Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira, 19 de outubro de 2018.

O advogado, a juíza e o galo eficaz



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

É época de uma grande feira de tecnologia agropecuária e agroindustrial. Um advogado (também exitoso fazendeiro e ágil criador e exportador de galinhas) está junto ao balcão do sensato bar do hotel cinco estrelas, empunhando uma taça de champanhe.

De repente, vê aproximar-se uma juíza – conhecida dele - que denotava felicidade.

Cumprimentam-se e, cavalheiresca e respeitosamente, o advogado oferece uma taça à dama, justificando:

- Hoje é um dia especial para mim como criador, por isso estou comemorando.

- Para mim também é um dia especial. Vou celebrar também, pois meu marido e eu vínhamos tentando ter um filho e, há menos de uma hora, a minha ginecologista confirmou que estou grávida – diz a jovem magistrada, acedendo.

- Coincidência! – exclama o advogado. Sou criador de galinhas e elas não eram férteis. Mas passaram a pôr ovos fertilizados.

- Parabéns, doutor! E como foi que suas galinhas ficaram férteis? – questiona a dama.

- Eu usei galos diferentes – informa o advogado.

A juíza sorri, aceita brindar e reticente arremata:

- Que coincidência!...


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

A primeira vez da juíza

 

A primeira vez da juíza

Literalmente a magistrada foi só, em seu próprio automóvel, para conhecer a casa onde aconteciam os embates de Eros, o deus do amor. Sem demora, numa suíte temática, ela constatou que a vedação acústica tinha problemas. O original caso teve desdobramentos no tititi da “rádio-corredor” da subseção da OAB local.

Charge de Gerson Kauer

A sogra, ou a soga?

 

A sogra, ou a soga?

“A ação de usucapião ajuizada no foro de cidade próxima ao litoral norte gaúcho se referia a uma pequena área de terra, que passou a ser valiosa porque a cidade cresceu para aqueles lados”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

   Castigo financeiro e caligráfico

 

Castigo financeiro e caligráfico

Autor de 45 ligações obscenas a uma massagista, um homem torpe foi condenado a pagar reparação moral. A vítima concordou em reduzir e parcelar o valor indenizatório só depois que o depravado capitulou: teve que escrever 200 vezes, em apurada caligrafia, que as mulheres devem ser respeitadas.

Charge de Gerson Kauer

O surpreendente maranhão

 

O surpreendente maranhão

O insólito acontecimento durante a protocolar audiência: na conciliação processual de um casal que se separara, surge à mesa um sugestivo artefato erótico de silicone. A juíza ameaça chamar a polícia. E a solução é esconder o objeto provocador do (suposto) prazer por baixo do paletó de um dos advogados.