Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de setembro de 2018.

O foro caixa-preta



Em meio ao debate sobre o foro privilegiado, nem o Conselho Nacional de Justiça, nem os tribunais não sabem, com exatidão, quantas dessas ações tramitam no país. Com um leque tão grande de autoridades beneficiadas (seriam 37 mil), nem mesmo o raio-x do Poder Judiciário tem dados exatos sobre o total de ações penais.

No último relatório “Justiça em Números” – com base em número fechados em 31.12.2016, mas divulgado só em setembro, – o CNJ informou que 35% dos casos que começaram a tramitar em 2016 na segunda instância das Justiças Estadual e Federal (TJs e TRFs) eram relativos a foro.

Em números absolutos seriam, em todo o Brasil, 76 mil novas ações em apenas um ano. Advogados criminalistas alfinetam que o CNJ errou nas contas e que a quantidade é bem menor.

O STJ diz ter, seguramente, 74 ações penais e 107 inquéritos relacionados ao foro privilegiado.

E o STF possuía em fevereiro – isto é, há oito meses - 357 inquéritos e 103 ações penais contra congressistas. Não há números atualizados.

O que se conta em Brasília é que o ministro Dias Tóffoli - que pediu vista, na semana passada, quando o placar do julgamento no STF já era de 7 x 0 pelo fim do foro privilegiado – só concluirá seu voto em fevereiro de 2018. Ficando, depois, pendente a decisão da presidente Cármen Lúcia de pautá-lo.

Não esqueçam que fevereiro tem carnaval, em junho tem a Copa do Mundo e que outubro será mês de eleições. Ligeirinho, o final de 2018 chega. E isto já é outra história.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Por “uma Justiça melhor”, Brasil sediará a 9ª Conferência da IACA

Será de 16 a 19 de setembro em Foz do Iguaçu. “Tolerância zero para a corrupção” é um temas do evento. Presidente da Suprema Corte da Suécia fará a conferência de abertura. Brasileiro Sérgio Moro palestrará sobre “Combate permanente à corrupção no mundo”.

Magistrados podem, ou não, julgar ações em que haja atuação de familiares?

A AMB busca, em ADIn, a inconstitucionalidade do art. 144 do CPC. Este dispõe que há impedimento do juiz em ação “em que figure como parte cliente do escritório de advocacia de seu cônjuge, companheiro ou parente, consanguíneo ou afim”. Em rebate, a AGU sustenta a constitucionalidade do dispositivo.