Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017

Súmula do STJ define o que é estupro de vulnerável



A 3ª Seção do STJ aprovou na quinta-feira (25), a Súmula nº 593 que define que “o crime de estupro de vulnerável se configura com a conjunção carnal ou prática de ato libidinoso com menor de 14 anos, sendo irrelevante o eventual consentimento da vítima para a prática do ato, experiência sexual anterior ou existência de relacionamento amoroso com o agente”.

O ministro Felix Fischer, relator, pontuou que a súmula foi editada pela Comissão de Jurisprudência com base em inúmeros procedentes da Corte.

Em um deles, durante julgamento de recurso especial sob o rito dos repetitivos, a 3ª Seção fixou a tese dominante, em agosto de 2015: “Para a caracterização do crime de estupro de vulnerável, previsto no artigo 217-A do Código Penal, basta que o agente tenha conjunção carnal ou pratique qualquer ato libidinoso com pessoa menor de 14 anos. O consentimento da vítima, sua eventual experiência sexual anterior ou a existência de relacionamento amoroso entre o agente e a vítima não afastam a ocorrência do crime”.

Outras duas súmulas

A 2ª Seção do STJ também editou duas novas súmulas. Ainda não numeradas, nem publicadas, devem entrar em vigor na próxima semana.

São elas:

“O Ministério Público tem legitimidade ativa para ajuizar ação de alimentos em prol de crianças e adolescentes”.

• “Instituição de ensino superior responde objetivamente por danos ao não informar previamente da falta de reconhecimento do curso pelo Ministério de Educação”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Mais súmulas do STJ

São duas. Uma trata da obrigação alimentar dos avós. A outra se refere a cláusula abusiva em contratos de planos de saúde.

STJ edita três novas súmulas

Essência dos verbetes já havia sido antecipada pelo Espaço Vital; eles agora ganharam redação definitiva e numeração. O de maior impacto trata do estupro de vulnerável.

Dezesseis novos entendimentos do STJ sobre juizados especiais

Entre eles está a tese que conceitua que causas envolvendo fornecimento de medicamentos ou tratamento médico, cujo valor seja de até 60 salários mínimos - ajuizadas pelo Ministério Público ou pela Defensoria Pública em favor de pessoa determinada - podem ser submetidas ao rito dos juizados especiais federais.