Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

Em nome do equilíbrio



Por Odson Cardoso Filho, desembargador do TJ-SC e presidente da Associação dos Magistrados Catarinenses.

As críticas e propostas de controle lançadas contra o Sistema de Justiça, escritas em face de trágico evento ocorrido em Florianópolis, merecem a devida reflexão e diferente abordagem, sobretudo quando precipitadas pela proximidade dos fatos e marcadas pela emoção decorrente do convívio.

Sem adentrar no caso concreto, pois inserido em procedimento judicial em curso, impossível corroborar com a pregação do retrocesso, visando possível submissão da atividade típica de julgar a órgãos correicionais, como conselhos e corregedorias, ou aterrorizá-la com sinalização de sanções.

Nada mais perverso para a democracia do que tolher a independência do juiz, de retirar o reexame das decisões e sentenças dos próprios tribunais com o fim de destinar sua análise a esferas com visão punitiva, tudo sob o rótulo de averiguação ou correção de “abusos”.

De modo semelhante, seria exigir-se o crivo censor para dizer e se expressar nos meios comuns ou pela imprensa, como muitos ainda buscam reintroduzir.

A Constituição da República e a legislação vigente bem moldam a atuação judicial em regras materiais e processuais, especialmente no campo penal e quando se está a tratar da segregação ou a impor a soltura de pessoas, seja nas fases investigativa e instrutória, ou mesmo na execução da pena.

E desse modo agem os membros do Poder Judiciário, aplicando motivadamente as normas em vigor às situações fáticas e com os elementos de prova que são endereçados à sua apreciação em regular processo, e, ainda, com vastos mecanismos de revisão por colegiados até alcançar o Supremo Tribunal Federal.

Esse o proceder no verdadeiro Estado Democrático de Direito, que exige equilíbrio e em que a magistratura brasileira, dentre tantas outras instituições, é importante pilar de sustentação.

Leia na base de dados do Espaço Vital:

Reitor da UFSC é encontrado morto em Florianópolis


Comentários

José Vecchio Filho - Advogado 10.10.17 | 09:38:04
Mas e quando os juízes desbordam dos limites da razoabilidade no exercício de sua 'independência' ?
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Renato Peters

Teto desaba na vontade política

 

Teto desaba na vontade política

“O teto constitucional, limitado ao subsídio de ministro do STF, constitui uma norma esvaziada. Os próprios ministros da Suprema Corte são os primeiros a fazê-lo. Quando um deles acumula funções no TSE, passa a perceber verba que excede o teto”. Artigo do advogado Fábio Bittencourt da Rosa.

Cármen Lúcia fechou a roleta do STF

Jornalista Elio Gaspari revela, em artigo, as tentativas feitas por advogados – ao distribuírem ações e petições no Supremo. Os repetidos ajuizamentos, na esperança de que o caso caia nas mãos de um voto amigo. Ciência à OAB do “abuso do direito e defesa”. 

Um voto contra a corrupção

“Quando entra na conta a corrupção da elite político-empresarial, a percepção é muito maior. Pesquisa do Fórum Econômico Mundial colocou o Brasil como o 4º mais corrupto entre 141 países. No ranking de honestidade da Transparência Internacional, que avaliou 180 nações, o Brasil figurou na tímida 96ª posição”. Artigo de Deltan Dallagnol, mestre pela Harvard Law School e procurador da República (coordenador na Lava-Jato).