Ir para o conteúdo principal

Edição sexta-feira , 20 de julho de 2018.

Prisão para imediato início do cumprimento da pena, após júri em Pelotas



O Tribunal do Júri da Comarca de Pelotas condenou nessa quinta-feira (23), o réu Leonel Chagas Rodrigues, a 11 anos de prisão por homicídio. O condenado teve prisão decretada de imediato, para a execução da pena, que cumprirá em regime inicialmente fechado.

O crime ocorreu na noite de 9 de dezembro de 2012, no Loteamento Santa Cecília, em Pelotas. O réu, utilizando uma arma de fogo, matou a vítima Alex Sandro Borges de Souza com diversos disparos.

Nos momentos precedentes, o réu Leonel Chagas Rodrigues foi à residência de Alex e realizou um disparo com a arma na intenção de matá-lo. A vítima fugiu para a casa da irmã, onde foi acionado o socorro da SAMU. Enquanto aguardavam o atendimento, o réu foi até lá e desferiu novos disparos contra a vítima, fugindo a seguir. A vítima foi socorrida no Pronto Socorro Municipal, onde morreu pouco depois.

Na sentença, o juiz Marcelo Malizia Cabral destacou que "a decisão foi baseada em diversos critérios analisados, entre os quais a conduta social desajustada e por já ter outra condenação por crime de roubo, além de personalidade violenta, por praticar crime violento". O motivo para o crime foi vingança, pois a vítima teria praticado anterior crime de furto na residência do réu (Proc. nº 022/2.13.0001105-5).


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Relator da Lava Jato confirma revogação da decisão que mandava libertar Lula

“A qualidade que se auto atribui o ex-presidente não tem nenhuma propriedade intrínseca que lhe garanta qualquer tratamento jurídico diferenciado, ou que lhe assegure liberdade de locomoção incondicional” – escreveu o desembargador João Pedro Gebran Neto. Revogadas todas as decisões proferidas pelo plantonista Rogério Favreto.

STJ nega novo habeas corpus interposto em favor de Lula

Após o conflito jurisdicional do domingo, houve o ingresso de 146 HCs na corte superior. Presidente Laurita Vaz diz que a decisão do plantonista Rogério Favreto, do TRF-4, foi “inusitada e teratológica”.