Ir para o conteúdo principal

Terça-Feira, 17 Outubro de 2017

Oito possíveis feriadões no calendário da Justiça Estadual do RS em 2018



O Órgão Especial do TJRS aprovou o calendário de feriados para o ano de 2018 na Justiça Estadual. Além dos feriados nacionais, também não haverá expediente forense nas comarcas do Interior nos feriados definidos em lei municipal.

Os pontos facultativos definidos pelo Poder Executivo não obrigam a observância pelo Judiciário.

Confira as datas: 

1º de janeiro - Confraternização Universal - segunda-feira;
02 de fevereiro - Nossa Senhora dos Navegantes - sexta-feira (*);
12 e 13 de fevereiro – Carnaval – segunda e terça-feira;
30 de março - Sexta-feira Santa – sexta-feira;
* 21 de abril – Tiradentes – sábado;
* 1º de maio - Dia do Trabalho - terça-feira;
* 31 de maio - Corpus Christi - quinta-feira (*)
* 07 de setembro - Independência do Brasil - sexta-feira;
* 20 de setembro - Revolução Farroupilha - quinta-feira;
* 12 de outubro - Nossa Senhora Aparecida - sexta-feira;
* 02 de novembro – Finados - sexta-feira;
* 15 de novembro - Proclamação da República - quinta-feira;
* 08 de dezembro - Dia da Justiça - sábado
* 25 de dezembro – Natal - terça-feira.

(*) Os dias assim indicados são feriados declarados em lei do Município de Porto Alegre.


3049202017.pdf

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como deve ser a promoção dos juízes?

Em caso oriundo do RS, o Supremo reconhece a repercussão geral relativa aos critérios para seguimento na carreira. Juízes gaúchos Cíntia Teresinha Burhalde Mua, Sandro Antonio da Silva, Ana Lúcia Haertel Miglioranza e Cristiane Hoppe sustentam posições divergentes.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Up Imagens

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

 

A absurda aposentadoria como punição máxima para juiz corrupto

Conselheiro do CNJ Henrique Ávila diz que “tribunais são ilhas de poder”. Propõe que a OAB seja chamada “para levar a visão do jurisdicionado e da sociedade como um todo”. Sustenta que “a Loman precisa ser revista com brevidade”. E conclama “a redistribuição de servidores da segunda instância e as respectivas dotações orçamentárias para priorizar a força de trabalho da primeira instância”.