Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017

Ética de advogados e juízes



Por João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado (TJ do Espírito Santo) e escritor.

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.

Há deveres comuns aos dois encargos como, por exemplo, o amor ao trabalho, a pontualidade, a urbanidade, a honestidade. Quanto à pontualidade, os advogados são ciosos de que não podem dormir no ponto. Sabem das consequências nefastas de eventuais atrasos. Os clientes podem ser condenados à revelia se os respectivos defensores não atendem ao pregão.

Já relativamente aos juízes, nem sempre compreendem que devem ser atentos aos prazos. Fazem tabula rasa da advertência do grande baiano Rui Barbosa: “Justiça tardia não é Justiça, senão injustiça qualificada.”

Vamos agora aos pontos nos quais deveres de advogados e juízes não são coincidentes.

O juiz deve ser imparcial. É seu mais importante dever, pois é o fiel da balança. Se o juiz de futebol deve ser criterioso ao marcar faltas, ou anular gols, quão mais criterioso deve ser o juiz de direito que decide sobre vida, honra, família, bens.

Já o advogado é sempre parcial, daí que se chama “advogado da parte”. Deve ser fiel a seu cliente e leal na relação com o adversário.

O juiz deve ser humilde. A virtude da humildade só faz engrandecê-lo. Não é pela petulância que o juiz conquista o respeito da comunidade. Angaria respeito e estima na medida em que é digno, reto, probo. A toga tem um simbolismo, mas a toga, por si só, de nada vale. Uma toga moralmente manchada envergonha, em vez de enaltecer.

O juiz deve ser humano, cordial, fraterno. Deve compreender que a palavra pode mudar a rota de uma vida. Diante do juiz, o cidadão comum sente-se pequeno. O humanismo pode diminuir esse abismo, de modo que o cidadão se sinta pessoa, tão pessoa e ser humano quanto o próprio juiz.

A função de ser juiz não é um emprego. Julgar é missão, é empréstimo de um poder divino. Tenha o juiz consciência de sua pequenez diante da tarefa que lhe cabe. A rigor, o juiz deveria sentenciar de joelhos.

As decisões dos juízes devem ser compreendidas pelas partes e pela coletividade. É perfeitamente possível decidir as causas, por mais complexas que sejam, com um linguajar que não roube dos cidadãos o direito de compreender as razões que justificam as conclusões.

Juízes e advogados devem ser respeitosos no seu relacionamento. Compreendam os juízes que os advogados são indispensáveis à prática da Justiça. É totalmente inaceitável que um magistrado expulse da sala de julgamento um advogado, ainda que esse advogado seja impertinente nas suas alegações, desarrazoado nos seus pedidos.

Em algumas situações, a impertinência do advogado não é defeito, mas virtude. Valha-nos a sabedoria popular: “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.”


Comentários

Claudir Martinelli Junior - Advogado 10.10.17 | 11:21:42
Parabéns! Belíssimo artigo.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O processo eletrônico e a transferência de serviços ao advogado

“No ´pacote´ que se oferece aos profissionais da advocacia vem embutido um autêntico ´presente de grego”.  São tarefas que seriam atribuições de um já existente contingente de servidores devidamente habilitados - e remunerados - para exercê-las." Artigo de Edmar Luiz de Oliveira Fabrício.

Charge de Gerson Kauer

Imprensa Vermelha Isenta, tremei!

 

Imprensa Vermelha Isenta, tremei!

O blog Corneta do RW veio para ficar. E o blogueiro Ricardo Wortmann, um autêntico estranho no ninho, veio para fazer história. Não ganhou o Prêmio Press, mas conquistou o TRI da América. Artigo de Lenio Streck, jurista e amante do futebol.

O STF no fundo do poço!

De decepção em decepção o STF vai levando para a cova sua questionada reputação. O ministro Dias Toffoli esteve no domingo (19) no Palácio do Jaburu (encontro fora da agenda) e na seguinte quinta-feira (23) se curvou aos interesses das oligarquias políticas dirigentes. Estas não querem ver restringido o privilégio do foro no STF, posto que fonte segura de impunidade e abrigo da clepto-bandidagem”. Artigo do jurista Luiz Flávio Gomes.

OAB/RS, e-Proc e uma nova era digital

“11 de abril deste ano, data do 85º aniversário da Ordem gaúcha. Em audiência pública, o estopim que relatou dificuldades com o processo eletrônico do TJRS: perdas de prazos, longas horas de sistema travado, documentos não anexados, uma lista de entraves”. Artigo de Ricardo Breier, presidente da OAB-RS.