Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

A fábula da leitoa



Por Sérgio Becker, jornalista aposentado

Economicamente, o outrora terceiro Estado do país se assemelha a uma leitoa recém parida, que agoniza devido uma zoonose fatal. Mas, os leitõezinhos, no afã de sobreviverem, mamam incessantemente nas tetas ressequidas pela doença.

Pior, o leitãozinho do Executivo faz greve na ilusão de receber em dia; o do Legislativo não abre mão de nenhuma das suas injustificáveis mordomias (como a de dispor de mais de 20 aspones improdutivos, mas muito bem remunerados); e o do Judiciário acrescenta penduricalhos (como o auxílio-moradia) para receber acima do piso já classificado de pornográfico.

Estes, então, como a teta que os alimenta é garantida por depósitos judiciais e eles têm o poder de decisão, estão retendo injusta e injustificadamente estes recursos, prejudicando autores de ações judiciais e seus advogados autônomos, somente para garantir ´o seu´ no fim do mês.

Leia na base de dados do Espaço Vital:

Sorria! Você está sendo caloteado


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Anderson C. Porto

O aprisionamento de ladrões de galinha

 

O aprisionamento de ladrões de galinha

Jamais me deixei impressionar pela jurisprudência de tribunais constituídos politicamente, na alcova da vida de tanta gente que simplesmente não presta”. Artigo de Roberto Wanderley Nogueira, juiz federal em Recife (PE).

Em nome do equilíbrio

Em artigo sobre desdobramentos após o recente suicídio do reitor da UFSC, o desembargador Odson Cardoso Filho, presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses escreve: “Nada mais perverso para a democracia do que tolher a independência do juiz”.

Ética de advogados e juízes

Há deveres comuns aos dois encargos como, por exemplo, o amor ao trabalho, a pontualidade, a urbanidade, a honestidade. Quanto à pontualidade, os advogados são ciosos de que não podem dormir no ponto. Já relativamente aos juízes, nem sempre compreendem que devem ser atentos aos prazos”.
Artigo de João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado.

Honorários advocatícios na reforma trabalhista

“O artigo 791-A prevê ao advogado, ainda que atue em causa própria, o pagamento de honorários de sucumbência sobre o valor que resultar da liquidação da sentença, do proveito econômico obtido, ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa”.  Artigo dos advogados Gabriel Cintra e Mylena Devezas Souza.

Moro, Dostoiévski e a esperança

“A condenação do ex-ministro José Dirceu reforçou talvez a esperança de todos nós, brasileiros, na Justiça em nosso país, e a crença de que o Poder Judiciário possa prender os culpados e absolver os inocentes, sem importar o partido a que pertençam.