Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de setembro de 2018.

Carrinhos, mouses e teclados higienizados!



Chargista Duke – Jornal O Tempo (MG)

Imagem da Matéria

Uma mudança no Código de Defesa do Consumidor – sancionada, na semana passada, de forma discreta pelo presidente Michel Temer -  obriga todo fornecedor de produtos e serviços à higienização de equipamentos colocados à disposição do cliente.

A proposta tramitava desde 2015 e foi apresentada pelo então senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), agora prefeito do Rio de Janeiro. Na justificativa, alegou que “carrinhos de supermercado e mouses e teclados em ´lan houses´ têm muitas bactérias”.

A Lei nº 13.486, de 3 de outubro de 2017, altera o art. 8º da Lei nº 8.078/1990, para acrescer que “o fornecedor deverá higienizar os equipamentos e utensílios utilizados no fornecimento de produtos ou serviços, ou colocados à disposição do consumidor, e informar, de maneira ostensiva e adequada, quando for o caso, sobre o risco de contaminação”.

Detalhe: a nova lei entrou em vigor no dia 3 de outubro, data de sua publicação. Clientes de supermercados e de ´lan houses´ exijam os seus direitos!


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Frustrada tentativa de manipular a jurisdição

STJ define que a desistência da recorrente não impede o julgamento de recurso. Caso envolve a confirmação da condenação de operadora de saúde a fornecer medicamento para o tratamento de câncer e cria um precedente.

Legalidade de multa aplicada à Unimed por negar cobertura de serviço em cirurgia

A operadora se recusava a cobrir os honorários do responsável pela instrumentação.  Acórdão do TRF-4 diz que “foge à normalidade surpreender o usuário submetido a procedimento cirúrgico, com cobrança de honorários de instrumentador, que deve necessariamente estar inserido na equipe médica”.

Quis ganhar no grito, mas desistiu...

A Agência Nacional de Saúde Suplementar conforma-se com a liminar concedida pela presidente do STF. O diretor setorial da ANS, Rodrigo Aguiar, verborragicamente, diz que “a intenção era ampliar as proteções ao consumidor e promover maior bem-estar na sociedade!...