Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

A fábula da leitoa



Por Sérgio Becker, jornalista aposentado

Economicamente, o outrora terceiro Estado do país se assemelha a uma leitoa recém parida, que agoniza devido uma zoonose fatal. Mas, os leitõezinhos, no afã de sobreviverem, mamam incessantemente nas tetas ressequidas pela doença.

Pior, o leitãozinho do Executivo faz greve na ilusão de receber em dia; o do Legislativo não abre mão de nenhuma das suas injustificáveis mordomias (como a de dispor de mais de 20 aspones improdutivos, mas muito bem remunerados); e o do Judiciário acrescenta penduricalhos (como o auxílio-moradia) para receber acima do piso já classificado de pornográfico.

Estes, então, como a teta que os alimenta é garantida por depósitos judiciais e eles têm o poder de decisão, estão retendo injusta e injustificadamente estes recursos, prejudicando autores de ações judiciais e seus advogados autônomos, somente para garantir ´o seu´ no fim do mês.

Leia na base de dados do Espaço Vital:

Sorria! Você está sendo caloteado


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sucumbência inoportuna

“Se a sentença for prolatada após a edição da Lei nº 13.467, é legal a condenação em honorários de sucumbência para o vencido, ainda que a inicial tenha sido distribuída antes da edição da referida lei”. Artigo da juíza do Trabalho Olga Vishnevsky Fortes

Adoção: um direito que não existe

“Se nada for feito - em face das críticas que vêm sendo feitas ao PLS nº 394/2017, sem que qualquer sugestão seja apresentada para aperfeiçoá-lo - continuará tudo igual: cerca de 100 mil crianças invisíveis, literalmente esquecidas em abrigos”. Artigo de Maria Berenice Dias.

Lamúrias infundadas

“Os desagradáveis e já insuportáveis lamentos do Executivo Federal sobre a tal nomeação de uma deputada para ocupar o Ministério do Trabalho”. Artigo do advogado Antonio Silvestri.

Advogado, você precisa mesmo de um escritório físico?

“Se você está em dúvida entre advogar e prestar concurso público - ou mesmo abandonando o barco porque não aguenta mais as despesas - esqueça o aluguel da sala, as contas de luz, etc. Gente com visão de futuro já carrega seus escritórios na mochila, dispensando o espaço físico”. Artigo do advogado Pedro Custódio (OAB-SP nº 350.531).