Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017

Advocacia não é atividade de risco



Por considerar que a advocacia não é uma atividade de risco, o TRF da 4ª Região confirmou sentença que negou o pedido do advogado Thiago da Silva Neves (OAB-RS nº 74.955), de Porto Alegre, que solicitava o porte de arma de fogo.

Ele alegou que trabalha com empresas de factoring e pessoas físicas que devem a agiotas – e que a atividade é perigosa, pois os casos lhe são trazidos quando os seus clientes não conseguem mais administrar o problema.

O advogado obteve, em 2016, autorização para aquisição de arma de fogo, após ter se submetido a todos os procedimentos burocráticos/técnicos. No entanto, o pedido para o porte de arma foi indeferido. Foi ajuizado, então, mandado de segurança contra a Delegacia de Controle de Armas e Produtos Químicos e o superintendente regional.

A 2ª Vara Federal da capital indeferiu o pedido. Houve recurso de apelação.  O desembargador federal Luis Alberto d’Azevedo Aurvalle, relator, manteve a sentença.

O interessado na concessão de porte de arma de fogo deve demonstrar a efetiva necessidade da medida em razão do exercício de atividade profissional de risco ou de ameaça à sua integridade física, o que não se justifica, uma vez que o impetrante exerce o ofício da advocacia, atividade que não é classificada como atividade profissional de risco” – afirma o julgado. (Proc. nº 5014337-04.2017.4.04.7100 0 – com informações do TRF-4 e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Giovani Fuhr - Advogado 16.10.17 | 13:01:35
A advocacia em si pode não ser uma profissão de risco. Risco, neste país, é viver.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

AGU quer a revogação da Súmula nº 345 do STJ

Verbete dispõe que “são devidos honorários pela Fazenda Pública nas execuções individuais de sentença proferida em ações coletivas, ainda que não embargadas”. Texto seria contrário ao teor do parágrafo 7º do artigo 85 do novo CPC.