Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Professora de Direito Constitucional diz que “juízes são como jogadores de baseball”



Para a jurista Lee Epstein, renomada professora de Direito Constitucional da Washington University em St. Louis, nos EUA, “juízes deveriam ser vistos como jogadores de baseball, cujo comportamento pode ser explicado com dados e análises estatísticas”. Como exemplo, ela destacou a alta precisão das previsões de votos conservadores para juízes de origem republicana, e de votos liberais para os de origem democrata.

Ela também mostrou a tendência de juízes votarem quando se identificam com alguns grupos de interesse e o impacto da diferença de gênero para as decisões.

Segundo matéria publicada ontem (23) pelo saite JOTA, no evento ´International Dialogues in Constitutional Law´, organizado pelo Grupo Constituição, Política e Instituições, da Universidade de São Paulo, a professora Lee apresentou os principais pontos da pesquisa em comportamento judicial nos Estados Unidos. O texto informativo é do jornalista Guilherme Jardim Duarte, para quem a palestrante “mostrou como ideologia e comportamento estratégico são importantes fatores para explicar questões de dissenso na Suprema Corte americana”.

Segundo o JOTA, “estudos estatísticos podem ser utilizados para entender características das Cortes, como comportamento individual e coletivo de seus membros, vieses em favor de grupos de interesse, diferenças de gênero, e problemas de independência judicial”. Conforme a professora Lee Epstein, “advogados devem conhecer efetivamente o comportamento real dos juízes que vão julgar seus casos – pois apenas conhecer regras e teorias jurídicas não basta”.

Em relação ao Brasil, a professora destacou estudos que buscam encontrar padrões ideológicos de decisão no Supremo Tribunal Federal. Também citou o estudo dos professores da FGV Diego Werneck e Ivar Hartmann que explica o controle de agenda dos processos no Supremo por meio do poder de vista dos ministros.

Leia a matéria completa, diretamente no saite JOTA.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF proíbe a condução coercitiva de réus e investigados

Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança. Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança.

STF cassa censura a publicações jornalísticas

Duas decisões do ministro Luís Roberto Barroso, em reclamações, liberam publicações jornalísticas envolvendo dois governadores. Flexibilidade do conceito de segredo de justiça, quando houver interesse público, inclusive como fator inibidor de transgressões futuras.

Com maioria para o fim do foro privilegiado, STF retoma hoje o julgamento

Cronologia da demora: o julgamento começou em maio de 2017, com o voto do ministro Luís Roberto Barroso, que manteve no Supremo somente processos por crimes ocorridos durante o mandato e relacionados ao cargo. Prosseguiu em novembro, com o voto de Alexandre de Moraes, que deixa no STF apenas os casos ocorridos durante o mandato, ainda que não relacionados ao cargo. Quando estava 8 x 0, então Toffoli pediu vista...