Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

“Você não está filmando, né?...”



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A universitária sentiu-se vítima e pediu a ajuda da família, depois que - vexada - contou que cenas íntimas dela pululavam na internet. O pai acionou polícia e Ministério Público. Poucos dias depois, o provedor de internet recebeu ordem judicial para, em 24 horas, bloquear um blog.

Identificado o gerador das imagens – era um gerente de agência bancária – ele admitiu sua participação criminosa. Beneficiava-se da confissão espontânea para, assim, ter menor pena. E, no juízo penal, ele contou “ser uma coisa rotineira” a gravação de transas pós-baladas, feitas às escondidas, ou às vezes às claras.

O depoimento do acusado foi minudente: “Algumas vezes as meninas sacavam. Algumas não gostavam, outras proibiam, mas também tinha quem concordasse. A intenção era apenas assistir no outro dia e dar risadas. Depois a gente apagava, pois perdia a graça”.

Quase a mesma coisa foi dita por ele em outro depoimento pessoal - já então no Juízo Cível - quando ele se viu réu da ação por dano moral: “Um colega perdeu a cópia da gravação em que realmente havia cenas de sexo oral”.

O magistrado ficou perplexo ao ver o vídeo e ouvir o áudio com a voz inconfundível da lesada:

- O que você está fazendo? Você não está filmando, né? - pergunta ela.

O juiz concluiu que a vítima desconfiasse estar sendo filmada - e sentenciou que “mesmo que ela tivesse consentido com as gravações, jamais estava o acusado parceiro sexual autorizado à divulgação posterior na internet".

O acórdão da apelação definiu que "imagens íntimas sem consentimento se constituem em crime contra a honra". E confirmou a condenação em R$ 30 mil.

Com o trânsito em julgado, foi feita a penhora numa conta do réu e, assim, o caso chegou ao conhecimento do banco empregador. Na semana seguinte houve a dispensa do gerente, sem justa causa.

A condenação penal ainda pende de recurso superior. A vítima já recebeu sua indenização cível. E um dia desses, ela recebeu de sua entidade de classe a identidade que a habilita ao exercício profissional.

O gerente de banco mudou de profissão. Está, agora, prestando assessoria a um político.

(Senhores circunstantes, cuidem-se! Como já visto acima, ele gosta de filmar – nem que seja para “apenas assistir no outro dia e dar risadas”...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.

Charge de Gerson Kauer

O juiz dono da bola

 

O juiz dono da bola

A história do magistrado que – num dos habituais jogos de confraternização da turma forense – foi atingido nos ´países baixos´ por um forte chute dado pelo promotor. E a sentença verbal, proclamada ali mesmo: “O jogo está violento, eu disse que não valia bomba. Então decido: a bola está confiscada pela Justiça”.O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

“O seu nome é Fátima, doutor?”

 

“O seu nome é Fátima, doutor?”

Há alguns nomes próprios que se prestam a confusões de gênero, como Darcy, Abigail e Nadir. Entretanto, não se conhece nenhum registro de homem chamado Fátima. Só que a jovem juíza faz uma pergunta típica à estultícia...

Charge de Gerson Kauer

Um motel na própria casa

 

Um motel na própria casa

O juiz lê a minuta de decisão - feita pela estagiária - em uma ação de interdição de Dona Amélia, 80 de idade. Na documentação, um detalhe chama a atenção: a assistente social relata que os vizinhos da idosa senhora informaram que, antes de a casa dela pegar fogo, ela – ali no próprio lar - alugava quartos para casais enamorados desfrutarem de momentos de prazer. 

Charge de Gerson Kauer

O perdão judicial

 

O perdão judicial

O que acontece, em média comarca gaúcha, quando o rígido e formal juiz descobre que ele e a esposa estão sendo espionados por um voyeur - cuja “arma” é uma verruma. O interrogatório sumário, a decisão de prender o abelhudo e a remissão de culpa – com a ordem de que o acusado sumisse imediatamente. O texto é do desembargador aposentado (TJRS) Vasco Della Giustina.