Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Em nome do equilíbrio



Por Odson Cardoso Filho, desembargador do TJ-SC e presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses.

As críticas e propostas de controle lançadas contra o Sistema de Justiça, escritas em face de trágico evento ocorrido em Florianópolis, merecem a devida reflexão e diferente abordagem, sobretudo quando precipitadas pela proximidade dos fatos e marcadas pela emoção decorrente do convívio.

Sem adentrar no caso concreto, pois inserido em procedimento judicial em curso, impossível corroborar com a pregação do retrocesso, visando possível submissão da atividade típica de julgar a órgãos correicionais, como conselhos e corregedorias, ou aterrorizá-la com sinalização de sanções.

Nada mais perverso para a democracia do que tolher a independência do juiz, de retirar o reexame das decisões e sentenças dos próprios tribunais com o fim de destinar sua análise a esferas com visão punitiva, tudo sob o rótulo de averiguação ou correção de “abusos”.

De modo semelhante, seria exigir-se o crivo censor para dizer e se expressar nos meios comuns ou pela imprensa, como muitos ainda buscam reintroduzir.

A Constituição da República e a legislação vigente bem moldam a atuação judicial em regras materiais e processuais, especialmente no campo penal e quando se está a tratar da segregação ou a impor a soltura de pessoas, seja nas fases investigativa e instrutória, ou mesmo na execução da pena.

E desse modo agem os membros do Poder Judiciário, aplicando motivadamente as normas em vigor às situações fáticas e com os elementos de prova que são endereçados à sua apreciação em regular processo, e, ainda, com vastos mecanismos de revisão por colegiados até alcançar o Supremo Tribunal Federal.

Esse o proceder no verdadeiro Estado Democrático de Direito, que exige equilíbrio e em que a magistratura brasileira, dentre tantas outras instituições, é importante pilar de sustentação.

Leia na base de dados do Espaço Vital:

Reitor da UFSC é encontrado morto em Florianópolis


Comentários

José Vecchio Filho - Advogado 10.10.17 | 09:38:04
Mas e quando os juízes desbordam dos limites da razoabilidade no exercício de sua 'independência' ?
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Anderson C. Porto

O aprisionamento de ladrões de galinha

 

O aprisionamento de ladrões de galinha

Jamais me deixei impressionar pela jurisprudência de tribunais constituídos politicamente, na alcova da vida de tanta gente que simplesmente não presta”. Artigo de Roberto Wanderley Nogueira, juiz federal em Recife (PE).

Ética de advogados e juízes

Há deveres comuns aos dois encargos como, por exemplo, o amor ao trabalho, a pontualidade, a urbanidade, a honestidade. Quanto à pontualidade, os advogados são ciosos de que não podem dormir no ponto. Já relativamente aos juízes, nem sempre compreendem que devem ser atentos aos prazos”.
Artigo de João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado.

A fábula da leitoa

“Economicamente, o outrora terceiro Estado do país se assemelha a uma leitoa recém parida, que agoniza devido uma zoonose fatal”. O jornalista aposentado Sérgio Becker faz, em sucinto texto, análise sobre a crise que assola o Estado do RS. E alerta sobre a garfada nos depósitos judiciais.

Honorários advocatícios na reforma trabalhista

“O artigo 791-A prevê ao advogado, ainda que atue em causa própria, o pagamento de honorários de sucumbência sobre o valor que resultar da liquidação da sentença, do proveito econômico obtido, ou, não sendo possível mensurá-lo, sobre o valor atualizado da causa”.  Artigo dos advogados Gabriel Cintra e Mylena Devezas Souza.

Moro, Dostoiévski e a esperança

“A condenação do ex-ministro José Dirceu reforçou talvez a esperança de todos nós, brasileiros, na Justiça em nosso país, e a crença de que o Poder Judiciário possa prender os culpados e absolver os inocentes, sem importar o partido a que pertençam.