Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.

Prisão para imediato início do cumprimento da pena, após júri em Pelotas



O Tribunal do Júri da Comarca de Pelotas condenou nessa quinta-feira (23), o réu Leonel Chagas Rodrigues, a 11 anos de prisão por homicídio. O condenado teve prisão decretada de imediato, para a execução da pena, que cumprirá em regime inicialmente fechado.

O crime ocorreu na noite de 9 de dezembro de 2012, no Loteamento Santa Cecília, em Pelotas. O réu, utilizando uma arma de fogo, matou a vítima Alex Sandro Borges de Souza com diversos disparos.

Nos momentos precedentes, o réu Leonel Chagas Rodrigues foi à residência de Alex e realizou um disparo com a arma na intenção de matá-lo. A vítima fugiu para a casa da irmã, onde foi acionado o socorro da SAMU. Enquanto aguardavam o atendimento, o réu foi até lá e desferiu novos disparos contra a vítima, fugindo a seguir. A vítima foi socorrida no Pronto Socorro Municipal, onde morreu pouco depois.

Na sentença, o juiz Marcelo Malizia Cabral destacou que "a decisão foi baseada em diversos critérios analisados, entre os quais a conduta social desajustada e por já ter outra condenação por crime de roubo, além de personalidade violenta, por praticar crime violento". O motivo para o crime foi vingança, pois a vítima teria praticado anterior crime de furto na residência do réu (Proc. nº 022/2.13.0001105-5).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

 

Denunciados três advogados de grupo que planejava morte de juiz, policiais e testemunhas

Magistrado Felipe Keunecke de Oliveira estava na mira para ser morto numa das suas habituais idas à sede náutica do União, ou antes de um grande jogo noturno na Arena do Grêmio. A juíza do regime de exceção da Vara Criminal do Foro Regional do Alto Petrópolis em Porto Alegre – embora sem deferir a prisão dos advogados acusados – proibiu-lhes o exercício da profissão, o que já foi comunicado à OAB-RS. Leia também e-mail enviado, ao Espaço Vital, pela magistrada Betina Meinhardt Ronchetti, titular da vara mencionada.