Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

“Você não está filmando, né?...”



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A universitária sentiu-se vítima e pediu a ajuda da família, depois que - vexada - contou que cenas íntimas dela pululavam na internet. O pai acionou polícia e Ministério Público. Poucos dias depois, o provedor de internet recebeu ordem judicial para, em 24 horas, bloquear um blog.

Identificado o gerador das imagens – era um gerente de agência bancária – ele admitiu sua participação criminosa. Beneficiava-se da confissão espontânea para, assim, ter menor pena. E, no juízo penal, ele contou “ser uma coisa rotineira” a gravação de transas pós-baladas, feitas às escondidas, ou às vezes às claras.

O depoimento do acusado foi minudente: “Algumas vezes as meninas sacavam. Algumas não gostavam, outras proibiam, mas também tinha quem concordasse. A intenção era apenas assistir no outro dia e dar risadas. Depois a gente apagava, pois perdia a graça”.

Quase a mesma coisa foi dita por ele em outro depoimento pessoal - já então no Juízo Cível - quando ele se viu réu da ação por dano moral: “Um colega perdeu a cópia da gravação em que realmente havia cenas de sexo oral”.

O magistrado ficou perplexo ao ver o vídeo e ouvir o áudio com a voz inconfundível da lesada:

- O que você está fazendo? Você não está filmando, né? - pergunta ela.

O juiz concluiu que a vítima desconfiasse estar sendo filmada - e sentenciou que “mesmo que ela tivesse consentido com as gravações, jamais estava o acusado parceiro sexual autorizado à divulgação posterior na internet".

O acórdão da apelação definiu que "imagens íntimas sem consentimento se constituem em crime contra a honra". E confirmou a condenação em R$ 30 mil.

Com o trânsito em julgado, foi feita a penhora numa conta do réu e, assim, o caso chegou ao conhecimento do banco empregador. Na semana seguinte houve a dispensa do gerente, sem justa causa.

A condenação penal ainda pende de recurso superior. A vítima já recebeu sua indenização cível. E um dia desses, ela recebeu de sua entidade de classe a identidade que a habilita ao exercício profissional.

O gerente de banco mudou de profissão. Está, agora, prestando assessoria a um político.

(Senhores circunstantes, cuidem-se! Como já visto acima, ele gosta de filmar – nem que seja para “apenas assistir no outro dia e dar risadas”...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Gerson Kauer

Pernas maravilhosas

 

Pernas maravilhosas

A fábrica brasileira de calçados deu asas a um italiano. Ele era representante de empresa estrangeira que adquiria produtos fabricados na região calçadista. Mas passou a ter interesse paralelo nas pernas das empregadas da indústria...

Gerson Kauer

O “Doutor Encoxador”

 

O “Doutor Encoxador”

Segundo a denúncia na ação penal, “o médico ordenava que as pacientes mantivessem respiração ofegante, também encoxando-as, enquanto introduzia sobre seus seios uma de suas mãos, alegando ser necessário para o perfeito exame de toque aferidor dos pulmões”.

Gerson Kauer

Dona Merca, com ´c´. Ou com ´d ´ ?

 

Dona Merca, com ´c´. Ou com ´d ´ ?

Tarde escaldante, juiz, advogados, partes e serventuário tomam fôlego e levam adiante uma audiência conciliatória. O magistrado logo pergunta à autora da ação: “O seu nome está correto?...”

Gerson Kauer

A fortuna do “Padre Eros”

 

A fortuna do “Padre Eros”

Na cidade de 150 mil habitantes, o padre -  filho único - herdara todo o patrimônio deixado por seus pais. Era um homem rico - todos sabiam. Liberal, o religioso não obedecia ao celibato.  Metade dos paroquianos sabia que ele mantinha uma união “semi-estável” com uma mulher de meia idade, com quem tinha encontros matinais.

Charge de Gerson Kauer

O juiz papador

 

O juiz papador

Era uma ação trabalhista em que o porteiro de um motel reclamava horas extras. A petição inicial juntou fotos com as placas de automóveis que eram ´habituês´ nas incursões românticas.  E requereu que o Detran informasse os nomes dos proprietários dos clientes assíduos...

Gerson Kauer

Iniciativa sexual feminina proibida

 

Iniciativa sexual feminina proibida

Foi um divórcio complicado do casal de japoneses. No depoimento, a esposa contou seu desconforto “porque o cônjuge não permitia que ela tomasse a iniciativa das relações sexuais”. Mas a câmara julgadora preferiu reconhecer o “choque de culturas”.