Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Um “agrado” para 37 mil autoridades



Ao contrário do que magistrados propagam e muita gente imagina (e acredita!), os processos eletrônicos ainda não desafogaram a Justiça brasileira. É verdade que recente estudo do CNJ apontou que as ações e recursos judiciais sem papel já representam 70% dos novos casos.

Mas o índice de congestionamento - de 2009 a 2016 – subiu de 70 % para 73%. Em outras palavras: os foros e os tribunais brasileiros continuam demorando muito a solucionar as crescentes demandas. Estamos a caminho de ver as tartarugas forenses tradicionais (misto de casco rígido casco e papel flexível) substituídas por tartarugas forenses eletrônicas. Estas são mais difíceis de ser enxergadas do que as que ficam em incômodas e cumulativas pilhas.

Na linha do tópico aí de cima (demora, outros interesses, etc.) parece que o STF perdeu o foco em fixar limites para o direito ao foro privilegiado. Depois de muitos debates, este ano, no Congresso e no Judiciário, os refletores se apagaram e os atores sumiram de cena.

Liberada para julgamento desde 25 de setembro, a ação não entrou na pauta da Corte em outubro e está sem previsão para novembro.

E todos sabemos que em 20 de dezembro vem o recesso, que avança em janeiro; depois o Carnaval (10 a 14 de fevereiro), a Copa do Mundo (14 de junho a 15 de julho), as eleições (1º turno, 2 de outubro; 2º turno, dia 30).  

A disforme e gigantesca tartaruga de várias faces agrada muitas das 37 mil “autoridades” brasileiras que desfrutam desse abominável conforto legal no País.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Diogo

Eliana Calmon conhece bem o Judiciário – e está com medo

 

Eliana Calmon conhece bem o Judiciário – e está com medo

Em entrevista ao Brazil Journal, a ex-corregedora nacional de justiça fala sobre o STF, corporativismo, a “louca Justiça do Trabalho”, bandidos de toga, CNJ, etc. Temerosa da próxima gestão de Dias Tóffoli na presidência do Supremo, Eliana assegura haver promiscuidade do Judiciário com a classe política. “Mas não foi o PT que inventou isso. O PT aprofundou todas essas mazelas estatais colocando-as a serviço do poder de um partido”.

Charge Humor Político

O rachão do Supremo

 

O rachão do Supremo

Em criativa matéria de página inteira, o jornalista Diego Escosteguy apresentou esta semana, em O Globo, uma análise – tal qual time de futebol – dos onze ministros do Supremo. O atual “trio de ouro” é formado pelo goleiro Gilmar, pelo zagueirão Lewandowski e pelo volante Toffoli. Nas arquibancadas, torcedores voltaram a pedir a saída da metade do time titular – que, não raro, muda o resultado no tapetão.