Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017

Condenação de escritório de advocacia que tratava estagiária como empregada



O descumprimento de qualquer uma das obrigações impostas pela Lei do Estágio faz com que a relação do estudante com o empregador se torne de vínculo de trabalho normal. Nessa linha decisória, a 4ª Turma do TRT da 6ª Região manteve sentença que condenou o escritório Frutuoso Advocacia, de Recife (PE) a pagar verbas trabalhistas à ex-estagiária Lays Andrea Bezerra de Oliveira.
 
A autora da ação pediu o reconhecimento por executar tarefas "fora do escopo do curso de Direito" e porque seu contrato de estágio demorou mais de um ano para ser assinado.
 
Em defesa, o escritório de advocacia sustentou que as atribuições da estagiária eram acompanhar processos, redigir documentos jurídicos, atender clientes e desenvolver atividades relacionadas à advocacia. Para o relator do caso, 
desembargador José Luciano Alexo da Silva, “há provas concretas de uma verdadeira relação empregatícia”. No ponto, o voto destacou a demora na assinatura do Termo de Compromisso de Estágio.
 
O voto deplora que, durante esse período, antes do contrato de estágio, “a estudante esteve vinculada à banca sem acompanhamento pedagógico, ou sem ser avaliada periodicamente pela entidade de ensino”.
 
O escritório foi condenado a pagar verbas previdenciárias e trabalhistas, incluindo horas extras e pela supressão do intervalo de 15 minutos (art. 384 da CLT).
 
O acórdão pontua que “a linha que separa o contrato de estágio do de trabalho é bastante tênue”. Para o julgador, “a diferença está no objetivo educacional da atividade”.
 
O voto teoriza que, “para o estágio estar em conformidade com a lei que o rege, é necessário que sejam respeitados todos os requisitos formais e materiais específicos - sem isso, restará configurada a relação de emprego".
 
O acórdão lembra que o Estatuto da Advocacia e da OAB (Lei nº 8.906/94), ao tratar sobre os estágios, traz, entre outras exigências, “a obrigatoriedade do uso do documento profissional de identificação do estagiário e o credenciamento do setor jurídico na seccional regional da autarquia competente".
 
Não há trânsito em julgado. (Proc. nº 0000842-96.2014.5.06.0001 - com informações do TRT-6 e da redação do Espaço Vital).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

AGU quer a revogação da Súmula nº 345 do STJ

Verbete dispõe que “são devidos honorários pela Fazenda Pública nas execuções individuais de sentença proferida em ações coletivas, ainda que não embargadas”. Texto seria contrário ao teor do parágrafo 7º do artigo 85 do novo CPC.

Advocacia não é atividade de risco

O TRF-4 nega mandado de segurança a advogado gaúcho que – por trabalhar com empresas de factoring e pessoas físicas que devem a agiotas – pretendia o direito a porte de arma de fogo.