Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 23 de outubro de 2018.

Indenização de R$ 52 mil para o presidente do TJRS



Arte de Camila Adamoli sobre foto divulgação MP-RS

Imagem da Matéria

O STJ manteve indenização (valor nominal de R$ 30 mil) que será paga pelo advogado e vereador Adeli Sell (PT) ao presidente do TJRS, desembargador Luiz Felipe Silveira Difini. Este foi alvo de críticas – proferidas pelo político - em um programa da Rádio Gaúcha, em janeiro de 2013, que debatia o incêndio da boate Kiss e a reabertura, anos antes, de uma outra casa noturna em Porto Alegre (boate Ice, na Rua Mariland, em Porto Alegre), beneficiada por uma liminar judicial.

Neste caso precedente, a decisão para a abertura da casa noturna foi do magistrado Difini. O vereador Adeli – entrevistado pela jornalista Rosane de Oliveira -  fez um “gancho” comparando os dois casos.

Há uma outra ação – sobre a mesma quizila – ajuizada pelo desembargador contra a jornalista e o jornal Zero Hora, com resultado positivo para o autor, que já supera os R$ 300 mil e que ora se encontra em grau de recurso especial no STJ.

O juiz Paulo César Filippon, ao sentenciar a ação de Difini contra Adeli tinha considerado R$ 10.860,00 (equivalente, à época, a 15 salários mínimos) "suficiente para aplacar o sofrimento do autor e penalizar o agir inconveniente e descortês do demandado".  

A 9ª Câmara do TJRS aumentou a reparação financeira e modificou o marco inicial dos juros legais, a serem contados da data das ofensas.  Pelos comandos do julgado estadual – mantidos pelo STJ – a condenação chega a R$ 52.105 (cálculo extraoficial), mais reembolso das custas e a honorária sucumbencial (20%) de R$ 10.421.

Para o Superior, houve “narração dos fatos com abuso do direito de informar”, assim ocorrendo “afronta aos direitos de personalidade”.

Em nome do magistrado autor da ação atua sua esposa Maria José Schmitt Santanna. Atualmente advogada, ela é desembargadora aposentada do TJRS. (Agravo em REsp nº 1.053.145).

A demanda: Luiz Felipe Silveira Difini X Adeli Sell

· Leia a íntegra da sentença.
· Leia a íntegra do acórdão da 9ª Câmara Cível do TJRS.
· Leia a decisão do STJ.


Comentários

Claudio Garcia - Advogado E Coronel Da Reserva (b.m.) 09.11.17 | 16:03:12

É uma pena compatível com os danos causados ao magistrado. Ocorre, que os políticos e, notadamente, os do Partido dos Trabalhadores (PT) se acham acima da lei e que podem fazer e dizer tudo o que lhes convém.

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Abjeta exposição do corpo de idosa falecida

TJRS condena a Funerária Venâncio e um seu ex-empregado - este, autor de um estarrecedor ´selfie´ - a indenizarem familiares de pessoa que teve seu corpo nu exposto em grupo de WhatsApp.

Morosidade judicial absurda e abusiva

STJ condena o Estado do Amazonas a indenizar vítimas de delonga jurisdicional excessiva. Em uma ação de execução de alimentos para duas crianças, o despacho inicial de citação do devedor demorou dois anos e meio.

Dano moral em rompimento de noivado

O STJ vai analisar se cabe, ou não, pagamento de reparação financeira por dano extrapatrimonial em caso de cancelamento do casamento programado para data próxima.