Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

CNJ vem ao Rio Grande do Sul para inspeção em segredo de justiça



Entre os dias 23 e 31 de outubro - nove dias - uma equipe de dez magistrados da Corregedoria Nacional da Justiça, órgão do Conselho Nacional de Justiça, estará realizando inspeção no Judiciário Estadual do Rio Grande do Sul. Serão realizados levantamentos e exames nos setores administrativos e judiciais de 1º e 2º graus de jurisdição, além das serventias extrajudiciais em todo o Estado.

Segundo determinação do corregedor nacional, ministro João Otávio de Noronha, “a inspeção deverá tramitar em segredo de justiça”.

A Portaria nº 27 de 27/9/2017 - que determina os procedimentos a serem realizados - não revela quais serão os custos do deslocamento (via aérea), da hospedagem (hotéis de 4 ou 5 estrelas) e de alimentação da equipe de inspeção – que é formada por 22 pessoas. Todas se deslocarão – de seus respectivos Estados de origem – a Porto Alegre na véspera (22) do primeiro dia das atividades.

A equipe que fará a inspeção é composta pelos seguintes magistrados:

• Desembargadora federal Daldice Maria Santana de Almeida, conselheira do CNJ;
• Desembargadores Luiz Fernando Tomasi Keppen e Octávio Campos Fischer (ambos do TJ do Paraná);
• Desembargador Luis Paulo Aliende Ribeiro (do TJ-SP);
• Desembargador Ronei Danielli (do TJ-SC);
• Juízes Carlos Vieira Von Adameke, Ricardo Felício Scaff, Márcio Antonio Boscaro e Marco Antonio Martin Vargas (todos do TJ-SP);
• Juízes Márcio da Silva Alexandre e Lizandro Garcia Gomes Filho (ambos do TJ do Distrito Federal; e
• Juiz Nicolau Lupianhes Neto (do TJ-MG) - além de assessores.

Estes serão em número de dezesseis, sendo 10 do CNJ, três do TJ-DFT, um do TJ-SP, um do STJ, e um da Escola Nacional de Formação de Magistrados.

O CNJ já requisitou à presidência do TJRS “sala com capacidade para, ao menos, 15 pessoas sentadas, com 15  computadores conectados à Internet e impressoras, a fim de que possam ser analisados os documentos e informações colhidos”.

Durante a inspeção, os trabalhos forenses e/ou prazos processuais não serão suspensos. Não foram reveladas as comarcas, varas, repartições e cartórios que serão inspecionados.


Comentários

Cinara Marques - Advogada 09.10.17 | 08:54:32
Eles precisariam ficar um ano para inspecionar somente os cartórios de Porto Alegre.
Martaísa Corrêa Da Silva - Advogada 06.10.17 | 14:53:49
Por que em segredo justiça?
Guilherme Losekann - Advogado 06.10.17 | 10:52:26
QUE VENHAM PARA AGUDO/RS! ALGUÉM PRECISA OLHAR POR NÓS EM AGUDO/RS!
Marcelo Vilani - Advogado 06.10.17 | 09:21:00
Espero que esta força tarefa inspecione a comarca de Carlos Barbosa!
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli, sobre foto de Danilo Verpa (Folha de S. Paulo / Google Imagens).

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

 

O débito enorme do Judiciário com a sociedade

Cármen Lúcia reconhece que o povo brasileiro está cansado. Por que? Eis algumas das razões: integrantes do Poder se consideram imunes à lei; magistrados corruptos são premiados por aposentadorias generosas; juízes e desembargadores têm férias de 60 dias, além do descanso extra no recesso; a prestação jurisdicional é lenta e favorece a prescrição; seu pessoal corporativo é campeão de penduricalhos; demasiado trânsito de estagiários e assessores dando sentenças. E por aí...

Auxílio-moradia no Judiciário custa R$ 75,9 milhões mensais

A cronologia e alguns números do absurdo. São 17.351 juízes, desembargadores e ministros, todos da ativa, que têm suas contas engordadas periodicamente, sem impostos: R$ 4.377 mensais; R$ 52.532 anuais. Um aporte que, três anos e quatro meses depois da liminar, já chega a mais de R$ 170 mil individualmente.