Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.
http://espacovital.com.br/images/jus_colorada_caricatura.jpg

Dirigente dirige, torcedor torce e jogador joga!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O óbvio quando bem dito, no futebol assume ares de sabedoria.

Há frases que não significam absolutamente nada, mas quando ditas e, dependendo da boca de onde saem, se eternizam como irretocáveis, como terminativas. É isso e não se discute mais...

Algumas figuras se notabilizaram no mundo do futebol como frasistas, seja pelas frases que efetivamente disseram, como por aquelas que lhes atribuem a autoria:

• No futebol se ganha, se empata e se perde.

• Clássico é clássico e vice-versa.

• Técnico bom é aquele que não atrapalha.

• O mais perigoso é estar ganhando por 2 a 1.

• Gre-Nal arruma ou desarruma a casa.

• Treino é treino, jogo é jogo.

Mais recentemente fomos alvejados por outro vaticínio:  “O torcedor torce e o dirigente dirige”.

Quando lançada por um ex-dirigente do Internacional, o objetivo foi claramente o de separar e de tipificar as duas atividades, atribuindo ao torcedor o papel de apoiador incondicional e ao dirigente o de condutor despótico, plenipotenciário.

Mais uma retumbante bobagem que ganhou repercussão no mundo do futebol sem a devida reflexão.

O torcedor almejando a vitória do time, torce muito e apoia motivado pela paixão. Entretanto, por tratar-se de paixão, quando se depara com erros, carências e falta de organização do time, deixa de apoiar. O ato de torcer é transformado pela insatisfação, materializando-se na vaia.

Não há paradoxo, mas um nexo dialético de causa e feito continuado que, em consequência, faz o dirigente dirigir bem o clube, acertando o que está errado.

Nesta temporada, disputando o Campeonato Brasileiro da Série B, o Inter teve um péssimo início de temporada, o que se arrastou por todo o primeiro semestre. Ficamos 180 minutos sem chutar uma bola no gol adversário. Uma pobreza agravada pela baixíssima qualidade das equipes que participam da competição.

Pois bem, os torcedores pararam de torcer. Cada partida disputada no Beira-Rio transformava-se em um calvário. A vaia - desprezadas por óbvio as manifestações de vandalismo - ecoava no estádio exigindo iniciativas na proporção da grandeza do clube.

Notadamente os dirigentes não estavam dirigindo bem.  Havia erros gritantes e o primeiro semestre de 2017 que teve início com a perda do Campeonato Gaúcho pelo Inter, foi um fracasso.  Esperávamos um Colorado sobrando na Série B e, ao contrário, sofríamos uma reversão de expectativa.

Não resta dúvida que foi graças à pressão da torcida que os dirigentes buscaram acertar o passo, corrigindo o rumo e praticando aquilo que a torcida exigia.

Logo, uma vez mais, no caso pela voz de um dirigente que não deixa saudades, estamos diante de uma grandiosa estultice fraseada.  Que a sua frase reste sepultada, juntamente com tantas outras trapalhadas promovidas na tormentosa gestão do clube.

Não há atividades ou papéis estanques em um clube de futebol.  O torcedor, razão de ser dos clubes, participa apoiando a equipe, mas exigindo quando necessário mudanças e atitudes. É ele o protagonista que impulsiona a direção a mostrar com o futebol que põe em campo aquilo que a paixão clama.

Talvez a frase deva ingressar no rol daquelas que guarnecem o folclore futebolístico, com a adequação necessária:

Torcedor torce, inclusive quando vaia

e dirigente dirige corrigindo o que está mal,

tudo para que os jogadores joguem bem.

Que venha a Série A em 2018!

>>>>>>>>>>

Dupla Gre-Nal

• Roberto Siegmann (JUS VERMELHA) escreve sempre às sextas-feiras.
Contatos: Roberto@siegmannadvogados.com.br

• Ricardo Wortmann (JUS AZUL) escreve sempre às terças-feiras.
Contatos: CornetadoRW@gmail.com


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O mistério da camiseta branca no mundial

“O futebol também tem como característica a superstição. Quem frequenta o vestiário testemunha jogadores rezando antes do início das partidas e ao final. É um rito constante e que abrange a todos, independentemente do credo religioso. Todos rezam um Pai Nosso e uma Ave Maria, no mínimo”.

A velhice prematura e as especulações para a Copa do Catar

“Neste inverno rigoroso do RS, chega a ser hilário considerar velho alguém no auge dos seus trinta e poucos anos. Mas é a realidade do futebol, esporte que cada vez mais se caracteriza como uma modalidade atlética”.

A sentença condenatória de Neymar

“Quanto às simulações de faltas, não vejo o futebol como uma ilha de virtudes.  Lembro da famosa ´mano de Dios´, do Brasileirão de 2005, dos dirigentes da FIFA, das confederações, dos ´tribunais esportivos´, e das negociatas com as grandes redes de comunicação”...

Um projeto para o Internacional

“O futebol e as miragens. Não é possível o Internacional continuar administrado com métodos superados. Hora de um ponto final às entrevistas fantasiosas que analisam a derrota na base da ficção”.  

Noventa milhões em ação, pra frente Brasil !

“Um time inesquecível, sem cabelos pintados, sem cortes exóticos, sem brincos e sem tatuagens. Apenas excelentes jogadores de futebol. Não sabíamos com quem eram casados, quem eram seus casos amorosos”...

O Sputnik, Laika, Yashim e a Perestroika Vermelha

“No S. C. Internacional, em Porto Alegre - a 12.648 km de distância de Moscou - diante da mudança dos resultados dos jogos, pelo afastamento de algumas figuras carimbadas e como pela contratação de um profissional renomado analogicamente, vivemos uma Perestroika”.