamento de súmula

Na mesma sessão, o Pleno do TRT-4 decidiu cancelar sua Súmula nº 61. O texto previa que “atendidos os requisitos da Lei nº 1.060/50, são devidos os honorários de assistência judiciária gratuita, ainda que o advogado da parte não esteja credenciado pelo sindicato representante da categoria profissional”.

O cancelamento da súmula foi proposto pela Comissão de Jurisprudência do TRT-RS,  ao alertar que o TST possui duas súmulas – nºs 219 e 329 – com entendimento contrário sobre a matéria. Além disso, há um incidente de recurso repetitivo pendente de julgamento no TST, o qual fixará tese jurídica a respeito do tema.

Para a Comissão de Jurisprudência, “essa divergência de entendimentos estava prejudicando trabalhadores que aguardam a solução dos seus processos, bem como empregadores de pequeno porte, que muitas vezes não têm condições financeiras de arcar com o preparo do recurso ao TST”.

Acréscimo em súmula

Na mesma sessão, o Pleno acrescentou o inciso II na Súmula nº 84, que passa a ter a seguinte redação:

Súmula nº 84 - COMPLEMENTAÇÃO DE APOSENTADORIA. BENEFÍCIO PAGO DIRETAMENTE PELO EMPREGADOR. COMPETÊNCIA.
I - É competente a Justiça do Trabalho para julgar pretensão relativa a diferenças de complementação de aposentadoria paga diretamente pelo empregador, e não por entidade de previdência privada.
II – Não se enquadra no entendimento contido nesta súmula a complementação de aposentadoria paga pela União aos ex-empregados da Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A. - TRENSURB, por força das Leis nºs 8.186/1991 e 10.478/2002.

Todas as súmulas do TRT-RS
Leia na base de dados do Espaço Vital.


Comentários

Luis Carlos Millani - Advogado 22.09.17 | 11:17:55
Mas que interpretação essa do aviso prévio, heim!?!?!
Eliel Valesio Karkles - Advogado 22.09.17 | 10:51:59
Normas que só vale para "uma" parte... Isso é uma VERGONHA!!! E a empresa como fica?
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STJ edita cinco novas súmulas

Duas terão maior repercussão. Uma dispõe que “é permitida a instauração de processo administrativo disciplinar com base em denúncia anônima”. A outra define que “o locatário não possui legitimidade ativa para discutir a relação jurídico-tributária de IPTU e de taxas referentes ao imóvel alugado”.

STF anula parte da Súmula nº 228 do TST

O verbete dispõe sobre a base de cálculo do adicional de insalubridade. Decisão de Ricardo Lewandowski acolhe reclamação ajuizada pela Unimed Ribeirão Preto Cooperativa de Trabalho Médico.

Novas súmulas das Turmas Recursais Cíveis do TJRS pacificam temas controversos

• Responsabilidade das construtoras por demora na entrega de imóveis: perdas e danos de 0,5% ao mês sobre o valor do bem, para cobrir os lucros cessantes presumidos do aluguel.

• Indenizações também em favor de mutuários do “Minha Casa, Minha Vida”.

• Solidariedade do Grupo GBOEx nas indenizações devidas pela Confiança Companhia de Seguros.

• Suspensão de água e de energia elétrica só após prévia notificação ao usuário.

• Conheça as dicas do Espaço Vital e leia todas as 34 súmulas do colegiado

Súmulas do STJ agora já são 600

Publicados os novos verbetes que tratam de: desnecessidade de apresentação de laudo médico oficial para o reconhecimento judicial da isenção do imposto de renda; inaplicabilidade do princípio da insignificância nos crimes contra a Administração Pública; e configuração da violência familiar.