Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Negado habeas corpus a advogado condenado por estelionato



A 1ª Turma do STF negou habeas corpus impetrado pelo advogado Luiz Ademaro Pinheiro Prezia Júnior (OAB-SP nº 154403), em causa própria. Ele está condenado em segundo grau por estelionato e pretendia a redução da pena-base para o mínimo legal. O colegiado acompanhou o voto do relator, ministro Marco Aurélio.

O advogado foi condenado após ser contratado por um cliente para obter a redução do IPTU. Conforme a denúncia, Luiz Ademaro Pinheiro Prezia Júnior falsificou uma sentença para passar a impressão, a seu cliente, que havia ganho a demanda. Este foi orientado a depositar o valor das prestações reduzidas na conta do advogado.

Em primeira instância, Luiz Ademaro foi condenado como incurso no art. 171, por 44 vezes, combinado com o art. 71, ambos do CP, à pena de oito anos, dez meses e 20 dias de reclusão.

O Juízo da 16ª Vara Criminal Regional de Barra Funda, comarca da Capital/SP reconheceu ao acusado o direito de recorrer em liberdade. (Proc. nº 0093092-67.2009.8.26.0050).

O TJ-SP deu parcial provimento ao apelo da defesa e reduziu a pena para quatro anos e oito meses de reclusão,  alterando o regime inicial para o semiaberto.  Conforme o acórdão, “o crime de falsificação de documento público, quando cometido com o fim precípuo da prática do delito de estelionato, é por este absorvido – mas isso não quer dizer que a circunstância de o agente falsificar documentos públicos para prática do estelionato não deva ser levada em consideração para efeito de dosimetria da pena”.

Contra essa decisão o advogado impetrou HC no STJ, questionando o aumento da pena-base, e postulando a redução para o mínimo legal, bem como a concessão do regime aberto.

A 6ª Turma do STJ, por unanimidade, não conheceu da ordem. A defesa então impetrou HC no Supremo. A PGR opinou pelo não conhecimento do habeas, por ser substitutivo do recurso ordinário que está em processamento, e, no mérito, entendeu que o pedido era improcedente.

O ministro Marco Aurélio, relator, pontuou que, na primeira fase da dosimetria da pena, levando-se em conta o piso e o teto previstos para o crime, cabe considerar os parâmetros da prática delituosa, não se podendo falar em sobreposição, considerado a elementar do tipo.

O prejuízo sofrido pela vítima chegou a quase R$300 mil.

A origem do caso

• De acordo com os autos, em 2004, um cliente dirigiu-se ao escritório do advogado, a fim de contratá-lo para ajuizar uma ação cível em face do Município de São Paulo, visando à redução do valor do IPTU de um imóvel arrematado em leilão oficial.

• Nesta oportunidade, o acusado aceitou o encargo, e disse que seu sócio ajuizaria a ação pretendida.

• Tempos depois, o advogado entrou em contato com o cliente e disse para ele que a ação havia sido julgada procedente. Para convencê-lo, induzindo-o em erro, o réu apresentou a ele uma cópia falsificada de sentença que dava ganho de causa ao cliente.

• Após exibir a cópia da sentença falsa, o advogado solicitou à vítima que iniciasse o pagamento parcelado do IPTU devido. Para tanto, disse que os depósitos deveriam ser efetuados mensalmente na sua própria conta corrente.

• Induzindo a vítima mais uma vez em erro, o recorrente assegurou ao ofendido que, com os depósitos efetuados, ele se encarregaria, perante a 9ª Vara da Fazenda Pública, de efetuar os depósitos judiciais dos valores recolhidos.

• Acreditando nas explicações de seu advogado, o cliente efetuou 44 depósitos na conta corrente indicada. Para manter o ofendido em erro, o réu apresentava a ele “comprovantes de pagamento”, exibindo guias de depósito judicial falsas.

• Em 2009, a vítima tomou conhecimento da existência de várias execuções fiscais cobrando valores de IPTU não pagos e que nenhum valor de tributo fora recolhido. Nesta ocasião, o ofendido descobriu que o processo referido pelo advogado nunca existira e que as guias de depósito eram falsas.  (HC nº 127767 – com informações do STF e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogado gaúcho condenado por fraude em seguro-desemprego

A pena é de cinco anos e três meses de reclusão, em regime semiaberto. A sentença alcança também um motorista: três anos e quatro meses, com reversão para pena restritiva de direito. Os dois réus terão que ressarcir os cofres públicos. Não há trânsito em julgado.

Um pedido de vista que já dura mais de cem dias

Suspenso no STF, desde 1º de junho, o julgamento sobre alterações no foro por prerrogativa de função. Quatro votos já proferidos apontam que “após o final da instrução processual, a competência não será mais afetada em razão de o agente público vir a ocupar outro cargo ou deixar o cargo que ocupava, qualquer que seja o motivo”.