Ir para o conteúdo principal

Edição antecipada 21-22 de junho de 2018.

Débitos judiciais da EPTC serão pagos por precatórios



Decisão monocrática do ministro Edson Fachin, do STF, deu provimento a recurso extraordinário da EPTC – Empresa Pública de Transporte e Circulação S.A. e – reformando julgado da 2ª Câmara Cível do TJRS – dispôs que “a condenação judicial da recorrente se submete ao regime constitucional dos precatórios”.

Na origem da questão judicial está uma exceção de pré-executividade, ajuizada pela EPTC contra a cidadã Simone Saavedra Viegas. Esta, em ação de cumprimento de sentença, buscava o recebimento de pouco mais de R$ 7 mil a título de sucumbência, numa ação que discutiu uma taxa (relativa a serviços de concessão de táxi) considerada indevida.

Na comarca de Porto Alegre, a exceção de pré-executividade teve sentença de improcedência.

Passo seguinte, uma decisão colegiada da 2ª Câmara Cível do TJRS definiu que “conquanto a EPTC seja uma empresa pública, é regida pelas normas aplicáveis às pessoas jurídicas de Direito Privado, não possuindo as mesmas prerrogativas da Fazenda Pública, sendo assim inaplicável o rito especial previsto no art. 730 do CPC de 1973, com correspondência no art. 534 e seguintes do Novo Diploma Processual Civil”.

A EPTC interpôs recurso extraordinário, que teve trânsito admitido pelo 1º vice-presidente do TJRS, Carlos Eduardo Zietlow Duro.

Na decisão sobre o RE – publicada no último dia 23 – o ministro Facchin dispôs que o Supremo Tribunal Federal, na forma consignada nas razões recursais da EPTC, tem decidido que às sociedades de economia mista prestadoras de serviço público em ambiente não concorrencial aplica-se o regime de precatório. (RE nº 1092308).

Leia a íntegra da decisão no RE


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF proíbe a condução coercitiva de réus e investigados

Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança. Instrumento utilizado em investigações já havia sido suspenso por decisão liminar de Gilmar Mendes. O resultado de ontem (14) foi aquele parelho frequente no Plenário: 6 x 5. Rosa Weber foi a “fiel” da balança.

STF cassa censura a publicações jornalísticas

Duas decisões do ministro Luís Roberto Barroso, em reclamações, liberam publicações jornalísticas envolvendo dois governadores. Flexibilidade do conceito de segredo de justiça, quando houver interesse público, inclusive como fator inibidor de transgressões futuras.

Com maioria para o fim do foro privilegiado, STF retoma hoje o julgamento

Cronologia da demora: o julgamento começou em maio de 2017, com o voto do ministro Luís Roberto Barroso, que manteve no Supremo somente processos por crimes ocorridos durante o mandato e relacionados ao cargo. Prosseguiu em novembro, com o voto de Alexandre de Moraes, que deixa no STF apenas os casos ocorridos durante o mandato, ainda que não relacionados ao cargo. Quando estava 8 x 0, então Toffoli pediu vista...