Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017

O “Doutor Encoxador”



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O médico com 66 de idade, consultório bem instalado em prédio central que leva o nome de uma estrela fixa de primeira grandeza, é conhecido - na cidade de 200 mil habitantes - como ortopedista e traumatologista. Também presta frequentes exames admissionais de emprego ao comércio e indústrias da cidade. Foi nessa última atividade que ele passou a gozar má fama de abusador.

Independente de um precedente já coberto pela prescrição, duas mulheres modernas e corajosas - que não se conheciam entre si e não trabalham na mesma empresa - chegaram à polícia com versões semelhantes e um desabafo igual: “O Doutor é um encoxador”!

Os depoimentos colhidos pela delegada, em momentos diferentes, coincidiram na essência: o doutor se achegava por trás, mandava as pacientes levantarem-se, abrirem a blusa e respirarem fundo e... zás, lá se ia rápido com a mão boba, sutiã a dentro, enquanto atacava também por baixo.

Segundo a denúncia, “o médico ordenava que as pacientes mantivessem respiração ofegante, também encoxando-as, enquanto introduzia sobre seus seios uma de suas mãos, alegando tal ser necessário para o perfeito exame de toque aferidor dos pulmões”.

Uma das vítimas do abuso – antes de se arrancar consultório a fora – deu o estrilo que foi ouvido na sala de espera: “Esse tipo de exame quem faz comigo é só o meu marido”. E logo acorreu à delegacia de polícia.

Ao aplicar sete anos de reclusão, em regime inicial semiaberto a sentença reconheceu que “a prova é firme e segura sobre os abusos sexuais contra as pacientes, de regra mulheres obreiras necessitadas de um laudo médico para poder trabalhar”.

Houve apelação. Na câmara criminal, a desembargadora relatora foi mão-suave, reduzindo a pena a quatro anos e três meses, a pretexto de “ter subsistido apenas a tez negativa das consequências”.

Apenas?!...

Em liberdade, enquanto esgota recursos aos tribunais superiores, o “Doutor Encoxador” segue trabalhando. Mas as mulheres da cidade já se reuniram na igreja próxima ao consultório médico, para combinarem a propagação da ficha suja dele.

Por enquanto, ele segue impoluto nas hostes corporativas do Conselho Regional de Medicina.


Comentários

Otavio Corrêa - Advogado 03.10.17 | 18:35:15
Ué, Dr.Sérgio de Argollo Mendes ! A verdade não faz mais bem à saúde ?
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O que (também) se faz no casamento?

 

O que (também) se faz no casamento?

Era o julgamento de uma apelação que buscava a anulação de um casamento, porque o homem se recusava ao relacionamento sexual. Até que o desembargador vogal descontraiu a discussão jurídica: “Dentre as finalidades do casamento está o relacionamento sexual - embora ninguém case só para isso, mas case também para isso”.

Charge de Gerson Kauer

Audiência de acareação

 

Audiência de acareação

Defronte ao juiz, no foro e perante os habituais personagens da cena forense, quase um engano atroz da idosa vítima de um crime sexual. Ela não identifica o preso como o autor da violência. E, espantosamente, ela passa a desconfiar do advogado de defesa!...

Charge de Gerson Kauer

O advogado, a juíza e o galo eficaz

 

O advogado, a juíza e o galo eficaz

É época de grande feira de tecnologia agropecuária e agroindustrial. Um profissional da advocacia (também exitoso fazendeiro e ágil criador e exportador de galinhas) está junto ao balcão do bar do hotel cinco estrelas, empunhando uma taça de champanhe. De repente, aproxima-se uma magistrada – conhecida dele - que denotava felicidade.

Charge de Gerson Kauer

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

 

Sexo tântrico interrompe festinha infantil

De repente, bateu o telefone no quartel da Brigada, numa cidade da fronteira gaúcha. A voz reclamante denotava irritação: “Tem um casal tarado, fazendo sexo de tal jeito, na casa aqui ao lado, que está escandalizando as crianças que vieram ao aniversário do meu filho”.

Charge de Gerson Kauer

A banheira do Foro Central

 

A banheira do Foro Central

Em meio às obras de reforma do prédio antigo, a descoberta no subsolo: uma banheira! Não era nova, tinha indícios de uso, exibia arranhões – o que afastava especulações de que se tratasse de uma extravagância nova de algum ordenador de despesas. Então surgiram as brincadeiras compreensíveis que se misturaram a boatos absurdos.