Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017
http://espacovital.com.br/images/mab_123_12.jpg

Quando juízes emprestam cartão digital, login e senha para servidores usarem rotineiramente



Gerson Kauer – Base de dados do Espaço Vital

Imagem da Matéria

Terceirização da prestação jurisdicional

Juízes que emprestam cartão digital, login e senha para servidores usarem de forma rotineira no serviço jurisdicional violam deveres da magistratura, por terceirizarem suas tarefas a funcionários. Assim entendeu o Órgão Especial do TJ de São Paulo, na última quarta-feira (27), ao abrir processo administrativo disciplinar contra um juiz da comarca de Santos. A corte oportunamente vai julgar o mérito do caso, para definir se o magistrado deve ou não ser punido.

Segundo informa a revista eletrônica Consultor Jurídico, “a Corregedoria-Geral da Justiça viu indícios de que o juiz Rogério Márcio Teixeira, titular da 12ª Vara Cível de Santos, costumava deixar seu cartão de autenticação eletrônica para que servidores redigissem, finalizassem e assinassem decisões sem nenhuma conferência posterior do juiz”.

A matéria é assinada pelo repórter Felipe Luchete. Ele ouviu o corregedor-geral, desembargador Pereira Calças, para quem o rastreamento dos IPs “demonstra que várias decisões proferidas entre junho de 2015 e dezembro de 2016 foram criadas, finalizadas e assinadas”. Tal teria ocorrido em quatro computadores diferentes localizados no ofício judicial, e não no gabinete do juiz Teixeira.

A situação na comarca de Santos (SP) só foi descoberta, segundo o corregedor-geral, depois que um escrivão que trabalhava com o juiz Teixeira tornou-se suspeito de direcionar processos para a vara, simular citações e desviar mais de R$ 10 milhões de idosos que eram partes nas ações.

O caso foi investigado em inquérito policial e processo administrativo contra o servidor; este acabou exonerado.

Defesa do juiz

O advogado Marco Antonio Parisi Lauria, defensor do juiz, negou que seu cliente tenha transferido atribuições jurisdicionais.

Em sustentação oral no dia 13 de setembro - quando o julgamento teve início -  ele afirmou que o juiz Teixeira atua com seriedade, é responsável por todas as suas decisões e jamais contribuiu com irregularidades cometidas pelo servidor.

Conforme o advogado de defesa, o magistrado ainda está se adaptando às novidades do processo digital e “não haveria problema em emprestar cartão digital para funcionários resolverem coisas menores”.

Um arremate defensivo em forma de pergunta e resposta: “Quantos dos juízes liam o processo inteiro antes de assinar um despacho de mero expediente simples? Evidente que é uma situação anormal, mas é real” – disse o advogado.

“Farra do cartão”

Vários membros do Órgão Especial do TJ paulista criticaram a rotina desse tipo de conduta.

O desembargador Beretta da Silveira disse que a prática demonstra “desleixo total” na atividade da magistratura. E o desembargador Sérgio Rui usou a expressão “farra do cartão”, que - segundo ele - seria uma “delegação ampla, geral e irrestrita e verdadeira terceirização da jurisdição”.

Prática repetida

O corregedor Pereira Calças declarou ter ficado preocupado ao notar, em correições pelo Estado, que outros juízes também têm adotado a prática de emprestar cartões, login e senha de acesso a servidores.

Para o desembargador, esse tipo de conduta é grave. (Proc. nº 12.173/2017).

Leia a matéria completa na origem, com outros detalhes, clicando aqui.


Comentários

Carlos Alberto Stimamilio - Aposentado 29.09.17 | 19:13:40
Até isso. Nenhum interesse com a atividade jurisdicional e muito compromisso com os itens do contracheque. Uma vergonha e sem a aplicação da punição cabível. Imunes e impunes!
Herivelto Paiva - Advogado 29.09.17 | 14:56:31
O mesmo poder que terceiriza suas funções, exceto a remuneração, no âmbito na Justiça do Trabalho pune quem age da mesma maneira. Isto ratifica a falência do sistema, não só por estes episódios vergonhosos, mas, sobretudo pela notória ausência de moralidade.
Luciano Botelho De Souza - Advogado 29.09.17 | 13:22:04
Devem ser "punidos", ou seja, APOSENTADOS COM TODAS AS REGALIAS... O que farão daí? Abrirão um escritório de advocacia e farão petições iniciais escrevendo uma receita de bolo, que será deferida por ex-colegas juízes...
Eliel Valesio Karkles - Advogado 29.09.17 | 10:31:15
Eu quero é "novidade"... Se não todos, mas a MAIORIA faz isso!...
Henrique Júdice Magalhães - Advogado 29.09.17 | 10:15:02
-Interessante é a disparidade de critérios dos tribunais. O corregedor do TJSP acha grave. O TRF-3 tem um juiz afastado há 11 anos e um diretor de secretaria demitido por isso. Para o TRT-4, é questão de menor relevância (pena de censura, tendo havido quem votou por não punir), e, para o presidente do TST, é menos grave que deixar de usar toga. Publiquei há alguns meses uma matéria tratando desse e de outros aspectos: http://anovademocracia.com.br/no-185/6863-vade-retro
Banner publicitário

Mais artigos do autor

O voo “direto” Rio/Orlando que demorou 14 horas e meia

• Os imprevistos quase insuportáveis impostos aos passageiros da Latam, que fariam um voo sem escalas de 8 horas e 15 minutos.
• STJ julgará pela primeira vez se guarda de cão (disputado por ex-cônjuges) pode ser resolvida como “regulamentação de visitas”.
• Supremo decidirá se cigarros com sabor devem ser proibidos.
• Em 16 anos, aumenta oito vezes, no Brasil, o número de mulheres presas.

Um caos jurídico para os leigos

• Voto-desempate de Cármen Lúcia coloca o destino de Aécio Neves no colo do Senado.
• A presidente do STF amarelou.
• Uma nova proteção para que parlamentares continuem cometendo crimes.
• Decisão do STJ: repasse dos custos administrativos da instituição financeira com as ligações telefônicas dirigidas a consumidores inadimplentes não configura abuso.
• Pagamento de débito tributário, mesmo após o trânsito em julgado da sentença condenatória, é causa de extinção da punibilidade.

Inseparáveis, duas irmãs anunciam que vão compartilhar o mesmo marido

• A busca, no blog de Adel e Alina, 22 de idade, por um “marido estupidamente rico e de mente aberta”.
• Financeira condenada por abuso contra idosa analfabeta.
• A “amada amante” presa com 200 mil euros na calcinha.
• Bancos abrem nova frente de lerdeza, agora no STF, para tentar melar, Brasil afora, o pagamento de indenizações aos poupadores.

Como seria um ´smartphone´ de R$ 12,3 mil?

• Tribunal cancela pregão de R$ 758 mil para comprar 60 aparelhos telefônicos para desembargadores e assessores. Corte “agradece as críticas construtivas enviadas à instituição”.
• As 16 barras de ouro guardadas por Nuzman, na Suíça, superam os recordes olímpicos do nadador Michael Phelps.
• E uma demissão por justa causa por causa de...um iogurte (Sem ouro, nem prata).

Desembargadores conectados por meio dos celulares mais caros do mercado

• Novo penduricalho fará mimo para 52 magistrados e oito assessores do TJ de Pernambuco, a um custo de R$ 758 mil – pago pelo Estado, é claro...
• Ação penal que pretende levar Paulo Maluf à cadeia já tem 25 anos.
• Lava Jato já condenou 107 criminosos em Curitiba. No STF, nenhum.
• Viagens internacionais pagas pela Câmara Federal a 274 deputados. Tem até um encontro com diretores da Disney...

Decifre esta: STF está contratando “empresa para prestação de serviços de apoio operacional na área de condução de veículos oficiais”.

•  Pregão eletrônico recruta empresa que forneça 56 motoristas a um custo de R$ 5 milhões anuais. Exigências: vestimentas impecáveis, gravatas em jacquard, calças sem pregas e... demonstração de  “capacidade de se antecipar às necessidades dos clientes”. Etcetera...

•  Segredo quebrado: Itália volta a insistir na deportação de Cesare Battisti.

•  Livro de cabeceira de Sérgio Cabral: “Antologia da Maldade”.

•  Senado aprova projeto que legaliza a situação de servidores de cartórios que passaram por remoção em período anterior à lei dos cartórios. Sem concursos...