Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017

Prisão para imediato início do cumprimento da pena, após júri em Pelotas



O Tribunal do Júri da Comarca de Pelotas condenou nessa quinta-feira (23), o réu Leonel Chagas Rodrigues, a 11 anos de prisão por homicídio. O condenado teve prisão decretada de imediato, para a execução da pena, que cumprirá em regime inicialmente fechado.

O crime ocorreu na noite de 9 de dezembro de 2012, no Loteamento Santa Cecília, em Pelotas. O réu, utilizando uma arma de fogo, matou a vítima Alex Sandro Borges de Souza com diversos disparos.

Nos momentos precedentes, o réu Leonel Chagas Rodrigues foi à residência de Alex e realizou um disparo com a arma na intenção de matá-lo. A vítima fugiu para a casa da irmã, onde foi acionado o socorro da SAMU. Enquanto aguardavam o atendimento, o réu foi até lá e desferiu novos disparos contra a vítima, fugindo a seguir. A vítima foi socorrida no Pronto Socorro Municipal, onde morreu pouco depois.

Na sentença, o juiz Marcelo Malizia Cabral destacou que "a decisão foi baseada em diversos critérios analisados, entre os quais a conduta social desajustada e por já ter outra condenação por crime de roubo, além de personalidade violenta, por praticar crime violento". O motivo para o crime foi vingança, pois a vítima teria praticado anterior crime de furto na residência do réu (Proc. nº 022/2.13.0001105-5).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogado gaúcho é réu em processo sobre falsificação de documentos

A denúncia é de que ele e outra pessoa falsificaram 42 procurações em que figuravam, como outorgantes, delegados de polícia, conferindo poderes para retirar contracheques. Estes serviriam para calcular o valor de honorários sucumbenciais em ações patrocinadas pelo denunciado como advogado da ASDEP.

Jornal El Mundo

Lá vai ele!...

 

Lá vai ele!...

Réu confesso, o diplomata espanhol Jesus Figón Leo, acusado de matar a facadas, em Vitória (ES), sua esposa, a brasileira Rosemary Justino Lopes, poderá deixar o Brasil. Decisão é do STJ.

Robinho: pena de 9 anos por violência sexual na Itália

A condenação alcança o atleta brasileiro e outros cinco homens. Segundo o julgado, “os acusados abusaram das condições de inferioridade psíquica e física da pessoa agredida, que havia ingerido substâncias alcoólicas, com meios insidiosos e fraudulentos, de forma que bebeu até ficar inconsciente e sem condições de se defender".