Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018.

Ética de advogados e juízes



Por João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado (TJ do Espírito Santo) e escritor.

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.

Há deveres comuns aos dois encargos como, por exemplo, o amor ao trabalho, a pontualidade, a urbanidade, a honestidade. Quanto à pontualidade, os advogados são ciosos de que não podem dormir no ponto. Sabem das consequências nefastas de eventuais atrasos. Os clientes podem ser condenados à revelia se os respectivos defensores não atendem ao pregão.

Já relativamente aos juízes, nem sempre compreendem que devem ser atentos aos prazos. Fazem tabula rasa da advertência do grande baiano Rui Barbosa: “Justiça tardia não é Justiça, senão injustiça qualificada.”

Vamos agora aos pontos nos quais deveres de advogados e juízes não são coincidentes.

O juiz deve ser imparcial. É seu mais importante dever, pois é o fiel da balança. Se o juiz de futebol deve ser criterioso ao marcar faltas, ou anular gols, quão mais criterioso deve ser o juiz de direito que decide sobre vida, honra, família, bens.

Já o advogado é sempre parcial, daí que se chama “advogado da parte”. Deve ser fiel a seu cliente e leal na relação com o adversário.

O juiz deve ser humilde. A virtude da humildade só faz engrandecê-lo. Não é pela petulância que o juiz conquista o respeito da comunidade. Angaria respeito e estima na medida em que é digno, reto, probo. A toga tem um simbolismo, mas a toga, por si só, de nada vale. Uma toga moralmente manchada envergonha, em vez de enaltecer.

O juiz deve ser humano, cordial, fraterno. Deve compreender que a palavra pode mudar a rota de uma vida. Diante do juiz, o cidadão comum sente-se pequeno. O humanismo pode diminuir esse abismo, de modo que o cidadão se sinta pessoa, tão pessoa e ser humano quanto o próprio juiz.

A função de ser juiz não é um emprego. Julgar é missão, é empréstimo de um poder divino. Tenha o juiz consciência de sua pequenez diante da tarefa que lhe cabe. A rigor, o juiz deveria sentenciar de joelhos.

As decisões dos juízes devem ser compreendidas pelas partes e pela coletividade. É perfeitamente possível decidir as causas, por mais complexas que sejam, com um linguajar que não roube dos cidadãos o direito de compreender as razões que justificam as conclusões.

Juízes e advogados devem ser respeitosos no seu relacionamento. Compreendam os juízes que os advogados são indispensáveis à prática da Justiça. É totalmente inaceitável que um magistrado expulse da sala de julgamento um advogado, ainda que esse advogado seja impertinente nas suas alegações, desarrazoado nos seus pedidos.

Em algumas situações, a impertinência do advogado não é defeito, mas virtude. Valha-nos a sabedoria popular: “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.”


Comentários

Claudir Martinelli Junior - Advogado 10.10.17 | 11:21:42
Parabéns! Belíssimo artigo.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sucumbência inoportuna

“Se a sentença for prolatada após a edição da Lei nº 13.467, é legal a condenação em honorários de sucumbência para o vencido, ainda que a inicial tenha sido distribuída antes da edição da referida lei”. Artigo da juíza do Trabalho Olga Vishnevsky Fortes

Adoção: um direito que não existe

“Se nada for feito - em face das críticas que vêm sendo feitas ao PLS nº 394/2017, sem que qualquer sugestão seja apresentada para aperfeiçoá-lo - continuará tudo igual: cerca de 100 mil crianças invisíveis, literalmente esquecidas em abrigos”. Artigo de Maria Berenice Dias.

Lamúrias infundadas

“Os desagradáveis e já insuportáveis lamentos do Executivo Federal sobre a tal nomeação de uma deputada para ocupar o Ministério do Trabalho”. Artigo do advogado Antonio Silvestri.

Advogado, você precisa mesmo de um escritório físico?

“Se você está em dúvida entre advogar e prestar concurso público - ou mesmo abandonando o barco porque não aguenta mais as despesas - esqueça o aluguel da sala, as contas de luz, etc. Gente com visão de futuro já carrega seus escritórios na mochila, dispensando o espaço físico”. Artigo do advogado Pedro Custódio (OAB-SP nº 350.531).