Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 17 de Novembro de 2017
http://espacovital.com.br/images/jus_azul_3.jpg

O modus operandi da Imprensa Vermelha Isenta



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Adroaldo Guerra Filho provocou indignação e irritou a torcida do Grêmio no seu comentário pós-jogo em Guayaquil, Equador. A pauta principal na noite gloriosa do Grêmio foi a "difícil renovação do contrato de Luan", quando deveria ser a grande vitória gremista por 3x0.  Este é apenas um exemplo - não o primeiro, nem o último - da forma como age a IVI - Imprensa Vermelha Isenta.

Em 1983, ano da conquista do Mundial, ocorreu o ato mais perverso da Imprensa Vermelha Isenta. Na época não havia internet e os meios de comunicação eram limitados e comandados pelos vermelhos. Em vez de oportunizar ao torcedor tricolor a transmissão da comemoração do título em Tóquio (TV Gaúcha), houve a interrupção surpreendente.

E o que entrou no lugar? Uma entrevista realizada por João Bosco Vaz, gravada dias antes com Renato Portaluppi – o autor dos gols da vitória, ídolo da torcida - abordando o interesse de clubes italianos na sua aquisição. Atitude injustificável que revelou a irritação da IVI com a alegria azul.

O mesmo acontece com as competições de que participa o Tricolor. Vejam agora, na Libertadores de 2017, Pedro Ernesto Denardin começou a classificar a competição "como a de pior nível técnico dos últimos anos". A onda se alastrou e, em plena semana do jogo decisivo das semifinais, os espaços do grupo RBS (IVI da Ipiranga) apresentaram duas matérias diminuindo a força da competição.

Tipo: se ganhar, é coisa pequena...

E o jornalista Diego Olivier? Pasmem! Apenas 24 horas após a classificação do Grêmio para a final da Libertadores revolveu do baú a história da compra da Arena. Mas isso não foi suficiente: 48 horas depois começaram a vender o Arthur.

Já na beira do Guaíba, com o "clube dos vermelhos", é diferente. Tudo é maior do que é! Parece manchete de jornal italiano: "Tutto più (più grande, più meglio, più bello)".

Quando o Inter disputou a Libertadores em 2015, a IVI referiu-se à competição como a "Libertadores dos Gigantes" ou "Libertadores de Grande Nível". A certeza da vitória era tão firme que o jornalista Meneghethi, do grupo Bandeirantes, assumiu que era torcedor fanático com o cântico: “Vamu vamu, Inter". Deram-se mal, perderam.

Quando o Inter vence, seja qual for o campeonato, a cobertura é exaustiva, são dias de transmissão, reprises e entrevistas.

Aguardem! Se os vermelhos vencerem a Segundona (ou “Brasileiro Série B” – conforme codinome aplicado pela IVI), os vermelhos serão exaltados!

A IVI é previsível desde os anos 40. É imbatível! Nenhuma imprensa esportiva do mundo a supera! A charge que ilustra este meu artigo de hoje retrata bem o que penso da Imprensa Vermelha Isenta.

Dupla Gre-Nal

• Ricardo Wortmann (JUS AZUL) escreve sempre às terças-feiras.
Contatos: CornetadoRW@gmail.com    

• Roberto Siegmann (JUS VERMELHA) escreve sempre às sextas-feiras.
Contatos: Roberto@siegmannadvogados.com.br


Comentários

Roberto Naime - Geólogo 10.11.17 | 16:52:30
Quem conheceu os "mandarins" sabe da importância do RW...
Lenio Luiz Streck - Advogado 10.11.17 | 08:52:25
Ricardo tem toda a razão. Parabéns pela coluna e pelo conteúdo. A IVI é a jabuticaba dos pampas. Basta ver o artigo que Leandro Behs, um ativo IVISTA (da IVI da IPIRANGA) escreveu, comparando os numeros da Série B com a  A. Diz que o Inter estaria na Libertadores se fosse na A. Se estivesse, cara pálida... Se... Pois eu seria milionário se eu tivesse 5 milhões de dólares. Se o Inter estivesse... Se a minha tia tocasse banjo...E se a imprensa fosse isenta...! Perderam o pudor! Simples assim!
Cleiton Wagner - Desenvolvedor 09.11.17 | 09:39:21
Daison, meu caro. Estamos "do mesmo lado", caso a minha postagem anterior tenha deixado alguma dúvida. Acompanho o Ricardo Wortmann há algum tempo, e sei que és um grande amigo e colaborador do mesmo. Grande abraço e abaixo o SINPOF!
Daison Carion Quadros Sant Anna - Radialista 07.11.17 | 23:40:17
Caro leitor Cleiton Wagner, o Ricardo Wortmann "apenas" registra a DIFERENÇA com que a I.V.I. trata os acontecimentos da dupla Gre-Nal. E está provando que existe a I.V.I.. Não é opinião do RW e sim informação...
Roberto Naime - Geólogo 07.11.17 | 17:13:46
Parabéns pela eterna resistência...
Adilson José Brugnara - Advogado 07.11.17 | 15:11:31
Amigo, time grande não cai! Passa pela série B, e mesmo sofrendo com tudo que é inerente à série disputada, como árbitros, estádios, clubes e jogadores desta série, já está classificado com cinco rodadas de antecedência. Cair é precisar de ajuda da CBF pra voltar; Cair é voltar sem se classificar; Cair é sucumbir, aliás, morre o "imortal" seguidamente, como morrerá nos próximos dias. Já o colorado, reconheço, é uma má fase. Já voltamos, e ainda estamos na frente.
Garry C. De Almeida - Advogado 07.11.17 | 13:58:55
O que realmente me surpreende não é o fato, notório, da falta total de isenção e de equidade da maioria dos jornalistas esportivos da RBS, mas sim , s. m. j., o descaso da direção dessa potente empresa. Afinal, será que toda a diretoria da RBS está de acordo com esse posicionamento de seus comandados? Nós, gremistas, queremos igualdade de tratamento e consideração. Chega de provicianismo esportivo!
Cleiton Wagner - Desenvolvedor 07.11.17 | 12:02:54
Inacreditável que um espaço acessado por pessoas da nobre área do Direito tenham tanta dificuldade na interpretação dos textos. O RW não está criticando/comentando sobre o Internacional, e sim sobre a IMPRENSA. Sobre o M.O. distinto que ela tem na cobertura dos times da dupla. E falar em "secadores" com o time esperneando na série B é dose pra mamute.
Roque A. Andres - Administrador 07.11.17 | 10:59:03
O autor dos comentários gremistas (?) é o legítimo representante de uma terceira força (talvez já a primeira ou segunda que se formou no estado: os anti-colorados). Os antigos gremistas torcem secundariamente pelo Grêmio; são em primeiro lugar secadores. E o sr. Ricardo Wortmann é um dos seus porta-vozes. Todos os comentários que escreveu nesse espaço giraram mais em torno do Inter do que do Grêmio ao contrário do Siegmann que só falou do Inter.
Claudio Lorenzoni - Bacharel 07.11.17 | 10:36:28
Mimimi !
Paulo Rodrigues De Freitas Faraco - Advogado 07.11.17 | 09:54:18
Não tenho dúvidas da falta de isenção da imprensa gaúcha em relação à dupla Gre-Nal. O artigo é realista e poderia ter explorado muito mais casos desta distorção. Mas, quando se deparam com esta realidade, muitos dizem que é choro de gremista. Não cabe mesmo ficar se lamuriando, mas é bom que se saiba que não há uma imprensa isenta. Parabéns ao titular da Jus Azul!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

As nádegas vermelhas decisivas para o campeonato gaúcho

Para interferir no desfecho da competição de 1973, a IVI – Imprensa Vermelha Isenta (que já era eficiente naquela época...) tramou a exibição de uma foto do zagueiro Figueroa completamente pelado. Moralista, o então presidente da FGF, Rubens Hofmeister, paralisou o campeonato. Era a estratégia de que o Inter precisava.

O perigo no Equador é o ´SINPOF´

“A ´tática´ de privilegiar um empatezinho em 0 x 0, em jogos do Grêmio fora da Arena, sempre deu errado. Mas os ativistas seguem profetizando este jeito amedrontado que ofende os torcedores apaixonados pelo time”.