Ir para o conteúdo principal

Edição de Terça-feira, 24 de abril de 2018.

A vergonha é que muda a cultura da corrupção



Chargista Nani

Imagem da Matéria

Por Luiz Flávio Gomes, jurista. Criador do Movimento Quero Um Brasil Ético.
carlos@professorlfg.com.br

Os aparatos de manipulação da opinião pública difundem que a corrupção é um fenômeno cultural e que nada se consegue fazer contra ela. Isso é uma grande mentira, que tem por objetivo preservar a roubalheira generalizada dos grandes poderosos que dominam o País.
 
Todo mundo sabe que a corrupção aqui foi implantada sistematicamente com a chegada dos europeus. No dia em que lancei meu livro “O Jogo Sujo da Corrupção” (maio/17), uma jornalista disse que estava impressionada com a atualidade do tema. Eu observei: desde o ano 1.500 esse tema é muito atual. Falei isso porque se sabe que a corrupção aqui se tornou sistêmica depois das caravelas de Cabral.
 
Todos os países que reduziram drasticamente a corrupção nos últimos 50 anos (Hong Kong, Singapura, Ilhas Maurício, Botsuana, Alemanha depois dos anos 90 etc.) combinaram duas coisas: repressão com educação (ensinando, sobretudo, ética).
 
Mas no plano cultural, além da ética, a grande mudança nos costumes (nas tradições) decorre do sentimento de vergonha. Quando todos nós sentirmos vergonha do “jeitinho” e da corrupção, eles começarão a desaparecer.
 
Foi a vergonha (como diz Kwame Antony Appiah) que historicamente eliminou o duelo (tão corriqueiro nos séculos XVII-XVIII), que libertou os pés das chinesas do grupo han (pés que antigamente eram cruelmente amarrados), que colocou fim na imoral escravidão (sendo o Brasil o último a fazer isso nas Américas, em 1888).
 
Há duas décadas as pessoas ainda fumavam nas mesas onde se comia. Hoje tornou-se impossível acender um cigarro onde estamos tomando refeições. Esse é mais um exemplo de que os costumes se alteram.
 
Não é verdade, portanto, que nada se pode fazer para mudar profundamente a cultura da corrupção.
 
Quando todos sentirmos vergonha da corrupção, da divulgação de fatos que revelem sérios desvios de conduta, do ato da prisão, do processo, da condenação e de eventual encarceramento, com certeza deixaremos de ser o 4º país mais corrupto do mundo (depois da Venezuela, Bolívia e Chade), segundo o Fórum Econômico Mundial (Suíça).
 
É fundamental que o corrupto sinta vergonha de ser corrupto, sobretudo diante dos filhos, dos parentes, dos amigos, dos conhecidos. É o fim da impunidade dessa delinquência nefasta que começa a gerar vergonha.
 
Todos temos que ter vergonha, não orgulho, de dizer que “nós não vai (sic) ser preso”, que sintetiza a cultura perversa da impunidade.
 
A vergonha decorrente do império da lei para todos (isso é o correto numa República) constitui ferramenta muito útil para a prevenção da corrupção.
 
Repressão (iniciada pelo mensalão e pela Lava Jato), educação (ética) e vergonha. Nessa trilogia reside a cura para a cultura do “jeitinho” e da corrupção. Nenhum corrupto pode ter orgulho de dizer que sabe como escapar das consequências da lei.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Lesões corporais culposas graves ou gravíssimas em acidentes de trânsito

O julgador que pretender desprestigiar princípios constitucionais de interpretação em Direito Penal, e aplicar qualificadoras não cristalinamente esclarecidas, estará desrespeitando o princípio republicano da separação dos Poderes”. Artigo do advogado César Peres.

 

Que a voz da mulher seja ouvida!

Na política, as leis que protegem a distribuição de vagas entre candidatas e candidatos são insuficientes e não respeitadas. Há previsão de vagas, mas a visibilidade e os recursos necessários não lhes são alcançados, fazendo com que as candidatas ´morram na praia´, num jogo de faz de conta”.

O código da civilidade e da paz

O juiz diretor do Foro da Comarca de Pelotas, Marcelo Malizia Cabral, conclama os moradores de sua cidade a que “repensem suas condutas e ajam conforme pretende o pacto social, respeitando o próximo e o direito do próximo”.

Chargista Baggi – Jornal de Brasília

Leis que “legitimam” o auxílio-moradia?... Onde estão elas?

 

Leis que “legitimam” o auxílio-moradia?... Onde estão elas?

Um precedente ocorrido no RS e já julgado pelo Supremo em 1987, permite um alerta à sociedade que não tolera o privilégio imoral: as vantagens previstas no art. 65 da LOMAN - entre as quais está o malfadado penduricalho residencial - dependem de leis formais. Dos governadores para ajudar os respectivos juízes estaduais. Do Presidente da República para aquinhoar os juízes federais. Estas leis não existem! Artigo do advogado Marco Antonio Birnfeld (OAB-RS nº 6.477) e jornalista.