Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

CNJ vem ao Rio Grande do Sul para inspeção em segredo de justiça



Entre os dias 23 e 31 de outubro - nove dias - uma equipe de dez magistrados da Corregedoria Nacional da Justiça, órgão do Conselho Nacional de Justiça, estará realizando inspeção no Judiciário Estadual do Rio Grande do Sul. Serão realizados levantamentos e exames nos setores administrativos e judiciais de 1º e 2º graus de jurisdição, além das serventias extrajudiciais em todo o Estado.

Segundo determinação do corregedor nacional, ministro João Otávio de Noronha, “a inspeção deverá tramitar em segredo de justiça”.

A Portaria nº 27 de 27/9/2017 - que determina os procedimentos a serem realizados - não revela quais serão os custos do deslocamento (via aérea), da hospedagem (hotéis de 4 ou 5 estrelas) e de alimentação da equipe de inspeção – que é formada por 22 pessoas. Todas se deslocarão – de seus respectivos Estados de origem – a Porto Alegre na véspera (22) do primeiro dia das atividades.

A equipe que fará a inspeção é composta pelos seguintes magistrados:

• Desembargadora federal Daldice Maria Santana de Almeida, conselheira do CNJ;
• Desembargadores Luiz Fernando Tomasi Keppen e Octávio Campos Fischer (ambos do TJ do Paraná);
• Desembargador Luis Paulo Aliende Ribeiro (do TJ-SP);
• Desembargador Ronei Danielli (do TJ-SC);
• Juízes Carlos Vieira Von Adameke, Ricardo Felício Scaff, Márcio Antonio Boscaro e Marco Antonio Martin Vargas (todos do TJ-SP);
• Juízes Márcio da Silva Alexandre e Lizandro Garcia Gomes Filho (ambos do TJ do Distrito Federal; e
• Juiz Nicolau Lupianhes Neto (do TJ-MG) - além de assessores.

Estes serão em número de dezesseis, sendo 10 do CNJ, três do TJ-DFT, um do TJ-SP, um do STJ, e um da Escola Nacional de Formação de Magistrados.

O CNJ já requisitou à presidência do TJRS “sala com capacidade para, ao menos, 15 pessoas sentadas, com 15  computadores conectados à Internet e impressoras, a fim de que possam ser analisados os documentos e informações colhidos”.

Durante a inspeção, os trabalhos forenses e/ou prazos processuais não serão suspensos. Não foram reveladas as comarcas, varas, repartições e cartórios que serão inspecionados.


Comentários

Cinara Marques - Advogada 09.10.17 | 08:54:32
Eles precisariam ficar um ano para inspecionar somente os cartórios de Porto Alegre.
Martaísa Corrêa Da Silva - Advogada 06.10.17 | 14:53:49
Por que em segredo justiça?
Guilherme Losekann - Advogado 06.10.17 | 10:52:26
QUE VENHAM PARA AGUDO/RS! ALGUÉM PRECISA OLHAR POR NÓS EM AGUDO/RS!
Marcelo Vilani - Advogado 06.10.17 | 09:21:00
Espero que esta força tarefa inspecione a comarca de Carlos Barbosa!
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como deve ser a promoção dos juízes?

Em caso oriundo do RS, o Supremo reconhece a repercussão geral relativa aos critérios para seguimento na carreira. Juízes gaúchos Cíntia Teresinha Burhalde Mua, Sandro Antonio da Silva, Ana Lúcia Haertel Miglioranza e Cristiane Hoppe sustentam posições divergentes.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Up Imagens

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

 

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

Conselheiro do CNJ Henrique Ávila diz que “tribunais são ilhas de poder”. Propõe que a OAB seja chamada “para levar a visão do jurisdicionado e da sociedade como um todo”. Sustenta que “a Loman precisa ser revista com brevidade”. E conclama “a redistribuição de servidores da segunda instância e as respectivas dotações orçamentárias para priorizar a força de trabalho da primeira instância”.