Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017

STJ suspende execução provisória da pena de condenado no RS



O ministro Reynaldo Soares da Fonseca, do STJ, concedeu ontem (23) liminar para suspender a execução provisória da pena de prisão de um condenado pelo TJRS. O recorrente Fabrício José Borges terá o direito de aguardar em liberdade o julgamento de mérito do habeas corpus impetrado no STJ contra acórdão da 3ª Câmara Criminal do tribunal gaúcho, ante “indícios de ilegalidade” na decisão que autorizou a imediata prisão do acusado. Ele respondeu ao processo todo em liberdade.

A condenação no júri popular, realizado na comarca de Erechim, foi por homicídio qualificado. A pena de 13 anos de prisão, em regime inicial fechado, foi fixada pelo juiz Marcos Luis Agostini. O réu confessou o crime. (Proc. nº 013/2.09.0003377-0).

O acórdão do TJRS (proc. nº 70075655266) negando, por maioria, o HC da defesa mencionou decisão da 1ª Turma do STF de que não viola o princípio da presunção de inocência ou da não culpabilidade a execução provisória da condenação pelo Tribunal do Júri, independentemente do julgamento da apelação ou de qualquer outro recurso.

Tal precedente é de relatoria do ministro Luís Roberto Barroso, em consonância com o entendimento majoritário da corte ao permitir o cumprimento antecipado da pena.

O ministro Reynaldo, do STJ, refere na liminar que os votos dos membros da 1ª Turma do STF não acompanharam, expressamente, a tese jurídica sustentada por Barroso, relembrando como cada ministro votou no caso. “Não há notícia, aliás, de qualquer precedente da 2ª Turma ou do Plenário do STF que proclamem a diretriz, apesar do brilhantismo da tese sustentada pelo ministro Barroso, exemplo acadêmico e de magistrado brasileiro” - afirmou Reynaldo.

O ministro sustenta que, apesar de eventuais recursos especial e extraordinário não serem dotados de efeito suspensivo, a jurisdição das instâncias ordinárias, “soberana na apreciação das provas”, ainda não foi encerrada no caso concreto porque o TJRS ainda não julgou recurso de apelação.

Reynaldo ressaltou que o tribunal estadual “pode proclamar que a decisão soberana do júri é manifestamente contrária às provas dos autos”.

Detalhe do processo é que o réu condenado admitiu a autoria do homicídio, tanto que a sentença de condenação menciona estar “configurada a atenuante da confissão, diante do teor dos interrogatórios do acusado, que admitiu a prática do fato, na forma do artigo 65, inciso III, alínea “d”, do Código Penal”. (RHC nº 92.108).

Leia a íntegra da liminar concedida no STJ


Comentários

Alexander Luvizetto - Advogado 24.11.17 | 19:14:30
A presunção de inocência até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória é uma ficção arcaica e falida. Ela deu errado no Brasil. Se uma decisão judicial terminativa, ainda que recorrível, já analisou prova e defesa e condenou o réu, que diachos há de se falar em presunção de inocência?! Essas ficções jurídicas que se sustentam em teses filosóficas velhas e rançosas nos fazem um dos campeões de impunidade e, consequentemente, um dos países mais violentos do mundo.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Advogado gaúcho é réu em processo sobre falsificação de documentos

A denúncia é de que ele e outra pessoa falsificaram 42 procurações em que figuravam, como outorgantes, delegados de polícia, conferindo poderes para retirar contracheques. Estes serviriam para calcular o valor de honorários sucumbenciais em ações patrocinadas pelo denunciado como advogado da ASDEP.

Jornal El Mundo

Lá vai ele!...

 

Lá vai ele!...

Réu confesso, o diplomata espanhol Jesus Figón Leo, acusado de matar a facadas, em Vitória (ES), sua esposa, a brasileira Rosemary Justino Lopes, poderá deixar o Brasil. Decisão é do STJ.

Robinho: pena de 9 anos por violência sexual na Itália

A condenação alcança o atleta brasileiro e outros cinco homens. Segundo o julgado, “os acusados abusaram das condições de inferioridade psíquica e física da pessoa agredida, que havia ingerido substâncias alcoólicas, com meios insidiosos e fraudulentos, de forma que bebeu até ficar inconsciente e sem condições de se defender".