Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.

Suspensos os recursos sobre dano moral em casos de violência contra mulher



A 3ª Seção do STJ determinou o sobrestamento das ações pendentes de julgamento em segundo grau, bem como daqueles com recurso especial em fase de admissão, em que esteja sendo discutida a indenização de dano moral em casos de sentença condenatória por violência praticada contra a mulher em âmbito doméstico.

A suspensão se limita aos recursos já interpostos contra sentenças condenatórias, desde que tragam a alegação de que o pedido de reparação por dano moral deveria constar da denúncia, ou de que tal questão precisaria ter sido debatida durante a instrução criminal.

Os processos com recursos nestas condições ficarão sobrestados até que a 3ª Seção julgue a controvérsia sob o rito dos recursos repetitivos, conforme proposta do ministro Rogerio Schietti Cruz. Ele é relator de dois recursos sobre o assunto que correm em segredo de Justiça.

O tema controvertido, cadastrado sob o nº 983, está assim resumido: “Reparação de natureza cível por ocasião da prolação da sentença condenatória nos casos de violência cometida contra mulher praticados no âmbito doméstico e familiar (dano moral)”.

O relator acentuou que a legislação não fixa um procedimento específico quanto à reparação de natureza cível nesses casos – “o que demanda o estabelecimento de um precedente qualificado, tendo em vista a existência de decisões com pressupostos diferentes para a reparação civil”.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Abjeta exposição do corpo de idosa falecida

TJRS condena a Funerária Venâncio e um seu ex-empregado - este, autor de um estarrecedor ´selfie´ - a indenizarem familiares de pessoa que teve seu corpo nu exposto em grupo de WhatsApp.

Morosidade judicial absurda e abusiva

STJ condena o Estado do Amazonas a indenizar vítimas de delonga jurisdicional excessiva. Em uma ação de execução de alimentos para duas crianças, o despacho inicial de citação do devedor demorou dois anos e meio.

Dano moral em rompimento de noivado

O STJ vai analisar se cabe, ou não, pagamento de reparação financeira por dano extrapatrimonial em caso de cancelamento do casamento programado para data próxima.