Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/mab_123_13.jpg

Desembargadores conectados por meio dos celulares mais caros do mercado



Auxílio-celular

Novo penduricalho chegando: o Tribunal de Justiça de Pernambuco autorizou, por meio de pregão eletrônico, a compra de 60 smartphones. O modelo é o mais caro do mercado (R$ 12.633 por unidade) e o valor será pago pelo ...erário, claro.

Os aparelhos servirão aos 52 conectados desembargadores da corte e a oito privilegiados assessores.

O risco é a ideia ser imitada tribunais afora...

O mimo pernambucano custará R$ 758 mil. É de lembrar que a regra geral, país afora, é que os cidadãos de bem comprem seus celulares com seu próprio dinheiro.

Mas os leitores sabem: excelências pensam diferente... (Pregão eletrônico nº 91/2017).

Privilégios para alguns


Sabem por que os políticos continuam fazendo questão de serem julgados pelo STF? A resposta é estatística.

Em Curitiba, na Lava-Jato, já são 107 condenados. Em Brasília, por enquanto nenhum!

Nessa linha, a situação vivida nos últimos dias pelo deputado Paulo Maluf (PP-SP), condenado pelo STF, em maio, a sete anos e nove meses de prisão, é um dos símbolos da impunidade ainda reinante no Brasil, mesmo em tempos de Lava Jato. O processo contra ele moureja há 25 anos. O julgamento de novo recurso - que era para ser definitivo - foi interrompido graças a um pedido de vista do ministro Marco Aurélio.

A história de Maluf tem semelhanças chicaneiras com o caso de José Dirceu, que teve sua pena aumentada de 20 anos e 10 meses para 30 anos e nove meses pelo TRF da 4ª Região. Mesmo assim, e embora já tivesse ficado preso preventivamente por quase dois anos, o notório ex-capitão do time de Lula está dando de ombros à nova pena.

Ele aposta que será salvo pelo STF, assim como Maluf, com a derrubada da decisão que determina a prisão depois de julgamento em segunda instância.

Depois, Dirceu dobrará a aposta: recorrerá ao próprio Supremo, onde espera ser absolvido no mérito.

Das redes sociais


Há quase unanimidade entre internautas sobre o melhor post da semana passada.

É um que diz assim: “o proprietário fantasma recebeu, da inquilina falecida, o valor do aluguel em um dia que não existe”.

Lá foram eles…


De janeiro a 15 de setembro deste ano, a Câmara dos Deputados patrocinou 274 viagens internacionais de seus membros. Anunciadas como “missões oficiais”, ficam na prática com seus álibis desmoralizados.

Alguns maus exemplos: Cleber Verde (PRB-AM) passou três dias em New York, numa feira de alimentos e bebidas; Pedro Vilela (PSDB-AL), Vanderlei Macris (PSDB-SP) e Cláudio Cajado (DEM-BA) curtiram cinco dias em Paris num congresso de aviação; e Newton Cardoso Júnior (PMDB-MG) foi conhecer o Mercado de Maryland.

Outro dos descontraídos programas foi da dupla José Nunes (PSD-BA) e Paulo Azi (DEM-BA), autorizados a viajar a Orlando (EUA), “para um encontro com diretores da Disney”.

Mickey e Donald devem ter testemunhado.

Patetas brasileiros ficaram distantes.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Armário da comarca: sete anos e meio de lentidão processual em ação penal que tem 25 denunciados por fraude contra o Banrisul.

 Armário da corte: o triste atropelamento de 17 ciclistas e uma ação penal que teima em não terminar.

 Sinal vermelho da Environment Justice Atlas sobre Porto Alegre: precariedade da mobilidade urbana e demora na solução judicial.

 Corregedor nacional da justiça apõe intrigante segredo de justiça no pedido de providências sobre o plantão do TRF-4 que quase soltou Lula.

STF suspende cobrança abusiva de 40% pelos planos de saúde

· Na decisão, Cármen Lúcia afirma que “saúde não é mercadoria, vida não é negócio, e dignidade não é lucro”.

· Auxílio-maternidade a uma mulher que adotou menina de 12 anos.

· Franklin Martins, envolvido no sequestro do embaixador Charles Burke Elbrick, poderá estar na equipe de Dias Tóffoli na presidência do STF.

· Custódia do notebook apreendido na residência do empresário Henrique Constantino, um dos fundadores da Gol.

Reflexos e rescaldos de um plantão controvertido

• AJUFE não defenderá Favreto se ele for denunciado por prevaricação. Na eventual ação penal cabem transação penal e suspensão condicional da pena.

 Das redes sociais: “Outrora atribuída a advogados desqualificados, nosso país acaba de criar a figura do desembargador de porta de cadeia”.

 O “tríplice milagre” realizado por Lula.

•  “Rádio-corredor” forense anuncia candidato de oposição às eleições da OAB-RS. Mas o objetivo é 2021.

O polêmico desempenho do desembargador Favreto, no controvertido plantão do TRF-4

• O Espaço Vital pediu a opinião de 20 advogados sobre a confusão jurídica do domingo. Entre as respostas, veio à baila o ensaio da Grécia antiga: “Ne sutor ultra crepidam”.

 Google vence Xuxa definitivamente. Insucesso da ação que buscava a remoção de imagens e links a quem digitasse, no mecanismo de buscas, o nome da apresentadora e “pedófila”.

 Clamor feminista pretende que a OAB passe a chamar-se Ordem da Advocacia do Brasil. Sonho que fica para 2019 ou 2020.

• Só uma seccional estadual da OAB tem, atualmente, mais advogadas do que advogados.

 Mas as estagiárias já são maioria, na estatística nacional.

Salvo surpresas, Gilmar Mendes fica no STF até 30.12.2030

 Facchin indefere o pedido para que o Senado analise o impeachment do ministro colega. E a PGR não vai recorrer.

 Novo round no julgamento do caso que gerou a acusação de suposta corrupção no TJ de Santa Catarina: ontem, o voto- vista do vogal.

 Advogado gaúcho analisa supremas incoerências recentes do STF

Indenização para Luciano Huck por uso indevido de seu nome em lançamento imobiliário

 Decisão do STJ confirma a condenação da Cipesa, construtora de luxuoso empreendimento residencial em São Paulo, mas isenta a imobiliária que fez a comercialização.

 Conselho Seccional da OAB-RS exclui mais três advogados.

 A internacional Environment Justice Atlas aponta conflitos socioambientais em três casos no RS: um deles é a demora da Justiça gaúcha em decidir o caso do atropelamento coletivo de 17 ciclistas.

 Os gols financeiros que os planos de saúde festejam durante a Copa do Mundo.