Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 15 de junho de 2018.

A medalha do nepotismo



AL-RS (Divulgação)

Imagem da Matéria

A 1ª Câmara Cível do TJRS confirmou sentença que cassou a “Medalha do Mérito Farroupilha” - distinção máxima outorgada pela Assembleia Legislativa gaúcha - dada a Armando Luiz Formolo pela sua irmã e então deputada, Marisa Formolo (PT).

Em 21 de janeiro de 2015, dez dias antes de encerrar o mandato, Marisa homenageou 20 membros de sua família numa cerimônia oficial. Após os discursos, o mano Armando recebeu a láurea pela “contribuição ao movimento sindical, ao desenvolvimento do setor vitivinícola e à agricultura familiar da serra gaúcha”. Marisa já sabia que não havia sido reeleita.

No mês seguinte, a advogada Karina Pichsentmeister Palma ajuizou ação popular, fundamentando que “a conduta da deputada feriu a moralidade, banalizando o sentido da percepção das honrarias”.

O julgado que confirmou a sentença compara a premiação absurda “à figura do nepotismo, visto que o agente público se valeu de sua posição de poder para favorecer um ou mais parentes”.

O desembargador Newton Medeiros Fabrício afirma, no acórdão, que “a imoralidade do ato é tão flagrante que chegou a ser objeto de inúmeras reportagens, todas retratando a desconformidade e a indignação da sociedade gaúcha com o ato praticado’’.

A ex-deputada Marisa deverá providenciar na devolução da medalha “revitalizada e polida”, ou não fazendo isso – ressarcir os cofres públicos pelo valor dos gastos. Mas não escapa da sanção crítica feita pela sociedade e pelo Judiciário. (Proc. nº 70072966187).


Comentários

Claudio Garcia - Advogado E Coronel Da Reserva (b.m.) 10.10.17 | 17:00:45

Decisão coerente e juridicamente perfeita do nobre magistrado, contra ato praticado pela deputada Marisa Formolo (PT) que a seu "bel prazer" homenageou e distribuiu medalhas a seus inúmeros familiares.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

As novas formas de censura à imprensa

O jeito que a Igreja Universal para tentar condenar jornalistas que escreveram sobre o patrimônio da congregação religiosa. A advogada Taís Gasparian posicionou-se contra o chamado ‘direito ao esquecimento’, justificativa para que se retirem da internet notícias já publicadas. “É importante para a história e para o futuro que se preservem até os erros”.