Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

A vergonha é que muda a cultura da corrupção



Chargista Nani

Imagem da Matéria

Por Luiz Flávio Gomes, jurista. Criador do Movimento Quero Um Brasil Ético.
carlos@professorlfg.com.br

Os aparatos de manipulação da opinião pública difundem que a corrupção é um fenômeno cultural e que nada se consegue fazer contra ela. Isso é uma grande mentira, que tem por objetivo preservar a roubalheira generalizada dos grandes poderosos que dominam o País.
 
Todo mundo sabe que a corrupção aqui foi implantada sistematicamente com a chegada dos europeus. No dia em que lancei meu livro “O Jogo Sujo da Corrupção” (maio/17), uma jornalista disse que estava impressionada com a atualidade do tema. Eu observei: desde o ano 1.500 esse tema é muito atual. Falei isso porque se sabe que a corrupção aqui se tornou sistêmica depois das caravelas de Cabral.
 
Todos os países que reduziram drasticamente a corrupção nos últimos 50 anos (Hong Kong, Singapura, Ilhas Maurício, Botsuana, Alemanha depois dos anos 90 etc.) combinaram duas coisas: repressão com educação (ensinando, sobretudo, ética).
 
Mas no plano cultural, além da ética, a grande mudança nos costumes (nas tradições) decorre do sentimento de vergonha. Quando todos nós sentirmos vergonha do “jeitinho” e da corrupção, eles começarão a desaparecer.
 
Foi a vergonha (como diz Kwame Antony Appiah) que historicamente eliminou o duelo (tão corriqueiro nos séculos XVII-XVIII), que libertou os pés das chinesas do grupo han (pés que antigamente eram cruelmente amarrados), que colocou fim na imoral escravidão (sendo o Brasil o último a fazer isso nas Américas, em 1888).
 
Há duas décadas as pessoas ainda fumavam nas mesas onde se comia. Hoje tornou-se impossível acender um cigarro onde estamos tomando refeições. Esse é mais um exemplo de que os costumes se alteram.
 
Não é verdade, portanto, que nada se pode fazer para mudar profundamente a cultura da corrupção.
 
Quando todos sentirmos vergonha da corrupção, da divulgação de fatos que revelem sérios desvios de conduta, do ato da prisão, do processo, da condenação e de eventual encarceramento, com certeza deixaremos de ser o 4º país mais corrupto do mundo (depois da Venezuela, Bolívia e Chade), segundo o Fórum Econômico Mundial (Suíça).
 
É fundamental que o corrupto sinta vergonha de ser corrupto, sobretudo diante dos filhos, dos parentes, dos amigos, dos conhecidos. É o fim da impunidade dessa delinquência nefasta que começa a gerar vergonha.
 
Todos temos que ter vergonha, não orgulho, de dizer que “nós não vai (sic) ser preso”, que sintetiza a cultura perversa da impunidade.
 
A vergonha decorrente do império da lei para todos (isso é o correto numa República) constitui ferramenta muito útil para a prevenção da corrupção.
 
Repressão (iniciada pelo mensalão e pela Lava Jato), educação (ética) e vergonha. Nessa trilogia reside a cura para a cultura do “jeitinho” e da corrupção. Nenhum corrupto pode ter orgulho de dizer que sabe como escapar das consequências da lei.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Flexibilidade de pagamento do novo depósito recursal trabalhista

“A Reforma Trabalhista trouxe importante flexibilização no pagamento do depósito recursal pelos empregadores. Isso porque o valor do depósito recursal será reduzido pela metade para entidades sem fins lucrativos, empregadores domésticos, microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte”. Artigo de Ricardo Souza Calcini.

Lei de Proteção de Dados Pessoais aproxima o Brasil dos países civilizados

“Quem controla os dados, controla a vida das pessoas. Por isso o Direito se preocupa com o que as organizações fazem com eles. A nova lei brasileira cria mecanismos para que os indivíduos tenham o controle sobre seus dados, para que possam decidir sobre suas próprias vidas”. Artigo de Demócrito Reinaldo Filho, desembargador do TJ-PE

Charge Correio do Sul

Simplesmente vergonhoso

 

Simplesmente vergonhoso

Editorial do jornal O Estado de S. Paulo:  “Como se não bastasse promover o aparelhamento do Estado nos anos em que esteve no governo federal, o PT postula abertamente que as pessoas indicadas pela legenda continuem a trabalhar em seu benefício”.

"Fomos enganados pela TAP!"

Atenção viajores, acautelem-se! Arquiteta porto-alegrense, que retornou esta semana de Lisboa ao Brasil, conta que ela e o marido compraram passagens TAP mas tiveram, compulsoriamente, que  embarcar num desconhecido avião branco. Sem logotipos e desequipado – nem prefixo tinha - pertence a uma suposta Hi Fly. Alguém conhece?

O arbítrio é a evolução do Direito Penal ?

“A escancarada vulgarização da corrupção em todos os níveis da administração neste país tem justificado a aplicação da lei penal de forma um tanto arbitrária”. Artigo do advogado Fábio Bittencourt da Rosa.