Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.

Prévia da Ajuris sinaliza tendência de vitória de Carlos Duro nas eleições do TJRS



Uma prévia realizada pela Associação dos Juízes do RS – à qual poderiam ter comparecido 140 desembargadores, mais 650 juízes e pretores – mas que teve quórum baixo (180 votantes), demonstrou uma tendência em favor da chapa situacionista às próximas eleições do TJRS. A votação oficial ocorrerá no dia 19 de dezembro.

Foram 119 votos simulados para o grupo integrado pelos desembargadores Carlos Eduardo Zietlow Duro (candidato a presidente), Maria Izabel Azevedo Souza (1ª vice), Almir Porto da Rocha Filho (2º vice), Túlio Martins (3º vice) e Denise Oliveira Cezar (corregedora-geral).

A outra chapa tem como candidata à presidência a desembargadora Liselena Robles Ribeiro. Os demais integrantes são Marco Aurélio Heinz (1º vice), Manoel Martinez Lucas (2º vice), Isabel Dias Almeida (3ª vice) e Paulo Roberto Lessa Franz (corregedor-geral).

A prévia não tem valores estatísticos, mas é mero sinalizador de uma tendência. O sistema é semelhante a uma enquete, em que aparece para votar apenas quem quer.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Por “uma Justiça melhor”, Brasil sediará a 9ª Conferência da IACA

Será de 16 a 19 de setembro em Foz do Iguaçu. “Tolerância zero para a corrupção” é um temas do evento. Presidente da Suprema Corte da Suécia fará a conferência de abertura. Brasileiro Sérgio Moro palestrará sobre “Combate permanente à corrupção no mundo”.

Magistrados podem, ou não, julgar ações em que haja atuação de familiares?

A AMB busca, em ADIn, a inconstitucionalidade do art. 144 do CPC. Este dispõe que há impedimento do juiz em ação “em que figure como parte cliente do escritório de advocacia de seu cônjuge, companheiro ou parente, consanguíneo ou afim”. Em rebate, a AGU sustenta a constitucionalidade do dispositivo.