Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 23 de outubro de 2018.

Sete maneiras de desestimular a inadimplência nos condomínios



Por Sidney Barletta Júnior, advogado e diretor do Instituto Paulista de Conciliação e Mediação

O número é maior que a população de alguns grandes países do mundo: 59,8 milhões. Essa é quantidade de pessoas que deviam alguma prestação, os chamados inadimplentes, em julho de 2017, segundo a Serasa e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. Entres esse quase 60 milhões de brasileiros, estão aqueles que devem parcelas da taxa condominial.
Em tempos de crise e de desemprego, era esperado que esse valor, de fato crescesse.

O Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP) divulgou, também em julho, que ações por atraso de condomínio haviam crescido 226,5% no último ano. Isso significa que a quantidade de processos judiciais nessa área triplicou em relação a 2016. O órgão pesquisou as ações ajuizadas no TJ de São Paulo e encontrou 6.059 processos; tinham sido 1.856 ações na cidade de São Paulo, no ano passado.

Além da crise econômica, o novo Código de Processo Civil, que começou a vigorar em março passado, agilizou a cobrança judicial e os síndicos passaram a ter uma ferramenta poderosa para ajudá-los no combate à inadimplência para manter o caixa em ordem. No entanto, todos sabemos, a Justiça do Estado e do País sofre com um inchaço nas ações e processos - e, por isso, não consegue acelerar a resolução dos litígios entre condôminos e condomínios.
 
O que fazer, então, se o edifício enfrenta falta de pagamento de taxas condominiais?

Observando bem os fatores que levam à inadimplência e os caminhos tradicionalmente usados para solucionar os casos, encontramos sete alternativas de que síndicos e administradoras podem lançar mão para acabar – ou ao menos minimizar – os atrasos e a falta de pagamento. Vamos a elas:

1. Administração transparente: é preciso expor aos condôminos a situação real das contas. Transparência e seriedade sensibilizam quem age de boa-fé, que é a maioria dos usuários, acreditem. Saber onde seu dinheiro está sendo usado é um fator importante de adesão e de valorização da taxa condominial.

2.  Comunicação: use todos os recursos disponíveis (de cartaz no elevador a mensagem no WhatsApp, passando por newsletter e grupos em redes sociais) para manter os condôminos cientes da situação financeira do edifício. Assim, ninguém pode alegar desconhecimento e todos se sentem mais seguros. A chance de pessoas bem informadas, que entendem as necessidades do condomínio, não atrasarem o pagamento é bem maior. Invista nisso.

3. Reunião curtas – menos discussão, mais metas: assembleias condominiais podem se tornar verdadeiros pesadelos se os condôminos começarem a discordar e a bater boca. Pautas enxutas, com metas e propostas factíveis, costumam funcionar bem e terminam antes que as pessoas percam a paciência. Assuntos de ordem financeira devem ser os primeiros a ser discutidos nesses encontros.

4. Índice de inadimplência: sem citar nomes ou unidades, sem constranger ninguém, é importante que proprietários saibam qual é a taxa de inadimplência do condomínio e conheçam a margem de negociação para esse valor. Se todos estiverem empenhados, a pressão sai das costas do síndico e da administradora e passa a ser uma missão de todos a inadimplência zero.

5. Desconforto: não há nada mais desagradável do que conviver mal com vizinhos. Seja por divergência de opinião ou por conflitos mal resolvidos, evitar essa situação desconfortável é dever e desejo de todos os condôminos. O patrimônio comum e a vida coletiva devem sempre estar acima de opiniões pessoais. Estimule o diálogo entre os proprietários. Quando nos sentimos ouvidos e respeitados, passamos a vestir a camisa e a chance de atrasar o pagamento cai, porque achamos importante contribuir.

6. Mediação: mesmo que o CPC facilite a ação para cobrança da taxa de condomínio, use o recurso em última instância. O comportamento do síndico e da administradora logo é percebido pelos condôminos, que podem ficar refratários a qualquer chamado. Em vez disso, convide o proprietário da unidade devedora para uma conversa, chame para uma sessão de mediação, se ele for mais fechado. Os mediadores profissionais têm técnicas que, respeitosamente, ajudam as partes a chegar num bom acordo.

7. Conciliação: se não tiver jeito e o devedor não estiver muito convencido de que dialogar é importante, convide ele para uma sessão de conciliação numa câmara particular. O atendimento ali é mais rápido que na Justiça tradicional, mais acessível, voluntário (ninguém é obrigado a ir), tem valor legal e pode até ser homologado pelo juiz se necessário.
 
Mas, o mais importante, a cultura de paz e do diálogo é a alma dessas câmaras, o que garante que depois do acordo, os vizinhos poderão continuar se encontrando no elevador sem nenhum constrangimento. E, quem um dia deveu, passa a ser parceiro por ter sido ouvido e ter suas questões acolhidas numa mesa em que ninguém quer ganhar, mas sim, chegar a um resultado satisfatório para todo mundo.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Quem é a vítima?

“O criminoso é o maior capitalista que se conhece. Mas é perverso. (...) Debater violência urbana pressupõe alguns princípios inegociáveis, como o Estado não ser condescendente com o crime, pois isso é uma questão de humanidade para se poder viver em comunidade”. Artigo da juíza Betina Meinhardt Ronchetti, da 1ª Vara Criminal do Foro Alto Petrópolis, Porto Alegre.

“Sempre se fez assim”

“Ora, quem lê editais forenses? Mas essa é  a pergunta errada. A exata é: quem consegue ler os editais?” Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado e ex-presidente do TJRS.

Civilidade, afinidades, perícias e outros aprendizados

“Nos casos de danos morais resultantes de acidentes e doenças do Trabalho, viu-se que o Direito Civil já trata o subtema responsabilidade civil de modo muito diverso que se ensinava nas faculdades nas antepenúltimas décadas do século passado”. Artigo de Ricardo Carvalho Fraga, vice-presidente do TRT-RS.

A divisão sexual do trabalho e seus efeitos sobre as mulheres

“O compartilhamento de tarefas e a alteração de estruturas de produção como fatores de libertação e igualdades sociais”. Artigo de Marilane de Oliveira Teixeira, economista e doutora em desenvolvimento econômico e social.