Ir para o conteúdo principal

Edição terça-feira , 14 de agosto de 2018.

Julgamento do ex-presidente da CBF começa em Nova Iorque



GLB / Google Imagens

Imagem da Matéria

Começou ontem (6) o introito de escolha dos jurados que decidirão se o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, deve ou não ser condenado por acusações de vários crimes, como o de receber suborno em contratos de marketing da Copa do Brasil e de aceitar recursos ilegais de negociações de direitos de televisão de torneios da Copa América.

"Esta semana será dedicada para a escolha de jurados. Temos insistido que nosso cliente não é culpado" – disse o advogado Júlio Barbosa, um dos defensores de Marin. O ex-presidente da CBF está em prisão domiciliar em Nova Iorque há dois anos, onde espera seu julgamento.

Marin chegou por volta das 9 horas (horário local) na Corte do Distrito Leste de Nova York acompanhado de seus defensores. Ele aparentava tranquilidade, acenou para os jornalistas e não deu declarações.

Às 10h10, a juíza Pamela Chen iniciou a sessão, resumindo os procedimentos que serão adotados nesta semana para a escolha de 12 jurados e cerca de seis suplentes, dentre uma relação de 240 nomes.

A juíza determinou que os trabalhos sejam retomados amanhã (8) às 10 horas, com a presença de Marin e de outros dois acusados: Manuel Burga, ex-presidente da Federação Peruana de Futebol, e Juan Angel Napout, ex-vice presidente da Fifa.

O julgamento propriamente dito está previsto para começar na próxima segunda-feira (13) e pode durar seis semanas.

Ao sair do tribunal, Marin foi cercado por manifestantes – entre eles, Moisés Campos de Lima, ex-funcionário da CBF, e Valmir Alves Diniz, tenente da PM do Rio de Janeiro - que abriram uma faixa que concitava em letras vermelhas em inglês: "EUA, ajude-nos a prender os brasileiros corruptos da nossa administração do futebol. Cadeia neles!"

Enquanto José Maria Marin se dirigia para o carro, Moisés gritava que deveriam ser presos ele, Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF e Marco Polo Del Nero, atual presidente da entidade.

Moisés disse que ele e os que querem a prisão de Marin se deslocaram aos EUA às suas próprias expensas. Ouvidos por jornalistas, Moisés informou ter sido entregue à juíza Pamela Chen “um dossiê com informações do Ministério Público Federal na qual são apontados os ilícitos cometidos pelo senhor Marin".


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Imagem Euronews

Rede de cafeterias fechará 8 mil lojas por um dia

 

Rede de cafeterias fechará 8 mil lojas por um dia

A Starbucks não abrirá ao público no dia 29 de maio, para um treinamento que envolverá 120 mil funcionários, nos EUA. Objetivo: conscientização para evitar racismo e reações despropositadas contra clientes e pessoas inocentes. Precedente é lembrado em sentença gaúcha que condenou a rede Zaffari por dano moral contra três adolescentes negros.

O pior caso de gonorreia do mundo espanta os médicos

Um estudante universitário do Reino Unido – que estava em um relacionamento estável - contraiu a infecção em um caso extraconjugal, quando viajou à Ásia. Antibióticos empregados não conseguem deter a evolução da doença.