Ir para o conteúdo principal

Sexta-Feira, 15 de Dezembro de 2017
http://espacovital.com.br/images/jus_colorada.jpg

Uma noite em Buenos Aires



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Aqui no Rio Grande não basta ser colorado ou gremista.

Além de torcer pelo sucesso dos nossos respectivos times, torcemos com todas as nossas forças pelo insucesso do nosso "tradicional rival".

Na quarta-feira (29) apenas os puros de alma não sofreram com a expectativa ansiosa da final da Libertadores da América de 2017. O meu neto João e o meu cão Tobias dormiam enquanto o jogo acontecia.

Eu, ah, eu me dediquei à leitura dos novos dispositivos da legislação trabalhista.

Dormi em seguida, acolhido pelo silêncio da noite praticamente deserta em uma Porto Alegre, sem saber o que aconteceu na noite de anteontem em Buenos Aires.

Em todo caso, com a necessária humildade, sem que isso afete o meu extremado coloradismo, sei reconhecer os triunfos alheios.

Com isso dito, estendo os meus braços para dar um abraço resignado no meu amigo Romildo Bolzan.

Logo após o Romildo ter assumido a presidência do rival, fui entrevistado por uma emissora de rádio, sendo perguntado: “O que o senhor gostaria de ter no Inter que o adversário tem atualmente?

Rapidamente, lembrando do colega que foi secretário-geral do Centro Acadêmico Maurício Cardoso quando fui presidente, um jovem sério, dedicado, idealista e lutador, pronunciei o seu nome no ar.

Surpresas à parte, parece que eu tinha razão.

Também não me enganei acerca do paradigma que, então, presidia o nosso querido e vitorioso Internacional.

Bem, agora penso em uma noite em Abu Dhabi, em uma noite árabe, mas tipicamente espanhola. Um bom vinho acompanhado de um real ´jamón pata negra´.


Comentários

Renato J. B. De Bicca - Produtor Rural... 01.12.17 | 19:38:59
Perfeita essa tua quase crônica. Assinaria embaixo. Só que o meu não é Tobias, mas o Ramon (que pelo nome justificava-se torcer pelo Lanus... ). E em Três Coroas, no Recanto do Lago, nem se ouvia qualquer foguete...
Carlos Alberto De Oliveirac - Advogado 01.12.17 | 16:50:26
A grandeza de um clube é retratada pela forma com que seus interlocutores se pronunciam. Parabéns pela manifestação, mais uma vez demonstrando que não temos dificuldade em reconhecer o mérito do coirmão, quando os possui.
Cesar Franco De Lima - Empresário 01.12.17 | 09:50:59
Brilhante Roberto, um show de grandeza!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

As mil e uma noites

Uma especulação: “Para aqueles que estão em andanças pelo mundo árabe, ainda resta uma noite. Escaparão ou não da execução como Xerazade?”. E uma constatação: “Em Porto Alegre testemunhamos uma das maiores mediocridades da história do Inter”.

A pandorga sem rabo

“As coisas no Inter continuam sendo feitas ao sabor das vontades limitadamente pessoais e dos arranjos de ocasião.
O projeto é o improviso. A minha conclusão não pode ser outra: pandorga sem rabo não tem rumo e corre o risco de cair”.

O nosso DRONE caiu!

“Há pouco tempo o DRONE do Inter caiu, deixando de ser o treinador colorado.  Bobagem, porque não é isso que faz um time ganhar ou perder. Mas isso tudo faz parte”.

Adios muchachos!

“Saímos da série B no campo, é bem verdade.  Não demos o banho de bola que todos esperavam. Nosso planejamento foi deficiente e os resultados também, mas subimos. (...) Bem, agora a questão é outra: renovar ou não renovar contrato com o D’Alessandro”.

2016: o ano que não terminou

“Sairemos da Série B, mas temos que pensar em 2018, pois 2017 está rigorosamente igual ao ano em que amargamos descer para a segunda divisão”.

D’Alessandro, o seu problema é o caráter!

Quanto ao fato de o Dale estar assumindo o protagonismo em detrimento da direção e do treinador, o problema não é dele. (...) É de quem se omite, deixando espaços para a assunção pelo outro de funções que não lhe pertencem”.